Há um fármaco que torna o nosso sangue mortal para os mosquitos

Centers for Disease Control and Prevention / Wikimedia

Anopheles, mosquito da Malária

A ivermectina, uma substância antiparasita comummente usada no combate a verminoses, pode ser a nova arma contra os mosquitos transmissores da malária.

Há um fármaco capaz de ser a próxima arma poderosa na luta contra a malária. Cientistas do Quénia e do Reino Unido afirmam que a ivermectina, uma substância antiparasita comummente usada no combate a verminoses, torna o sangue num verdadeiro alvo mortal para os mosquitos transmissores da doença.

As taxas de malária estão a cair drasticamente, uma descida que nunca se verificou até então. No entanto, esta doença ainda atinge mais de 200 milhões de pessoas por ano, principalmente em países não desenvolvidos, tendo sido responsável por quase meio milhão de mortes no ano de 2015, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Além disso, há suspeitas de que a resistência à artemisinina, usada para combater a malária, possa continuar a espalhar-se para além do sudeste da Ásia.

A esperança pode estar na ivermectina, um fármaco barato e de fácil obtenção, tendo em conta a sua prevalência. No estudo, publicado no dia 27 de março na The Lancet, os cientistas deram a 47 pacientes com malária doses de 600 miligramas de ivermectina durante três dias consecutivos.

Esta dosagem é três vezes superior à dosagem normal, mas os investigadores não hesitaram, tendo em conta a existência de poucos efeitos secundários. Esta alta dosagem faz com que o sangue se torne mortal para os mosquitos. Um outro grupo recebeu uma dosagem de 300 miligramas por dia, mas o efeito não se revelou tão forte.

De acordo com os resultados, 97% dos mosquitos morreram depois de terem sugado o sangue dos pacientes medicados com ivermectina e o sangue permaneceu mortal durante 28 dias, avança a Discover Magazine.

No entanto, ao longo da experiência, alguns pacientes relataram alguns efeitos colaterais. Resta agora saber o quão segura a ivermectina é para as crianças, principalmente em dosagens tão altas. Os autores notam que todos os participantes eram pacientes com malária, razão pela qual os efeitos poderiam diferir em pessoas saudáveis.

Além disso, começam também a surgir preocupações associadas com a resistência à ivermectina. Se o uso começar a ser demasiado generalizado, os mosquitos podem começar a desenvolver imunidade.

É por estes motivos que os autores do estudo defendem a realização de mais estudos, de modo a comprovar se este é um meio eficaz de erradicar a malária. Apesar disso, esta é uma experiência que abre portas a novas ferramentas para combater a doença.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Par de patinadores no gelo mais medalhado de sempre anuncia fim da carreira

Os canadianos Tessa Virtue e Scott Moir, o par de patinadores no gelo mais medalhado da história do olimpismo, anunciaram esta quarta-feira o fim da carreira. “Olá a todos. Temos novidades para todos os que nos …

Elon Musk é o líder mais inspirador da tecnologia da atualidade

Elon Musk foi nomeado o líder mais inspirador no setor da tecnologia, de acordo com um estudo publicado pela Hired, uma plataforma para contratação de pessoal em 14 cidades em todo o mundo. O estudo, chamado …

De portas abertas para quem precisa. Frigoríficos solidários crescem em Paris

A Cantina do 18.º bairro parisiense foi o primeiro espaço deste projeto solidário, inaugurado há dois anos. Atualmente existem 38 restaurantes em França que acolhem os frigoríficos solidários. Em dois anos, o projeto dos frigoríficos solidários …

Imigrante do Bangladesh em Itália encontra e devolve carteira com 2 mil euros

Mossan Rasal, um bangladeshiano de 23 anos que vive em Roma, encontrou na rua uma carteira com dois mil euros, documentos de identificação, cartões de crédito, carta de condução. Em vez de retirar o dinheiro e …

Austrália conclui que China foi responsável por ciberataque ao parlamento

A agência de inteligência cibernética da Austrália (ASD) concluiu que a China foi a responsável por um ataque informático, no início deste ano, contra o parlamento nacional. Os serviços de inteligência australianos (Australian Signals Directorate) concluíram …

"A bola apenas bateu no peito". VAR admite erro no penálti do Portimonense-FC Porto

O vídeo-arbitro do encontro entre Portimonense e FC Porto, Vasco Santos, admitiu esta quarta-feira que não existiu razão para assinalar grande penalidade a favor do clube portista. "No momento em que o árbitro apita fiquei com …

Na Índia, usar cigarros eletrónicos já pode dar prisão

O Governo indiano anunciou esta quinta-feira a proibição de cigarros eletrónicos no país, de 1,3 mil milhões de pessoas, numa ação que pretende ser a favor da saúde e contra os vícios. "A decisão foi tomada …

Iñaki Urdangarín pode sair da prisão dois dias por semana

Detido na cadeia de Brieva, Ávila, há 15 meses, Iñaki Urdangarín, cunhado do rei de Espanha, soube esta terça-feira que poderá sair da prisão duas vezes por semana para fazer voluntariado numa instituição que ajuda …

Criança com anemia aplástica grave submetida a transplante inédito em Portugal

Um menino de quatro anos com anemia aplástica grave foi submetido a um transplante com células estaminais de sangue do próprio cordão umbilical, um tratamento inédito em Portugal realizado no Instituto Português de Oncologia (IPO) …

Renováveis baixaram fatura da luz em 2,4 mil milhões na última década

A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis permitiu ao sistema elétrico português acumular uma poupança de 2,4 mil milhões de euros ao longo dos últimos 10 anos. Esta é a principal conclusão de um …