França conduz primeiro julgamento do genocídio no Ruanda

British Red Cross / Flickr

Ao longo de cerca de 100 dias, a começar no assassinato de Juvénal Habyarimana a 6 de abril até meados de julho, pelo menos 500 mil pessoas foram mortas no Ruanda. As estimativas apontam para um balanço entre 800 mil e um milhão de mortos, cerca de 20% da população do país.

Ao longo de cerca de 100 dias, desde o assassinato de Juvénal Habyarimana a 6 de abril até meados de julho, pelo menos 500 mil pessoas foram mortas no Ruanda. As estimativas apontam para um balanço entre 800 mil e um milhão de mortos, cerca de 20% da população do país.

20 anos depois do genocídio no Ruanda, começa esta terça-feira o julgamento de um dos responsáveis – o primeiro  em França, país acusado de ter apoiado o regime responsável pelo massacre.

Pascal Simbikangwa, 54 anos, paraplégico devido a um acidente em 1986, é julgado sob o princípio da jurisdição universal da Justiça francesa, que permite sentenciar pessoas procuradas por crimes contra a humanidade cometidos no exterior. Entre abril e julho de 1994, cerca de 800 mil pessoas foram mortas no massacre do Ruanda.

O ex-capitão ruandense pode chegar a ser sentenciado à prisão perpétua. O julgamento será filmado e deve durar entre seis e oito semanas. Simbikangwa é acusado de cumplicidade no genocídio e em crimes contra a humanidade, de ter incitado, organizado e contribuído para a realização de massacres da população do Ruanda da etnia Tutsi, diferente da sua, Hutu. O ex-capitão teria organizado e armado milícias para realizar os crimes de limpeza étnica.

O acusado, que nega as imputações, apresentou-se à Justiça com o nome David Snyamuhara Safari, sob o qual foi detido em 2008 na ilha francesa de Mayotte, na Costa Sudoeste da África, próxima de Moçambique. O ex-militar confirmou ter sido capitão no Exército ruandês e depois nos serviços de informação, mas nega ter cometido os crimes.

As duas primeiras semanas do julgamento serão dedicadas a determinar o contexto que levou ao massacre de centenas de milhares de pessoas pelas milícias do Ruanda, doutrinadas e armadas pelo regime do presidente  de etnia Hutu, Juvenal Habyarimana, assassinado em abril de 1994 num atentado contra o avião em que viajava. O episódio desencadeou a crise que levou ao genocídio.

O Tribunal ouvirá cerca de 30 testemunhas ruandesas, algumas das quais condenadas pelo Tribunal Penal Internacional para o Ruanda – criado em 1994 pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas e pela Justiça ruandesa. Algumas testemunhas prestarão depoimento por videoconferência, outras viajarão para testemunhar.

“A História está em andamento. Sempre nos questionamos porque é que levou 20 anos. É tarde, mas é um bom sinal”, disse o ministro da Justiça do Ruanda, Johnston Busingye.

“Finalmente o julgamento começa. É ao mesmo tempo um alívio e uma preocupação enfrentá-lo”, disse o presidente do Coletivo das Partes Civis para Ruanda, Alain Gauthier.

ZAP / ABr

PARTILHAR

RESPONDER

Os humanos podem descender de marcianos antigos, diz Bill Nye

Bill Nye defendeu recentemente que é importante continuar a financiar a agência espacial norte-americana, especialmente se as missões levadas a cabo pela NASA no futuro ajudarem a responder a uma questão há anos tira o …

Londres dá o nome de Freddie Mercury a uma rua

Londres rebatizou uma das suas ruas em honra do vocalista dos Queen, Freddie Mercury. A rua em causa fica perto da primeira morada do artista na capital inglesa. Uma rua nos subúrbios de Londres, onde o …

Gil Vicente 0-1 Benfica | Vlachodimos segura liderança

O Benfica regressou às vitórias na Liga NOS e recuperou a liderança na tabela classificativa. Na visita ao Gil Vicente, os “encarnados” ganharam por 1-0, num jogo que foi tudo menos fácil para os campeões nacionais. O …

Exército norte-americano está a desenvolver tecidos que neutralizam agentes nervosos

A roupa das tropas norte-americanas poderá, no futuro, combater alguns dos agentes nervosos mais perigosos do mundo. Uma equipa de químicos da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, está a desenvolver um tecido capaz de neutralizar …

Mona Lisa de cubos mágicos vendida em leilão por 480 mil euros

"Rubik Mona Lisa", uma Mona Lisa feita com quase 300 cubos mágicos, foi vendida em leilão, este domingo, por 480.200 euros. A obra é da autoria do artista francês Invader. A obra de arte, que se …

Cientistas utilizam IA para criar antibiótico que mata até as bactérias mais resistentes

Investigadores norte-americanos utilizaram mecanismos de inteligência artificial para criar um poderoso, capaz de matar algumas das bactérias resistentes mais perigosas do mundo. Segundo informou o Guardian, este fármaco atua de maneira diferente dos antibacterianos existentes, tendo …

Mulheres que assinaram acordos de sigilo vão poder falar sobre comportamento de Bloomberg, garantiu o empresário

Após uma extensa repercussão sobre os acordos de confidencialidade da sua empresa, que impedem as funcionárias de falar sobre as alegações de assédio no local de trabalho, Michael Bloomberg tentou inverter o curso da polémica. "A …

Nome de Vitalino Canas para o Tribunal Constitucional não deverá ser aprovado

O nome de Vitalino Canas para o Tribunal Constitucional não deverá ser aprovado na próxima sexta-feira. PSD e BE mostram-se contra a sua nomeação. Os deputados do PSD “não estão confortáveis” com a proposta do PS …

Amazon está a remover produtos que promovem a cura contra o coronavírus

A Amazon está a retirar os produtos que alegam "matar" o coronavírus e a avisar os utilizadores da desinformação em torno deste tema. Há empresas e vendedores a aproveitarem-se do mediatismo do coronavírus e a promover …

Autoridades revelam que atropelamento em desfile de Carnaval foi intencional

O atropelamento de pelo menos 15 pessoas num desfile de carnaval hoje em Volkmarsen, no centro da Alemanha, foi intencional, segundo a polícia, que não confirmou a hipótese de atentado. Henning Hinn, da diretoria de polícia …