FMI quer novo procedimento de Bruxelas contra Portugal

Stephen Jaffe / International Monetary Fund / Flickr

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende uma ação mais dura da Comissão Europeia contra países com desequilíbrios excessivos na economia – entre estes Portugal.

O FMI defende, num relatório publicado esta sexta-feira sobre as consultas ao abrigo do artigo IV sobre a zona euro, que a Comissão Europeia abra um Procedimento por Desequilíbrio Excessivo contra Portugal, que tem registado desequilíbrios na economia desde 2014.

Os técnicos do FMI defendem que Bruxelas abra “procedimentos contra países que violem as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento”, ou seja, que sejam “reincidentes” na acumulação de desequilíbrios macroeconómicos.

No ano passado, de acordo com a Comissão Europeia, outros quatro países registavam desequilíbrios excessivos além de Portugal – Bulgária, França, Croácia e Itália -, mas a Comissão não abriu nenhum Procedimento por Desequilíbrio Excessivo. Este ano, junta-se a estes cinco países o Chipre.

Na análise da Comissão Europeia relativa a 2016, publicada em fevereiro, a economia portuguesa revela “enormes desequilíbrios no que toca à dívida externa e interna, tanto pública como privada, num contexto de elevado desemprego“, e a posição líquida de investimento internacional “é muito negativa”.

Se o procedimento fosse aberto contra Portugal, o nosso país teria de apresentar um plano de ação corretiva, que teria que ser aprovado pelo Conselho da União Europeia, ou Portugal poderia ser sujeito a uma multa de 0,1% do PIB.

De acordo com o Jornal de Negócios, no entanto, o relatório refere que, “em vez de abrir um PDE, que seria politicamente controverso, a Comissão Europeia vai usar a ferramenta de ‘monitorização específica’ para avaliar a implementação das reformas nos países com desequilíbrios excessivos continuados, para ajudar a gerar pressão de grupo para agirem”.

No documento é ainda defendida necessidade de criar regras mais simples e um modelo mais automático de aplicação desses mecanismos de reforço de cumprimento e um quadro orçamental mais independente.

“O modelo de governação económica precisa de ser consideravelmente reforçado para incentivar as reformas estruturais. Uma melhor aplicação do atual modelo – incluindo a abertura do Procedimento por Desequilíbrio Excessivo contra infratores reincidentes – iria aumentar o cumprimento das regras e construir credibilidade”, realça ainda o FMI.

Perspetivas “medíocres”

O FMI voltou a rever em baixa as previsões de crescimento da economia da zona euro para 2017, dos anteriores 1,6% para 1,4%, sobretudo devido ao “impacto negativo” do Brexit.

Segundo o estudo do artigo IV sobre a zona euro, divulgado esta sexta-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), “o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deverá desacelerar de 1,6% este ano para 1,4% em 2017, sobretudo devido ao impacto negativo do resultado do referendo no Reino Unido”, que determinou a saída do país da União Europeia.

No relatório, o Fundo aponta ainda que as perspetivas para a zona euro a médio prazo são “medíocres” – dado o elevado desemprego herdado da crise, a elevada dívida pública e privada e as debilidades estruturais que afetam o crescimento da produtividade – projetando um crescimento a cinco anos em torno de 1,5%, com a taxa de inflação a ficar-se pelos 1,7%.

No World Economic Outlook divulgado a 12 de abril, em que atualizou as projeções económicas até 2021, o FMI já tinha revisto em baixa as previsões de janeiro para a zona euro, antecipando uma evolução de 1,5% em 2016 e de 1,6% em 2017 .

Em janeiro tinha previsto que a zona euro deveria crescer 1,7% tanto este ano como no próximo.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Cá está! Esta instituição vive disto!
    Quanto mais países enterrados até ao pescoço melhor.
    É este tipo de instituições que são autenticos parasitas, agiotas encapotados.
    Por outro lado parece-me absurda esta intromissão nas decisões da UE, ao tecerem comentários que na prática representam uma atitude de pressão na UE, para que estes implementem sanções contra nós.
    É vergonhoso e revoltante!

  2. tudo um cambada de por……………..cos?=)(/, para não dizer outra coisa. Chegámos ao tempo em que os grandes enchem-se à custa dos pequenos. Apetece falar mas não …………….e é assim.

  3. Isto vindo de uma parasita que foi ministra das finanças do país que mais vezes ultrapassou os limites de défice, deve ser para rir!!!

RESPONDER

Prendas aos deputados acima de 150 euros serão divulgadas na Internet

PS, PSD e Bloco aprovaram, esta terça-feira, em votação final na Comissão Parlamentar de Transparência, o conjunto de critérios orientadores em matéria de ofertas e hospitalidade de deputados, diploma que teve a oposição do PAN. Estes …

Metro do Porto compra 18 novos veículos e assegura mais 60 mil lugares por dia

A Metro do Porto assinou esta terça-feira o contrato para a aquisição, por 49,6 milhões de euros, de 18 composições à empresa chinesa CRC Tangsthan que permitirão disponibilizar mais 60 mil lugares diários, estima a …

Catarina Martins diz que Carlos Costa "não tem condições" para ser governador

Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, disparou contra aqueles que considera serem "cúmplices" do "assalto ao povo angolano". Tanto a Justiça como o Governo português têm de agir, considera o Bloco de Esquerda, na sequência …

Pedro Sánchez vai reunir-se com líder do governo regional catalão

O primeiro-ministro espanhol e líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, anunciou na segunda-feira que se reunirá com o líder do governo regional da Catalunha, Quim Torra, no início de fevereiro. Em entrevista à televisão …

Governo confirma que nunca avaliou impacto dos vistos gold. Só 5% foram recusados

O Ministério da Administração Interna (MAI) confirmou que não foram realizadas avaliações ao impacto dos vistos gold e que não cabe ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) controlar as origens do capital investido em …

Conselho de Finanças Públicas alerta para "risco de desvio significativo" no ritmo de ajustamento estrutural

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) alerta para um "risco de desvio significativo" do ritmo de ajustamento estrutural da economia portuguesa em 2020, avisando que a evolução programada da despesa no OE2020 "não cumpre o …

Carolina Salgado condenada a pena de quatro meses de prisão, substituída por multa de 600 euros

Carolina Salgado não cumpriu sentença do processo de difamação a Pinto da Costa. Além das 300 horas de trabalho comunitário devia ter publicado o texto da sentença no jornal e não o fez. Carolina Salgado foi …

Taiwan deteta primeiro paciente com pneumonia originária da China

A Agência Central de Notícias de Taiwan disse que uma mulher, que esteve recentemente na cidade chinesa de Wuhan, está a ser tratada e foi colocada sob quarentena, depois de se ter dirigido voluntariamente aos …

PSP investiga alegada agressão de um agente a uma mulher na Amadora

A Polícia de Segurança Pública (PSP) abriu um processo de averiguações sobre a atuação policial contra uma mulher que foi detida, no domingo, na Amadora, ocorrência que envolveu "agressões" e que resultou numa denúncia contra …

Ex-presidente da Interpol condenado a 13 anos e meio de prisão por suborno

O ex-presidente da Interpol Meng Hongwei foi condenado a 13 anos e meio de prisão por suborno, segundo uma declaração de um tribunal chinês divulgada esta terça-feira. Além da pena de prisão, foi multado em …