Forças armadas alemãs ponderam recrutar estrangeiros

O Governo alemão está a ponderar permitir o ingresso de cidadãos de outros estados-membros da União Europeia nas fileiras das Forças Armadas do país (Bundeswehr) como resposta ao problema da falta de pessoal.

Após o fim do serviço militar obrigatório em 2011, a Bundeswehr passou a enfrentar dificuldades em recrutar novos membros para as suas fileiras. Hoje, o país conta com pouco menos de 180 mil homens e mulheres, mas o Governo pretende aumentar esse número para quase 200 mil até 2024.

A Alemanha está sob pressão dos EUA para aumentar os gastos militares e a sua participação na OTAN. A longo prazo, as Forças Armadas lutam contra o tempo: metade dos seus membros no ativo deve aposentar-se até 2030, e o envelhecimento da população impõe novos desafios para substituir o atual efetivo.

Desde a sua criação, em 1955, a Bundeswehr só permite a entrada de cidadãos alemães. “A Bundeswehr está a crescer e para isso precisamos de pessoal qualificado. Estamos a considerar com cuidado todas as opções”, disse um porta-voz do Ministério da Defesa.

A possibilidade de permitir o ingresso de cidadãos de outros países da União Europeia está a ser estudada desde 2011, mas nos últimos dois anos vem ganhando força no Governo.

Em 2016, a hipótese foi incluída pela primeira vez no chamado “Livro Branco” da política de segurança da Bundeswehr, que estabelece as diretrizes estratégicas para o futuro das Forças Armadas.

Esta semana, o deputado Florian Hahn, que atua como porta-voz para os assuntos de defesa da União Social-Cristã (CSU), disse ao jornal Augsburger Allgemeine que é favorável à ideia de recrutar cidadãos dos outros 26 Estados-membros da UE.

“Com base na estrutura do liberalismo europeu, um modelo pode ser desenvolvido aqui”, disse Hahn, que também fez uma ressalva: “Um certo nível de confiança com relação a cada soldado precisa ser garantido”.

Já o deputado Karl-Heinz Brunner, porta-voz para assuntos de defesa do Partido Social-Democrata (SPD) – também se mostrou favorável ao plano de incluir estrangeiros na Bundeswehr, mas apenas se forem de outros países da UE. Segundo o governante, seria uma forma de fortalecer a integração europeia.

Já no caso de estrangeiros de fora do bloco, Brunner sublinha que existe o risco de a Bundeswehr “se tornar um exército de mercenários” se a contrapartida para o alistamento for a concessão da nacionalidade alemã.

Segundo o porta-voz, outros estrangeiros têm primeiro de se tornar cidadãos alemães antes de se juntarem ao Exército. “Quem obtiver um passaporte alemão como parte do processo de integração será cordialmente convidado”, disse.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A pressão dos EU sobre a Nato e os Países da UE, não é nada mais do que tentar fortalecer uma aliança, que sirva os interesses cada vez mais obscuros dos EU. De facto, vemos os EU e nomeadamente o seu actual presidente, criar atritos e confusões um pouco por todo o mundo, sem consultar os seus aliados da Nato ou da UE. Como se fossem os donos disto tudo e não são. Existem três grandes potências no mundo actual. EU, Rússia e China.
    Ao que parece, Rússia e China, desejam ter boas relações com os Estados Unidos, mas existem sempre entraves e desconfianças que o impedem. Porquê? Porque os EU não abdicam da ideia de mandar na casa dos outros.
    Temos, na Rússia e na China, dois líderes políticos de mão cheia, com tanto ou mais poder que Trump.
    Uma diplomacia baseada no respeito mútuo e na compreensão dos anseios dos outros, poderia ser uma porta aberta para o fortalecimento da tolerância e paz no Mundo. E Putin e o presidente chinês, já demonstraram ter mais inteligência e fairplay que Trump. Basta que os EU mostrem alguma tolerância e respeito, para que as coisas possam melhorar ao nível global e que a política externa americana deixe de ser uma política fomentadora de atritos e invenções mirabolantes. Pode não parecer, mas os EU, serão os principais responsáveis pelas crises que assolam o mundo. Basta um país não se submeter ao seu jugo e temos o caldo entornado.

RESPONDER

Descoberto fóssil de macaco que viveu há 4,2 milhões de anos no Quénia

Uma equipa internacional de investigadores descobriu restos fósseis de um pequeno macaco que viveu no Quénia há 4,2 milhões de anos. Os responsáveis pela investigação, que será publicada na revista Journal of Human Evolution, são cientistas …

Air France acusada de negligência no desastre do voo Rio de Janeiro-Paris

A justiça francesa acusou a Air France de negligência, na sequência da investigação ao acidente aéreo do voo Rio de Janeiro-Paris, que causou 228 mortos em 2009, confirmou esta quarta-feira a AFP. O Ministério Público considerou …

Governo "está preparado” para eventual greve dos camionistas

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, disse esta quarta-feira que “não perdeu as esperanças no esforço de conversação” com os representantes dos camionistas, mas garantiu que “o Governo está preparado para o que vier …

Carga misteriosa e contradições nos passageiros. Revelados novos dados sobre o MH370

A França é o único país que continua a investigar o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines em Março de 2014. E emergem novos dados sobre o que apuraram os magistrados envolvidos no caso, …

Foi avistada uma alforreca gigante no Reino Unido

A alforreca gigante, a maior alguma vez encontrada em águas britânicas, foi avistada na Cornualha, no Reino Unido, no sábado, por uma bióloga e repórter da BBC. Segundo o Washington Post, a criatura foi avistada, no …

Montepio condenado a ressarcir cliente que culpou de ataque informático

O Tribunal da Relação de Guimarães condenou o banco Montepio a pagar a uma cliente de Barcelos os 28.596 euros que em quatro dias foram retirados da sua conta, na sequência de ataque informático. Por acórdão …

Crew Dragon. Já se sabe o que causou a misteriosa explosão da nave da SpaceX

A NASA e a SpaceX explicaram, finalmente, o motivo da explosão da nave espacial Crew Dragon. Apesar de terem sido divulgadas imagens da explosão, nenhuma das agências explicou as razões do desastre. As imagens da nave …

Turistas britânicos encorajados a afixar cartazes de Maddie durante as férias

Turistas britânicos com viagens marcadas para o estrangeiro estão a ser encorajados a levar cartazes de Madeleine McCann pela campanha oficial lançada pelos pais para encontrar a criança inglesa desaparecida em Portugal em 2007. “Vai de …

Crianças preferem ser YouTubers do que astronautas

A maioria das crianças entrevistadas prefere mais ser YouTuber do que ser astronauta. De uma lista de cinco profissões, a de cosmonauta foi a menos escolhida entre crianças americanas e britânicas. Há 50 anos, a ida …

Estamos a perder 10 piscinas olímpicas por hora. Setor da água precisa de 4 mil milhões de investimento

A AEPSA, que junta os concessionários privados que distribuem água canalizada a 20% da população portuguesa, quer estabilidade regulatória e legislativa, nomeadamente com a alteração do regime de gestão das empresas municipais. O presidente da AEPSA, …