Fenprof reconhece abertura da tutela do Ensino Superior para negociar apesar de divergências

Paulo Novais / Lusa

O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reconheceu esta segunda-feira a abertura do Governo para negociar algumas questões do Ensino Superior, depois de uma reunião em que a tutela e a organização sindical nem sempre estiveram de acordo.

A Fenprof foi recebida esta segunda-feira pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, numa reunião que classificou como positiva pelo simples facto de se ter realizado.

Esse é o aspeto positivo, ter havido uma reunião em que foi possível identificar problemas e apontar para processos de negociação”, disse o secretário-geral da federação, recordando as tentativas até agora falhadas de reunir com o ministro da Educação.

Mário Nogueira disse à Lusa que do lado da tutela pareceu haver disponibilidade para dar continuidade à negociação de algumas questões, designadamente a revisão dos estatutos de carreira docente e de investigação, e a contratação coletiva no setor privado, mas avisa que é preciso que as promessas se concretizem.

“Se esta reunião vai ou não estar na origem de soluções para os problemas? Isso é o que vamos ver, dependendo agora de se avançar com estas reuniões de acordo com o compromisso que ali foi apresentado”, sublinhou.

Sobre a revisão dos estatutos de carreira, o ministério já avançou com alguns termos de referência e objetivos e até janeiro os representantes dos professores vão entregar as suas propostas, seguindo-se depois um processo negocial de revisão.

A negociação sobre o processo de contratação coletiva poderá estar concluída até março do próximo ano, uma data que foi apontada pela tutela, de acordo com a Fenprof.

Durante a reunião, e estrutura sindical levou também para cima da mesa a questão da precariedade, um dos temas em que os dois lados divergiram.

Tema forte desta reunião foi o da precariedade, com o MCTES a considerar que se avançou muito na redução dos níveis de precariedade e a Fenprof a rebater essa apreciação com os fracos números do PREVPAP mas também com o facto de a larga maioria dos seis mil contratos que foram celebrados nos últimos três anos (desde 2017) serem a termo”, refere a federação sindical em comunicado.

Sobre este tema, a Fenprof está a concluir um estudo que diz confirmar que os avanços “são muito curtos” e que continua a verificar-se um abuso no recurso à contratação a termo e a outras formas mais instáveis de precariedade.

Também o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) mereceu críticas por parte da Fenprof, que não acompanha aquilo que descreveu como “otimismo” do Governo.

“O ministro entende que, neste momento, as condições quer de tesouraria, quer de financiamento das instituições estão a atravessar um momento muito positivo e nós não achamos isso. Achamos que o ensino superior e as instituições continuam a viver uma fase de subfinanciamento que está na origem de muitos problemas”, lamentou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cabrita, Van Dunem e Temido. Metade dos portugueses quer uma remodelação no Governo

Metade dos portugueses (52%) defende que deve ser levada a cabo uma remodelação no Governo, revela uma sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e para o Correio da Manhã. Segundo a mesma pesquisa …

TAP a financiar-se sozinha já em 2022. Renegociação dos acordos arranca até abril

O ministro das Finanças, João Leão, considerou que a TAP deve conseguir financiar-se nos mercados já no próximo ano, dependendo isso da velocidade da retoma e da relação com os atuais investidores. "É importante que a …

Biden propõe estímulo de 1,9 mil milhões. Republicana promete processo de destituição após tomada de posse

O presidente eleito norte-americano Joe Biden pretende aplicar 1,9 mil milhões de dólares em medidas de aceleração da vacinação para a covid-19 e assistência financeira a indivíduos e empresas. Biden, cuja tomada de posse está marcada …

StayAway Covid só enviou 2.708 alertas de contágio. 60% já desinstalaram a app

Apenas 39% das quase três milhões de pessoas que instalaram a StayAway Covid é que a continuam a usar. A app só enviou 2.708 alertas de contágio. A StayAway Covid, a aplicação móvel criada para rastrear …

DGS define quais os cancros que não podem ficar por operar. Hospital de campanha fechado por falta de profissionais

Até ao final do mês os hospitais vão ter como foco a prestação de cuidados intensivos, podendo deixar de assegurar a atividade programada. A oncologia é uma área vital e os polos do Instituto Português …

"Vão fechar o Tozé". Mayan corta o cabelo (e alerta para dificuldades dos pequenos empresários)

O candidato presidencial Tiago Mayan Gonçalves foi esta quinta-feira cortar o cabelo a um barbeiro, no Porto, para alertar para as dificuldades decorrentes do encerramento desta atividade a partir de sexta-feira no âmbito do …

ERC cancela debates de Vitorino Silva com todos os candidatos no Porto Canal

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) cancelou os debates de Vitorino Silva com todos os candidatos presidenciais no Porto Canal, na sequência da queixa apresentada pelo PCP à Comissão Nacional de Eleições (CNE). Esta …

Bancos contestam lei da banca (mas Deco aplaude). Centeno admite ajustar medidas

O Banco de Portugal (BdP) quer alterar o Código da Atividade Bancária (CAB). Se por um lado, os bancos contestam algumas das normas, por outro, outras entidades, como a Deco, aplaudem as medidas. A consulta pública …

Mulher com covid-19 em coma e ventilada conseguiu o "milagre" de dar à luz

Em outubro de 2020, Elisângela Neves, de 31 anos, foi infetada com covid-19 quase morreu. A mulher estava grávida de 27 semanas, mas precisou de ser ventilada e ligada a uma máquina que respirou por …

Mais de 95% dos vacinados do São João apresentaram anticorpos em 15 dias

Entre 95 a 97% dos profissionais de saúde vacinados contra a covid-19 no Hospital de São João, no Porto, apresentaram, 15 dias após a primeira toma, anticorpos que conduzem à imunidade, revelou esta quinta-feira o …