Em França, livrarias e lojas de discos são agora “comércio essencial”

O decreto de lei do Governo francês, publicado na última sexta-feira, incluiu as livrarias e lojas de discos na lista do chamado “comércio essencial”, podendo permanecer abertas em caso de confinamento.

Em declarações à agência France-Presse, a ministra da Cultura francesa, Roselyne Bachelot, congratulou-se com esta decisão. “As livrarias são comércios essenciais. Nunca tivemos dúvidas sobre isso”, afirmou.

Apesar de terem estado totalmente fechados no primeiro confinamento, a governante lembrou que no segundo estes estabelecimentos já podiam entregar os produtos à porta, quando os clientes optavam por comprar online e escolhiam a opção “click and collect”. Bachelot também destacou que puderam beneficiar da gratuitidade dos portes do correio, o que “permitiu a manutenção da sua atividade”.

Agora, com o novo decreto de lei, explica a cadeia de rádio francesa France Info, as livrarias poderão estar abertas ao fim-de-semana, entre as 06h00 e as 18h00, mesmo com as novas restrições em várias cidades do país devido ao aumento de casos de covid-19.

Anne Martelle, presidente do sindicato das livrarias francesas, disse à rádio estar “muito feliz” com esta decisão do Governo, que era “necessária por dois motivos”.

“Primeiro porque, economicamente, as livrarias são o negócio menos lucrativo em França. Portanto, são negócios extremamente frágeis e a menor das perturbações pode resultar em falência. Segundo porque nas livrarias temos acesso ao conhecimento“, explicou.

Em Portugal, recorde-se, estas lojas continuam encerradas, não podendo sequer vender ao postigo. O Governo autorizou, recentemente, o comércio de livros e de material escolar apenas nos estabelecimentos que comercializam outros bens considerados essenciais, como é o caso de supermercados e hipermercados, mas também de lojas como a Fnac.

Na semana passada, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) defendeu que “é urgente reabrir as livrarias” e que estas “são, não só pelo peso comercial que têm, a rampa de lançamento determinante para qualquer livro”.

“O nosso desafio não é fechar ou condicionar as livrarias ou outros pontos de venda, antes pelo contrário, é criar condições para que todos possam desenvolver a sua atividade em prol de um objetivo comum, a divulgação da leitura e do livro”, afirmou a APEL.

Filipa Mesquita Filipa Mesquita, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …