Farmacêuticos contra descontos dos medicamentos ao balcão das farmácias

Os farmacêuticos consideram que a prática de descontos no preços dos medicamentos ao balcão das farmácias gera “desigualdades e iniquidades” no acesso aos fármacos e à saúde.

Os farmacêuticos aprovaram, por unanimidade, a resolução apresentada pela Direção Nacional da Ordem dos Farmacêuticos sobre os descontos no preço dos medicamentos sujeitos a receita médica. esta quinta-feira, a Ordem dos Farmacêuticos (OF) anunciou que é contra esta prática ao balcão das farmácias.

Na resolução, a que a Lusa teve acesso, a Ordem refere que esta prática, legalmente possibilitada pelo Decreto-Lei n.º 65/2007, “desregulou o preço final dos medicamentos a suportar pelos cidadãos e introduziu uma realidade singular face a qualquer outra atividade económica sanitária ou de preço regulado em saúde”.

“A oferta de descontos é geradora de desigualdades no acesso à saúde entre os portugueses, que, independentemente da zona geográfica, da disponibilidade financeira ou por uma questão de equidade e justiça social, devem todos poder aceder à medicação de que necessitam nas mesmas condições”, considera ainda a Ordem dos Farmacêuticos.

Em comunicado, adverte que estes descontos provocam “assimetrias regionais“, favorecendo quem reside em zonas mais populosas, “onde existe maior concorrência entre farmácias, em detrimento de cidadãos de regiões mais isoladas”.

Além disso, a Ordem defende que “a concorrência no setor das farmácias não deve estar centrada no preço dos produtos que dispensam, mas na qualidade dos serviços que prestam aos utentes”.

A dispensa de medicamentos que são de prescrição médica obrigatória é um serviço público prestado pelas farmácias, contratualizado com o Serviço Nacional de Saúde, que, para a Ordem, “não deve estimular qualquer tipo de diferenciação entre cidadãos no acesso aos cuidados de saúde”.

Acresce ainda o facto de em nenhum outro serviço de saúde prestado ou cofinanciado pelo Estado serem aplicados descontos aos utentes, e “em nenhum outro país europeu se autorizam descontos nos medicamentos comparticipados”.

Na resolução, a Ordem reconhece “as dificuldades de muitos portugueses para adquirir todos os medicamentos que precisam”, mas considera que os descontos “não são uma via socialmente justa e correta para solucionar este problema, nem são uma garantia de que os seus beneficiários são aqueles que realmente precisam”.

É perante esta situação que os farmacêuticos manifestam “a sua posição”, principalmente em medicamentos sujeitos a receita médica comparticipados, por considerarem ser “uma fonte de desigualdades e iniquidades no acesso ao medicamento”.

A Ordem aguarda a publicação do despacho do Ministério da Saúde que poderá concretizar as restrições sobre a prática de descontos no preço dos medicamentos.

Esta tomada de posição surge numa altura em que as restrições aos descontos nos preços dos fármacos sujeitos a receita médica e comparticipados pelo Estado estão em estudo há já algum tempo, refere o Público.

Tal como o jornal noticiou, em fevereiro, o Ministério da Saúde elaborou um projeto de despacho que prevê que o desconto praticado pelas farmácias não poderá ser superior a 3% sobre a parte não comparticipada dos fármacos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vai "nascer" em Arouca a maior ponte suspensa do mundo. É a esperança para fazer renascer o turismo

O Turismo de Arouca está a enfrentar dificuldades devido à quebra gerada pela pandemia, mas os empresários aguardam com expectativa a abertura daquela que será a maior ponte suspensa do mundo, já descrita como "extraordinária". Ainda …

"Será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na região de Lisboa

O presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, considerou que "será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na Grande Lisboa, tendo em conta os números da região nos …

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …

Redução do IVA, abono para crianças e incentivos para comprar elétricos. O plano de 130 mil milhões de Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou esta quinta-feira um pacote de estímulo de 130 mil milhões de euros para este ano e 2021, para impulsionar a economia do país, duramente atingida pela pandemia de covid-19. Entre …

De Jorge Jesus a Bruno de Carvalho. Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades

O português Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades, acusa o Tribunal da Relação de Lisboa. A defesa do denunciante criticou a manutenção da prisão preventiva. De acordo com o acórdão do Tribunal da Relação …

Empresas podem manter lay-off até ao fim de setembro. Trabalhadores podem receber 85% do salário

Os traços gerais do plano do Governo para a retoma da economia e para tentar travar a escalada do desemprego foram apresentados aos parceiros sociais, esta terça-feira, por Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade …

O próximo Wolves? Charlton pode tornar-se "português"

O consórcio português Corporate Football Organisation Portugal (CFO), liderado por Fernando Côrte-Real, está a estudar a compra do Charlton, clube que milita no Championship, o segundo escalão inglês. "A CFO Portugal já existe há pelo menos …

PJ prossegue investigação e confirma envolvimento de alemão no desaparecimento de Maddie

A Polícia Judiciária adiantou esta quarta-feira que prosseguem em Portugal diligências no âmbito da investigação ao desaparecimento da criança inglesa Madeleine McCann, no Algarve, em 2007, confirmando as suspeitas de envolvimento de um cidadão alemão …