França conduz primeiro julgamento do genocídio no Ruanda

British Red Cross / Flickr

Ao longo de cerca de 100 dias, a começar no assassinato de Juvénal Habyarimana a 6 de abril até meados de julho, pelo menos 500 mil pessoas foram mortas no Ruanda. As estimativas apontam para um balanço entre 800 mil e um milhão de mortos, cerca de 20% da população do país.

Ao longo de cerca de 100 dias, desde o assassinato de Juvénal Habyarimana a 6 de abril até meados de julho, pelo menos 500 mil pessoas foram mortas no Ruanda. As estimativas apontam para um balanço entre 800 mil e um milhão de mortos, cerca de 20% da população do país.

20 anos depois do genocídio no Ruanda, começa esta terça-feira o julgamento de um dos responsáveis – o primeiro  em França, país acusado de ter apoiado o regime responsável pelo massacre.

Pascal Simbikangwa, 54 anos, paraplégico devido a um acidente em 1986, é julgado sob o princípio da jurisdição universal da Justiça francesa, que permite sentenciar pessoas procuradas por crimes contra a humanidade cometidos no exterior. Entre abril e julho de 1994, cerca de 800 mil pessoas foram mortas no massacre do Ruanda.

O ex-capitão ruandense pode chegar a ser sentenciado à prisão perpétua. O julgamento será filmado e deve durar entre seis e oito semanas. Simbikangwa é acusado de cumplicidade no genocídio e em crimes contra a humanidade, de ter incitado, organizado e contribuído para a realização de massacres da população do Ruanda da etnia Tutsi, diferente da sua, Hutu. O ex-capitão teria organizado e armado milícias para realizar os crimes de limpeza étnica.

O acusado, que nega as imputações, apresentou-se à Justiça com o nome David Snyamuhara Safari, sob o qual foi detido em 2008 na ilha francesa de Mayotte, na Costa Sudoeste da África, próxima de Moçambique. O ex-militar confirmou ter sido capitão no Exército ruandês e depois nos serviços de informação, mas nega ter cometido os crimes.

As duas primeiras semanas do julgamento serão dedicadas a determinar o contexto que levou ao massacre de centenas de milhares de pessoas pelas milícias do Ruanda, doutrinadas e armadas pelo regime do presidente  de etnia Hutu, Juvenal Habyarimana, assassinado em abril de 1994 num atentado contra o avião em que viajava. O episódio desencadeou a crise que levou ao genocídio.

O Tribunal ouvirá cerca de 30 testemunhas ruandesas, algumas das quais condenadas pelo Tribunal Penal Internacional para o Ruanda – criado em 1994 pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas e pela Justiça ruandesa. Algumas testemunhas prestarão depoimento por videoconferência, outras viajarão para testemunhar.

“A História está em andamento. Sempre nos questionamos porque é que levou 20 anos. É tarde, mas é um bom sinal”, disse o ministro da Justiça do Ruanda, Johnston Busingye.

“Finalmente o julgamento começa. É ao mesmo tempo um alívio e uma preocupação enfrentá-lo”, disse o presidente do Coletivo das Partes Civis para Ruanda, Alain Gauthier.

ZAP / ABr

PARTILHAR

RESPONDER

Twitter passa a alertar utilizadores que colocam "like" em informações incorretas

O Twitter passou a alertar os utilizadores quando estes tentam 'curtir' uma publicação que contenha informações consideradas incorretas, medida que faz parte da esforço da empresa para combater a desinformação. Esta mudança significa que os utilizadores …

Erosão causada por tempestade tropical revela naufrágio do século XIX na Florida

Depois da tempestade tropical Eta arrebatar o norte da Florida no início deste mês, um banhista fez uma descoberta inesperada enquanto caminhava na costa de St. Augustine. Ao caminhar pelas dunas de areia de Crescent Beach, …

Uma mentira de um trabalhador de uma pizzaria forçou o confinamento na Austrália do Sul

O estado da Austrália do Sul decretou um confinamento geral, no dia 18 de novembro, depois de um funcionário de uma pizzaria ter mentido. Segundo o Huff Post, o homem, de nacionalidade espanhola, estava infetado com …

Jogar Monopólio, Scrabble ou até bilhar pode ser (ainda) mais divertido com uma nova mesa touch

Por mais divertidos que sejam os jogos de tabuleiro, estes podem ser um passatempo caro pois quem realmente gosta não se cansa de os comprar. Agora, a empresa Arcade1Up criou o Infinity Game Table que …

A apreensão histórica de cetamina na Tailândia não foi assim tão histórica. Eram só aditivos alimentares

Análises laboratoriais revelaram que a apreensão "histórica" de cetamina anunciada pelo Governo da Tailândia há cerca de duas semanas foi, na verdade, uma apreensão de aditivos alimentares e agentes de limpeza. As autoridades tailandesas anunciaram, …

Para clínicas de Terceiro Mundo. Dispositivo movido a energia solar esteriliza equipamentos médicos ao ar livre

As autoclaves são consideradas essenciais para esterilizar equipamentos médicos, mas não estão disponíveis nos países de Terceiro Mundo, onde o acesso à eletricidade é limitado. Um novo dispositivo portátil, movido a energia solar, pode ser …

China pondera novas regras sobre estrangeiros para "proibir o extremismo religioso"

Um projeto-lei publicado esta semana pelo Ministério da Justiça chinês aponta para novas restrições sobre a atuação de fiéis estrangeiros no país, com o intuito de evitar a disseminação do "extremismo religioso" ou do uso …

Regar, cortar e matar insetos. Robô dá conta de todas as tarefas de jardinagem (e até afasta intrusos)

A jardinagem é uma terapia para muitas pessoas, mas também pode ser um incómodo. O robô Yardroid foi projetado para lidar de forma autónoma com essas tarefas, utilizando inteligência artificial. Semelhante a um tanque em miniatura, …

ProToiro vai impugnar IVA das touradas e avança com queixa em Bruxelas

A Federação Portuguesa de Tauromaquia (ProToiro) vai avançar com a impugnação do valor do IVA na tauromaquia e com uma queixa na Comissão Europeia, exigindo que a taxa passe de 23% para 6%. Em comunicado, a …

Braga 3-3 Leicester | Vardy rouba triunfo luso nos descontos

Um "balde de água fria". A recepção do Sporting de Braga ao Leicester não foi parca em emoção e em bom futebol. Os minhotos foram superiores na primeira parte e chegaram ao intervalo em vantagem. Contudo, …