Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

José Sena Goulão / Lusa

Panorâmica da baia de Luanda, Angola.

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros ilegais.

A Fresenius Portugal, sucursal portuguesa da multinacional alemã em Angola, encontra-se no meio de uma rede de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que foi desmantelada pelas autoridades norte-americanas.

O caso é reportado pelo Observador que constata que foi a própria multinacional a reportar a situação às autoridades dos EUA. A implantação da Fresenius Medical Care (FMC) em Angola, para a realização de tratamentos de diálise, terá envolvido o pagamento de subornos que garantiram à empresa lucros ilegais da ordem dos 140 milhões de dólares (124 milhões de euros).

O esquema de corrupção estende-se a 13 países, não incluindo Portugal, como assegura o Observador, mas implica a filial portuguesa que terá também pago os ditos subornos. A estratégia passava, nomeadamente, pela assinatura de contratos de consultoria fictícios e pelo pagamentos de comissões ilegais pela venda de produtos de diálise.

O relatório da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (a SEC — Securities and Exchange Commission) aponta que tudo começou em 2004, quando a sucursal da FMC na África do Sul analisou as condições de entrada no mercado angolano, no sector da diálise, como reporta o Observador.

Essa análise concluía que havia “várias situações de corrupção no país“, apontando que “um director de serviços militares (Oficial Militar) recebia uma comissão de 20% em todos os kits de diálise vendidos a hospitais militares e que o Revendedor Angolano era parcialmente detido por funcionários do Governo”, como cita a publicação.

“Entre 2008 e 2010”, a FMC Portugal pagou “subornos na forma de 20% em comissões ao Oficial Militar através do Revendedor Angolano”, destaca a SEC citada pelo Observador.

O processo de averiguações terminou com um acordo extrajudicial, com a FMC a pagar 231 milhões de dólares (205 milhões de euros) ao Departamento de Justiça dos EUA como forma de compensação pelas ilegalidades.

ZAP //

 

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. É bom pôr cobro a estas pessegadas, só não percebo é o que é que os camones têm a ver com os assuntos de Angola…
    A empresa *alemã* paga à justiça americana por factos ocorridos em Angola?????

    • Tem a ver porque esta empresa também tem sucursal nos EUA, onde de resto tem as maiores fábricas, e até o CEO e COO são Americanos. Está cotada na bolsa de NY.

  2. Entao mas alguem faz negocios em Angola sem pagar a taxa para o chá???
    Se nao pagassem o suborno a policia vinha logo no dia seguinte fechar o estaminé com uma desculpa esfarrapada para causar prejuizo.

RESPONDER

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …

Funcionários públicos esperam entre 100 e 280 dias para se poderem reformar. Processo pode ser acompanhado online

A atribuição das novas pensões de reforma aos funcionários públicos está a demorar, em média, entre 100 a 280 dias - ou seja, entre três e mais de nove meses. A revelação foi feita esta terça-feira, …

"Onde está o Varandas?". Claques não faltaram à vitória do Sporting em hóquei em patins

Apesar das quebras de protocolos, Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI marcaram presença no jogo desta terça-feira de hóquei em patins entre o Sporting e a Oliveirense. Na noite desta terça-feira, o Pavilhão João Rocha foi …

Do azedume às contas do passado. Críticos internos atacam Rio

Depois de Rui Rio ter anunciado esta segunda-feira que se recandidata à liderança do PSD, os críticos internos vieram a público. Acusam-no de querer dividir o partido e ajustar contas com o passado e esperam …