Flamengo campeão: VAR anulou dois golos e um penálti ao Inter

Alexandre Vidal / CRF

Uma das derrotas mais vitoriosas de sempre na história do Brasileirão; na última jornada o Flamengo perdeu mas o Internacional não conseguiu marcar contra o Corinthians.

Houve sofrimento até ao apito final e para lá do apito final, em São Paulo: o Flamengo foi bicampeão brasileiro mas perdeu no Morumbi por 2-1, na 38.ª e última jornada do Brasileirão. No entanto, a turma do Rio de Janeiro celebrou na mesma porque, em Porto Alegre, o Internacional empatou 0-0 com o Corinthians.

Em São Paulo, o Flamengo já chegou ao intervalo a perder. Numa primeira parte dominada pelo campeão, mas algo tremida no ataque, perto do intervalo foi Luciano a marcar, num livre direto (no único remate à baliza do São Paulo até ao intervalo). A segunda parte começou e o Flamengo cedo empatou, por Bruno Henrique, em nova jogada de bola parada. Mas aos 57 minutos Pablo aproveitou um mau alívio do guarda-redes Hugo Souza e estabeleceu o 2-1 final.

O jogo acabou com a festa do São Paulo que, ao conquistar os três pontos, assegurou uma das vagas na fase de grupos da próxima Taça dos Libertadores. O Flamengo não festejou porque ainda faltavam alguns minutos para terminar o Internacional-Corinthians.

No Beira-Rio não houve golos oficiais mas houve dois apontados pelo Internacional, já depois de uma decisão discutível na anulação de uma grande penalidade. À meia hora de jogo, Ramiro, jogador do Corinthians tocou na bola com o braço dentro da área defensiva; grande penalidade mas, quase seis minutos depois, e após consulta do vídeo-árbitro, a decisão foi revertida. Decisão complicada, muitos protestos locais. Mais tarde, Yuri Alberto marcou para o Inter mas o golo foi bem anulado.

Já no período de compensação da segunda parte, a cena mais dramática da “novela” desta madrugada: Edenílson apontou mais um golo para o Internacional…mais um golo que foi anulado. Fora-de-jogo bem assinalado. Foi curioso ver a corrida desenfreada dos elementos do Internacional que estavam no banco de suplentes: iam a correr na direção de Edenílson para celebrar mas, quando viram que a bandeira do árbitro auxiliar estava levantada, mudaram de repente o percurso e começaram a correr para rodear o árbitro – e alguns ficaram muito perto da violência física.

Também curioso foi ver a ansiedade em São Paulo, ao mesmo tempo: no minuto em que o jogo do Flamengo acabou, estava precisamente a decorrer a análise do vídeo-árbitro a este segundo golo anulado ao Internacional. Muitos telemóveis na mão e muitos nervos.

Nervos que terminaram pouco depois (o Inter ainda teve uma oportunidade flagrante após o golo anulado) quando o duelo no Beira-Rio acabou e assim começaram os festejos do Flamengo. Bicampeonato confirmado com 71 pontos, apenas mais um do que o Internacional. Quem entregou a taça foi Nunes, que era um dos futebolistas do Flamengo no bicampeonato de 1982/83.

Depois do título nacional em 2019, sob o comando de Jorge Jesus, seguiu-se uma época com três treinadores mas a repetição da conquista do Brasileirão. O treinador responsável pela subida de rendimento nos últimos meses foi Rogério Ceni, figura do São Paulo que foi campeão…em São Paulo.

O Flamengo conta agora com sete títulos nacionais, igualando precisamente o Corinthians, equipa que foi essencial desta vez. Ambos estão no terceiro lugar da lista dos maiores vencedores do Brasileirão, atrás do líder Palmeiras e do Santos.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.