Farida Khalaf veio pedir a Portugal que reconheça o genocídio dos yazidis

Farida foi uma das muitas mulheres yazidis que, em 2014, foi capturada pelo Estado Islâmico, tendo sido usada e vendida como escrava sexual. Esteve, esta quarta-feira, em Portugal para lutar pelo reconhecimento formal do genocídio contra esta minoria étnica.

Farida Khalaf vivia em Kocho, na zona iraquiana de Sinjar, quando, em agosto de 2014, o Estado Islâmico atacou a sua aldeia e levou todos os habitantes yazidis, a minoria étnica perseguida pelo grupo terrorista. O pai e o irmão mais velho foram mortos. A jovem, na altura com 18 anos, ficou em cativeiro, foi vendida, espancada e violada.

Esta quarta-feira, conta o Expresso, Farida regressou a Portugal. Em 2017, foi uma das convidadas das Conferências do Estoril, onde contou o terror vivido às mãos do Daesh. Agora, foi ouvida por duas comissões parlamentares na Assembleia da República e ali deu a conhecer o seu objetivo.

Farida quer que todos os Governos reconheçam formalmente o genocídio contra os yazidis e que todos os envolvidos sejam condenados por crimes contra a Humanidade no Tribunal Penal Internacional (TPI).

“Tento ser a voz dos que ainda estão em cativeiro”, afirma, citada pelo semanário, referindo-se às cerca de três mil pessoas que, quatro anos depois do ataque, ainda estão nas mãos dos terroristas ou continuam desaparecidas.

Desde os partidos de esquerda aos da direita, os deputados presentes concordaram por unanimidade que é fundamental aprovar uma resolução conjunta nesta matéria.

“Tudo faremos para podermos consagrar ao nível da totalidade da Assembleia da República que seja aprovada uma posição para vir a reconhecer estes crimes como crimes cometidos contra a Humanidade, como um genocídio”, assegurou o deputado do PSD, José Cesário, coordenador da comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

(dr) Estoril Conferences

Farida Khalaf, a yazidi que foi escrava sexual do Estado Islâmico

Já o bloquista Maria Manuel Rola afirmou que “tem de haver uma voz forte em relação a estes crimes” e espera que venha a existir “um reconhecimento por parte do Parlamento português dos crimes cometidos contra a Humanidade e que tenham o respetivo seguimento”.

A deputada centrista Vânia Dias da Silva afirmou que do seu partido “podem esperar todo o apoio” e garantiu que “estará para muito breve uma resolução sobre o genocídio e o reconhecimento da perseguição do povo yazidi”.

Segundo o semanário, a jovem yazidi faz desta a sua luta pessoal e não se importa com as recentes ameaças de morte que levaram a que a sua segurança tivesse de ser reforçada. “Não me importa, não vou parar”, afirma.

Farida não é o seu nome verdadeiro mas é aquele que tem de usar para se proteger dos terroristas que conseguiram chegar à Europa, onde agora vive, depois de ter conseguido escapar e uma rede de tráfico humano lhe ter carimbado o passaporte. Vive na Alemanha, onde voltou a estudar, e tem casamento marcado para breve.

No Parlamento, esteve acompanhada de Teresa Violante, diretora das Conferências do Estoril, e dos representantes oficiais em Portugal da Organização Yazda.

De acordo com o jornal i, a responsável acredita que o recurso ao TPI “não é fácil” mas explica que esta é “a instância própria à luz do direito internacional para julgar, para avaliar, para indagar, para inquirir” sobre este momento trágico da história.

Depois da passagem pela Assembleia, Farida espera agora que Portugal se junte ao Reino Unido, França e Canadá, países que já reconheceram formalmente o genocídio dos yazidis.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rússia está a sabotar desenvolvimento da vacina contra covid-19

Um grupo de hackers associado ao Kremlin está a tentar sabotar o desenvolvimento da vacina contra a covid-19 no ocidente. Os piratas informáticos conseguiram piratear o computador de vários investigadores. O APT29, um grupo de piratas …

Família de George Floyd apresenta queixa-crime contra Minneapolis

A família de George Floyd apresentou esta quarta-feira uma queixa-crime contra o município de Minneapolis e contra quatro polícias pela responsabilidade na morte do afro-americano às mãos da polícia, em maio, anunciaram os advogados. "Não foi …

UE reduz lista de países para reabrir fronteiras e mantém EUA e Brasil de fora

Os Estados-membros da União Europeia (UE) atualizaram, esta quinta-feira, a lista de países aos quais reabrem as fronteiras externas, mantendo de fora os Estados Unidos e o Brasil. "Na sequência da primeira revisão ao abrigo da …

24 horas depois, estátua de manifestante antirracismo em Bristol foi removida

A estátua de uma manifestante do movimento Black Lives Matter, erguida, esta quarta-feira, na cidade de Bristol, no Reino Unido, já foi removida. De acordo com o jornal The Guardian, 24 horas depois de ter sido …

Advogados continuam luta para manter declarações fiscais de Trump em segredo

Depois de o Supremo Tribunal ter determinado que os procuradores nova-iorquinos podem ter acesso às declarações de impostos do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, os seus advogados informaram na quarta-feira que estavam a considerar …

EUA negam vistos a funcionários da Huawei que apoiem "violadores de direitos humanos"

Esta quarta-feira, o Governo norte-americano que vai impor restrições nos vistos a funcionários da Huawei e a outras empresas que os Estados Unidos vejam como apoiantes de Governos violadores de direitos humanos. Além das restrições, o …

Ventilador produzido em Portugal recebe autorização de utilização do Infarmed

O ventilador Atena, produzido em Portugal, recebeu, na terça-feira, a autorização do Infarmed para o seu uso em contexto hospitalar na luta contra a covid-19. Esta quarta-feira, numa publicação na sua página de Facebook, o CEiiA …

American Airlines avisa 25 mil trabalhadores que podem perder emprego

Os dirigentes da American Airlines escreveram a cerca de 25 mil trabalhadores da transportadora aérea para lhes comunicar que o seu emprego pode desaparecer em outubro. Os dirigentes das Companhias de aviação dos Estados Unidos admitiram …

Trump substitui diretor de campanha a menos de quatro meses das eleições

O Presidente dos Estados Unidos substituiu, esta quarta-feira, o seu diretor de campanha, perante os maus resultados nas sondagens, a menos de quatro meses das eleições. "Tenho o prazer de anunciar que Bill Stepien foi promovido …

Bristol acordou com uma nova estátua. Manifestante antirracismo substitui comerciante de escravos

Bristol acordou com uma nova estátua. Um artista britânico ergueu uma estátua de uma manifestante do movimento ‘Black Lives Matter’ no topo do pedestal na cidade inglesa antes ocupado pela estátua de um comerciante de …