Porto 1-2 Braga | “Guerreiros” de aço gelam Dragão

O SC Braga venceu um jogo no palco do Dragão em duelos do campeonato 15 anos depois. No embate que abriu as contas da 17ª jornada, a última da primeira volta da Liga NOS, os minhotos derrotam o FC Porto por 2-1.

Fransérgio abriu a contagem, Soares empatou e Paulinho fechou as contas do triunfo “arsenalista”, algo que não acontecia desde 30 de Janeiro de 2005. O encontro desta sexta-feira fica ainda marcado pelas duas grandes penalidades desperdiçadas por Alex Telles e Soares.

O jogo explicado em números

  • Antes do apito inicial, os treinadores foram protagonistas. Sérgio Conceição fez duas alterações relativamente à visita da última jornada ao reduto do Moreirense: saltaram do “onze” Diogo Leite, por opção, e Nakajima, por lesão, e entraram Marcano e Manafá, o que fez com que Corona subisse no terreno de jogo para actuar como extremo-direito. Por sua vez, Rúben Amorim abdicou de Murilo e de Ricardo Horta e apostou em Sequeira e Wilson Eduardo. Estavam lançados os dados, quem iria levar a melhor?
  • Eficácia máxima. No primeiro remate enquadrado da partida, marcava o relógio cinco minutos, Fransérgio inaugurou o marcador, num lance que apenas foi validado pelo árbitro Carlos Xistra após consulta do VAR. Foi o primeiro golo que a formação “azul-e-branco” sofreu esta temporada na Liga NOS no Estádio do Dragão.
  • Na resposta, Manafá, primeiro, e Marcano, segundos depois, ficaram a escassos centímetros do empate. Início de duelo no Dragão impróprio para cardíacos.
  • À passagem dos 20 minutos, o FC Porto tinha mais posse de bola – 55% -, e apenas um remate desenquadrado, por seu turno, os “arsenalistas” eram perigosos nos ataques e ameaçavam a defensiva contrária sempre que o trio ofensivo – Wilson Eduardo, Paulinho e Trincão – aceleravam, como ficou demonstrado aos 19 minutos. A equipa forasteira, galvanizada pela vantagem, tinha 15 duelos ganhos contra apenas cinco dos anfitriões.
  • Aos 27 minutos, Bruno Viana, numa tentativa de atraso, quase marcava na própria baliza. Matheus estava atento e impediu o golo do colega de equipa. Numa fase próxima do intervalo, Raúl Silva travou Corona em falta na área e, na conversão da grande penalidade, aos 44, Alex Telles rematou e Matheus, com a perna esquerda, defendeu e manteve a vantagem do Braga no marcador.
  • O “dragão” entrou em cena com toda a pujança, dominador, afirmativo, mas sem criar situações claras de golo. Letais, os “bracarenses” marcaram na primeira vez que testaram a baliza adversária e ganharam fôlego e confiança para realizarem uma exibição personalizada e que dificultou as acções do FC Porto, que ainda desperdiçou uma soberana ocasião para empatar, desperdiçada por Alex Telles da marca dos 11 metros. O melhor jogador em campo nesta fase era o guarda-redes Matheus, com um GoalPoint Rating de 6.2, que premeia a atenção e elasticidade do brasileiro, que defendeu uma grande penalidade, teve um alívio, 22 acções com a bola e assinou no total duas intervenções.
  • Aos 48 minutos um corte salvador de Tormena tirou a bola dos pés de Marega. Os comandados de Sérgio Conceição voltaram a pressionar a primeira fase de construção contrária e, neste período de maior fulgor, voltaram a rondar o empate. O récem-entrado David Carmo, que substituiu ao intervalo Raúl Silva, fez falta sobre Otávio na área. Na marcação da grande penalidade, Soares atirou a bola ao poste esquerdo da baliza adversária.
  • O FC Porto tanto insistiu que acabou por marcar aos 58 minutos. Marega assistiu e Soares, ao primeiro poste, atirou a contar no terceiro remate enquadrado à baliza da equipa da casa. Em cinco jogos ao serviço do FC Porto frente ao Braga, o avançado brasileiro apontou o sexto golo. Este foi o 14º tento do camisola 29 em 27 jogos oficiais em todas as provas esta temporada.
  • Após o empate, uma fase marcada por muitas faltas, com o FC Porto a dominar – quatro remates, 53% da posse de bola e dois cantos -, e o Braga a passar pela pior fase no duelo, sem conseguir sair em ataques rápidas e a travar os portistas com falta – sete.
  • Na sequência de um canto, apontado por Sequeira, Paulinho, com o auxílio das costas, conseguiu ludibriar Alex Telles e Marchesín e voltou a colocar os visitantes em vantagem. Foi o nono golo do ponta-de-lança luso na Liga NOS – e o 16º contabilizando todas as competições -, no primeiro remate enquadrado da equipa de Rúben Amorim na segunda parte e quando o adversário era mais dominador.
  • Com mais espaço e com Galeno – duas faltas sofridas, 19 acções com bola, dois desarmes, sete passes e um remate bloqueado – em evidência, os forasteiros quase ampliavam a vantagem. O extremo centrou e por muito pouco a bola não chegou a Ricardo Horta. Mais com o coração do que com a razão, o FC Porto tentou, mas não conseguiu evitar o primeiro desaire em casa e o segundo na prova. Um início de sonho nesta era de Rúben Amorim ao leme da equipa “arsenalista”: três jogos e outros tantos triunfos dos “guerreiros”, que voltaram a demonstrar fibra de aço.

