Descoberta de fósseis com 4 mil milhões de anos pode reescrever a história da vida na Terra

1

UCL

A descoberta pode significar que a vida no nosso planeta começou 300 milhões antes do que se pensava e dá pistas sobre a existência de vida além da Terra.

É uma revelação que pode revolucionar o nosso conhecimento sobre a história a vida na Terra. Um novo estudo publicado na Science Advances detalha a descoberta de alguns dos fósseis mais antigos da Terra, datados de há entre 3.75 mil milhões e 4.2 mil milhões de anos, numa zona remota do Quebec, no Canadá.

Se as estruturas destas rochas forem de origem biológica, isso significa que a vida na Terra pode ter começado 300 milhões de anos antes do que pensava até agora e que os primeiros organismos nasceram pouco tempo depois do nascimento do próprio planeta — uma descoberta que tem implicações na nossa compreensão da vida na Terra e que nos pode dar pistas na busca pela vida noutros planetas.

A descoberta inicial foi reportada num estudo em 2017 e desde então que a equipa trabalhou no sentido para reforçar os argumentos que provam que estes são realmente fósseis microbianos que terão existido perto de fontes hidrotermais nos antigos oceanos da Terra, escreve a Vice.

Os investigadores acreditam ainda que estas conclusões “sem precedentes” têm o potencial para revelarem “um ecossistema microbial diverso na Terra primordial que pode ser comum com outros corpos planetários, incluindo Marte”.

“Estes microfósseis podem existir noutras antigas superfícies planetárias porque a origem da vida demora muito pouco tempo para se desenvolver”, revela Dominic Papineau, professor de geoquímica e astrobiologia que liderou a pesquisa.

Em resposta aos céticos das conclusões do estudo de 2017, a equipa usou novas técnicas para clarificar a natureza das misteriosas estruturas encontradas nas rochas no Canadá.

O primeiro estudo baseou-se numa amostra da rocha muito fina, mas a segunda pesquisa já usou uma amostra mais espessa e semelhante ao tronco de uma árvore, com ramos paralelos com quase um centímetro num lado e esferas distorcidas reunidas em aglomerados intricados.

A escala de um centímetro é importante porque indica o potencial de existência de uma comunidade bacteriana na infância do planeta. “Isto cria muitas novas oportunidades para retrocedermos no relógio da origem da vida“, notam.

A equipa reconhece que alguns destes padrões podem ter sido formados por reações geológicas, mas ressalva que estas são difíceis de explicar com processos abióticos. O retrato geral na rocha também é semelhante ao efeito de micróbios que se alimentam de ferro e que vivem nas fontes hidrotermais modernas.

Durante décadas, os cientistas sugeriram que a vida podia ter surgido na Terra à volta destes respiradouros nos oceanos, que fornecem várias fontes de energia, como ferro, carbono ou oxigénio.

A potencial existência destes locais semelhantes a estes nos oceanos na Europa, lua de Júpiter, ou da Encélado, lua de Saturno, intriga os cientistas sobre a existência de vida alienígena no nosso Sistema Solar. Há ainda provas de que ambientes semelhantes possam ter também existido em Marte.

  ZAP //

1 Comment

  1. Os amantes cegos das estórias das várias bilblias não gostam muito deste tipo de noticias.. e se há 400 anos ainda conseguiam queimar os “hereges”, agora vão ter que gramar com a verdade acerca do planeta terra.. Deus dê um cérebro raciocinante a essas pessoas 😉

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.