Francisco Vale César vai ser candidato ao Parlamento. “Não quero que me julguem pelo parentesco”

Rui Soares / Wikimedia

Francisco Vale César

No sábado, a Comissão Regional do PS/Açores aprovou Francisco Vale César como cabeça-de-lista às eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Francisco Vale César foi aprovado pela Comissão Regional do PS/Açores como cabeça-de-lista às eleições legislativas de 30 de janeiro. Num texto publicado no Facebook, o político fez questão de antecipar eventuais ataques ou acusações de favorecimento.

O ex-líder da bancada parlamentar do PS na Assembleia Legislativa dos Açores, que é filho de Carlos César, disse conhecer “para o bem e para o mal o julgamento familiar” a que está sujeito e rejeita que os laços de sangue entre os dois se traduzam em favoritismos.

Tenho muita honra em ser filho de quem sou e do que o meu pai fez pelos Açores. Espero ter aprendido com ele muita coisa. Ele fez o seu percurso e eu estou a fazer o meu. Quero, por isso, que as pessoas me julguem pelo meu trabalho e não pelo meu parentesco”, salientou.

“Aliás, todos os cargos, que na política, ou na minha vida cívica já desempenhei foram por eleição e não por nomeação”, sublinhou ainda.

Sobre a pandemia, Francisco César refere que “o país, e em particular os Açores, estão a enfrentar enormes desafios” pelo que, para vencê-los, “precisamos de nos unir todos“. “Socialistas e não socialistas, juntos, na Assembleia da República, em diálogo com os Governos, para ajudar a nossa terra.”

“As empresas precisam de apoios para ultrapassar a quebra do consumo do passado, a subida de preços do presente e a incerteza em relação ao futuro” e “as famílias precisam de ser protegidas da inflação, (por exemplo da subida dos combustíveis) e ajudadas face aos baixos rendimentos do trabalho, aos exagerados custos de compra ou renda de uma habitação”, detalhou.

Francisco Vale César garante que vai “começar a trabalhar para poder merecer a confiança de todos os Açorianos”, com a “esperança” de que nele confiem para defender o arquipélago “na República”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.