Fenprof reconhece abertura da tutela do Ensino Superior para negociar apesar de divergências

Paulo Novais / Lusa

O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reconheceu esta segunda-feira a abertura do Governo para negociar algumas questões do Ensino Superior, depois de uma reunião em que a tutela e a organização sindical nem sempre estiveram de acordo.

A Fenprof foi recebida esta segunda-feira pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, numa reunião que classificou como positiva pelo simples facto de se ter realizado.

Esse é o aspeto positivo, ter havido uma reunião em que foi possível identificar problemas e apontar para processos de negociação”, disse o secretário-geral da federação, recordando as tentativas até agora falhadas de reunir com o ministro da Educação.

Mário Nogueira disse à Lusa que do lado da tutela pareceu haver disponibilidade para dar continuidade à negociação de algumas questões, designadamente a revisão dos estatutos de carreira docente e de investigação, e a contratação coletiva no setor privado, mas avisa que é preciso que as promessas se concretizem.

“Se esta reunião vai ou não estar na origem de soluções para os problemas? Isso é o que vamos ver, dependendo agora de se avançar com estas reuniões de acordo com o compromisso que ali foi apresentado”, sublinhou.

Sobre a revisão dos estatutos de carreira, o ministério já avançou com alguns termos de referência e objetivos e até janeiro os representantes dos professores vão entregar as suas propostas, seguindo-se depois um processo negocial de revisão.

A negociação sobre o processo de contratação coletiva poderá estar concluída até março do próximo ano, uma data que foi apontada pela tutela, de acordo com a Fenprof.

Durante a reunião, e estrutura sindical levou também para cima da mesa a questão da precariedade, um dos temas em que os dois lados divergiram.

Tema forte desta reunião foi o da precariedade, com o MCTES a considerar que se avançou muito na redução dos níveis de precariedade e a Fenprof a rebater essa apreciação com os fracos números do PREVPAP mas também com o facto de a larga maioria dos seis mil contratos que foram celebrados nos últimos três anos (desde 2017) serem a termo”, refere a federação sindical em comunicado.

Sobre este tema, a Fenprof está a concluir um estudo que diz confirmar que os avanços “são muito curtos” e que continua a verificar-se um abuso no recurso à contratação a termo e a outras formas mais instáveis de precariedade.

Também o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) mereceu críticas por parte da Fenprof, que não acompanha aquilo que descreveu como “otimismo” do Governo.

“O ministro entende que, neste momento, as condições quer de tesouraria, quer de financiamento das instituições estão a atravessar um momento muito positivo e nós não achamos isso. Achamos que o ensino superior e as instituições continuam a viver uma fase de subfinanciamento que está na origem de muitos problemas”, lamentou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …