Fenprof quer processar Estado em nome dos professores expostos a amianto

Paulo Novais / Lusa

O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira

A Fenprof anunciou, esta quinta-feira, que vai avançar para tribunal contra o Estado em nome dos professores que trabalham em escolas com amianto, por aumentar as possibilidades de serem vítimas de doenças de foro oncológico.

Para a maior estrutura sindical representativa dos professores, o Governo não tem feito “praticamente nada” no que toca a remover o amianto das escolas.

A Fenprof anunciou em comunicado que decidiu apresentar ações em tribunal contra o Estado português “em representação coletiva dos professores que exercem funções em estabelecimentos onde ainda existe amianto, por incumprimento da legislação em vigor, aumentando as possibilidades de os profissionais serem vítimas de doenças do foro oncológico”.

Além dos tribunais nacionais, também apresentará queixa junto da Comissão Europeia por “indevida transposição da diretiva comunitária que impõe medidas para sinalização, monitorização e remoção de amianto”.

A Fenprof vai ainda requerer as listas atualizadas de estabelecimentos de educação e ensino com amianto ao ministério da Educação, instituições de Ensino Superior, câmaras municipais, associações de empregadores privados de educação assim como governos regionais da Madeira e Açores.

A agência Lusa questionou, no início da semana, o Ministério da Educação sobre o número de escolas que ainda têm estruturas com amianto que representam perigo para a saúde de alunos, professores e funcionários mas não obteve qualquer resposta até ao momento.

O Sindicato de Todos os Professores (STOP), que avançou com uma greve nacional contra o amianto nas escolas que se vai prolongar até 22 de outubro, estima que haja mais de uma centena de escolas, onde “a saúde de alunos, professores e funcionários está em risco”.

Existe um grupo de trabalho que desde 2016 tem vindo a atualizar e completar a listagem de materiais com amianto nos edifícios que prestam serviços públicos, assim como elencar, segundo graus de prioridade, as intervenções a efetuar e encontrar soluções para o seu financiamento e célere execução.

A Fenprof recordou hoje o relatório do grupo de trabalho que, em 2017, identificou 3.739 edifícios a precisar de intervenção, estimando-se que após a conclusão do diagnóstico o número ainda pudesse subir para 4.263 edifícios e que as intervenções custariam cerca de 422 milhões de euros.

“Daí para cá, o que foi feito? Praticamente nada! Essa inoperância do Governo não poderá arrastar-se, como não se poderá manter o seu silêncio sobre problema tão grave e que o mesmo reconhece como tal”, criticou a Fenprof em comunicado.

A Fenprof esteve este mês reunida com as associações ambientalistas Quercus, Zero e o movimento Mesa e já pediu uma reunião com responsáveis da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

“Caso destas iniciativas não resulte o indispensável cumprimento da lei — culminando com a remoção de todo o amianto, o que deverá ser antecedido com a atualização da lista de edifícios públicos e a divulgação dos privados (empresas) onde o amianto está presente, a monitorização da qualidade do ar e a informação aos seus utilizadores —, a Fenprof promoverá outras iniciativas e ações destinadas a exigir ao governo que tome as medidas a que está obrigado”, alertaram.

Entretanto, o STOP avançou no início de outubro com uma greve nacional contra o amianto e hoje anunciou que os protestos se vão prolongar até 22 de novembro.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. estes chul0s têm de fazer valer a mensalidade que os professores lhes pagam…
    mas alguém tem de lhes explicar que o amianto que se encontra nos telhados só por si não é prejudicial, o problema é quando é mexido e com isso as fibras se soltam, sendo que em locais fechados pode ser de facto muito perigoso, mas em locais abertos como é o caso, é completamente irrelevante!
    É mais um faitdiver desses energumenos…

  2. Quando se negligencia o sistema educativo privado e se mete os ovos todos no público — por questões ideológocas que nada têm a ver com a qualidade — dá nisto. O sistema educativo fica nas mãos de um sindicato e de um líder sindical cujo mantra é “a luta continua” e os alunos ficam esquecidos e sem alternativa (privada).

  3. Na Europa o amianto já é proibido faz séculos como Portugal não faz parte da Europa mas sim de África compreendemos perfeitamente que haja amianto nos edificios rsrsrsrsrsrs

  4. Se não fosses um palerminha ignorante, saberias que a produção de amianto é proibida em Portugal e em toda a EU desde 2005 – mesmo em Africa, e proibido em vários países.
    Mas como és “africano”, não sabes nada de nada…
    A produção é proibida, mas o amianto continua existir pela Europa fora em milhões de edifícios, etc, etc…
    A Holanda e o Reino Unido são dos países com mais amianto nos edifícios.
    “Exposição a amianto faz 3 mil mortes na Europa”

RESPONDER

Além de sermos bons ouvintes, também deveríamos tentar comunicar com extraterrestres

Desde há muito tempo que os seres humanos são fascinados pela ideia de não estarmos sozinhos no Universo. Um cientista sugere que para além de tentar escutar sinais extraterrestres, deveríamos também investir em enviar mensagens …

"Parasitas": O Melhor Filme dos Óscares chega à televisão

Parasitas vai passar na televisão esta sexta-feira (3), às 21h30, no canal TVCine Top. A produção de Bong Joon-ho angariou, nesta última award season, inúmeras nomeações, tendo sido Palma de Ouro no Festival de Cinema …

Países entram numa "guerra secreta" por ventiladores, admite agente da Mossad

Muitos países estão a utilizar os seus serviços de informações para a compra de material de saúde encomendado por outros, sobretudo ventiladores, para enfrentar a crise do novo coronavírus, disse um agente da Mossad, encarregado …

Pessoas que espalham ódio na Internet tendem a ser psicopatas

Os utilizadores da Internet que publicam comentários de ódio sobre outras pessoas tendem a ter traços psicopáticos. Por outro lado, os cientistas não encontraram uma correlação entre essa prática e narcisismo ou maquiavelismo. Estes utilizadores são …

Polícia britânica tingiu de negro uma lagoa azul para afastar visitantes

A Polícia britânica decidiu tingir de negro uma lagoa azul muito procurada na região de Derbyshire, visando assim afastar os visitantes e fazer com que estes cumpram o isolamento social exigido pelas autoridades para travar …

A maior cascata do Equador desapareceu repentinamente

A maior cascata do Equador, com cerca de 150 metros, desapareceu repentinamente por causa de uma dolina. Investigadores ainda não sabem se esta apareceu por causas naturais ou humanas. Em fevereiro, a cascata de San Rafael, …

Aprovada descida de 3% na eletricidade no mercado regulado

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) aprovou uma descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh). Contas feitas, trata-se de uma redução de aproximadamente 3% no total …

Turquemenistão proibiu o uso da palavra "coronavírus"

Enquanto o mundo luta para conter a propagação da pandemia de covid-19, no Turquemenistão os cidadãos podem ser presos só por dizerem a palavra "coronavírus". De acordo com a rádio NPR, que cita a organização não …

EDP oferece desconto de 20% a profissionais e organizações de saúde

Face à pandemia de covid-19, a EDP vai oferecer um desconto de 20% na fatura da eletricidade a profissionais e organizações de saúde, anunciou esta quarta-feira a empresa liderada por António Mexia em comunicado. “A …

Bill Gates deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia

Num artigo publicado no jornal norte-americano Washington Post, o fundador da Microsoft, Bill Gates, deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia de covid-19, que já fez 43 mil mortes em todo o …