O melhor em campo GoalPoint

Um autêntico muro. Matheus esteve em evidência no duelo desta sexta-feira. Não tremeu com a bola nos pés e foi fundamental ao suster os ataques contrários, defendendo uma grande penalidade, perto do intervalo, de Alex Telles.

O “guardião”, teve um GoalPoint Rating de 7.0, que premeia os seguintes dados: quatro defesas, três em remates já na área do Braga – uma eficácia de 80% -, e dois cruzamentos bloqueados.

Jogadores em foco

  • Mbemba 6.6 – A melhor unidade do FC Porto no terreno de jogo. Agora na companhia de Marcano, o defesa-central congolês rubricou uma boa exibição e na sua ficha teve um remate enquadrado, uma eficácia de passe de 88% – cinco passes falhados em 41 tentativas -, falhou apenas um dos nove passes longos que fez, e ainda registou seis desarmes e assinou três intercepções.
  • Corona 6.2 – Voltou a subir no terreno, deixando o lado direito da defesa. Foi eficaz no passe, com 75%, acertou dois dos três passes longos tentados, sofreu três faltas, uma delas de Raúl Silva, no lance da grande penalidade desperdiçada na etapa inicial por Alex Telles.
  • Uribe 6.1 – Arriscou o remate em duas ocasiões, mas sem a direcção que desejava. Somou ainda 47 acções com a bola nos 72 minutos em que actuou, recuperou dez vezes a posse, o mesmo número de vezes que acabou por perder a mesma. Assinou dois desarmes.
  • Bruno Viana 6.1 – Falhou apenas um passe em 26 ocasiões – 96% de eficácia -, esteve a 100% no capítulo dos passes longos, acertou o único drible tentado e carimbou três intercepções e outros tantos alívios.
  • Paulinho 5.7 – Dois remates, um golo, 43 acções com a bola, um duelo aéreo ofensivo ganho em duas tentativas e dois alívios. São estes os números do marcador do golo que garantiu o triunfo do Braga.
  • Alex Telles 4.4 – Lutou mas não teve uma noite feliz. Desperdiçou uma grande penalidade e não teve o pé calibrado nos cruzamentos – acertou apenas um em dez tentados. Do seu registo há ainda três remates, 84 acções com a bola, quatro ocasiões de golo criadas e 12 passes falhados em 35 tentativas.

Resumo

PARTILHAR

RESPONDER

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …

Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosse entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava. O desaparecimento da classe média é um problema …

Super-Terras quentes podem ter atmosferas metálicas brilhantes

Os cientistas querem perceber porque é que as super-Terras quentes possuem um brilho tão chamativo - e já há uma hipótese em cima da mesa. Os exoplanetas, chamados de super-Terras quentes, podem ser particularmente brilhantes e …

As larvas de peixe-sol são adoráveis (mas crescem e tornam-se gigantescos "nadadores")

Uma equipa de cientistas australianos e neozelandeses descobriram as fases iniciais da larva gigante de peixe-sol. Pela primeira vez, o sequenciamento de ADN identificou as larvas do peixe-sol (Mola alexandrini). O peixe-sol, conhecido cientificamente como Mola …

Telescópio Webb vai estudar Júpiter, os seus anéis e duas intrigantes luas

Júpiter, que tem o nome do rei dos antigos deuses romanos, comanda a sua própria miniversão do nosso Sistema Solar de satélites circundantes; os seus movimentos convenceram Galileu Galileu de que a Terra não era …

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …