Falta uma semana para os britânicos decidirem se ficam ou saem da UE

bisgovuk / Flickr

O primeiro-ministro britânico, David Cameron

O primeiro-ministro britânico, David Cameron

Os britânicos decidem dentro de uma semana se o Reino Unido continua como membro da União Europeia ou sai, num referendo que se espera participado e disputado e que ameaça turbulência económica e política em caso de “brexit”.

Os eleitores são chamados às urnas em 23 de junho para responder à questão “O Reino Unido deve permanecer como membro da União Europeia ou sair da União Europeia?“, assinalando uma de duas opções: “Permanecer na União Europeia” ou “Sair da União Europeia”.

A Comissão Eleitoral prevê uma participação eleitoral próxima dos 80%.

As sondagens, que até ao final de maio davam vantagem ao “Permanecer”, apontam agora para uma vitória do “Sair”, com uma vantagem de seis a sete pontos percentuais.

Um novo inquérito de opinião divulgado esta quinta-feira pelo instituto Ipsos MORI para o jornal Evening Standard mostra que 53% da população britânica apoia o “Brexit”, contra 47% que defendem a permanência do Reino Unido na União Europeia.

Na semana passada, sondagens da ORB, ICM e YouGov davam todas uma vantagem média de 6% aos apoiantes do Brexit.

Campanha eleitoral

O referendo nasceu na campanha eleitoral para as legislativas britânicas de 2015, de uma a promessa do primeiro-ministro conservador David Cameron em resposta a crescentes pressões da ala eurocética do seu partido e à popularidade do eurocético Partido da Independência do Reino Unido (UKIP).

Reeleito, Cameron anunciou que renegociaria a relação de Londres com Bruxelas antes do referendo, após o que, se as suas exigências fossem satisfeitas, faria campanha pela permanência.

O acordo alcançado ficou aquém dos objetivos de Cameron, segundo muitos observadores, mas permitiu consagrar algumas das ideias-chave.

Entre elas, a redução do abono para filhos de imigrantes a residir no país de origem, o “travão de emergência” que suspende a concessão de benefícios aos imigrantes durante quatro anos, a proteção dos serviços financeiros da City em relação à zona euro e o “cartão vermelho” que permite rejeitar legislação europeia a que se oponham 55% dos parlamentos nacionais.

Brexit

Do lado do “Sair” a campanha “Leave” é liderada por Nigel Farage, do UKIP (UK Independence Party), partido eurocético de direita que venceu as últimas europeias e obteve quase quatro milhões de votos nas gerais de 2015, e pelo ex-presidente da câmara de Londres e possível sucessor de Cameron na liderança do Partido Conservador, Boris Johnson.

Apoiam ainda o “Brexit” cerca de metade dos deputados conservadores, incluindo cinco membros do governo, alguns deputados trabalhistas e o Partido Democrático Unionista (DUP), da Irlanda do Norte.

Argumentam que a UE impõe demasiadas restrições às empresas e cobra demasiadas quotas sem dar grande coisa em troca, além de impedir o país de controlar as suas fronteiras e travar a entrada em massa de migrantes.

Opõem-se ainda ao princípio de uma integração europeia crescente que, consideram, levará à criação de uns “Estados Unidos da Europa”.

Juntaram-se à campanha pelo “Brexit” figuras como o fundador do Wikileaks Julian Assange, os humoristas John Cleese e Michael Caine, os músicos britânico Roger Daltrey e canadiano Bryan Adams e o jornal mais vendido no país, o The Sun.

Remain

Apoiam o “Permanecer” (“Remain”) David Cameron e 16 dos seus ministros, o Partido Trabalhista, os Liberais-Democratas, o Partido Nacionalista da Escócia (SNP) e o partido do País de Gales (Plaid Cymru), além de quase todos os restantes Estados membros da UE e os EUA.

Pelo “Permanecer” já se manifestaram também figuras públicas como o milionário Richard Branson, o arcebispo de Cantuária, o físico Stephen Hawking, o ator do filme “Senhor dos Anéis” Ian McKellen, o músico irlandês Bob Geldof ou o ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis.

Para estes, permanecer na UE é a melhor forma de assegurar o crescimento económico, pelo acesso ao mercado comum europeu e pela entrada de migrantes que contribuem maioritariamente para a sustentabilidade do sistema.

Por outro lado, permanecer na UE é também, asseguram, a melhor forma de garantir a segurança e a estabilidade no país, na UE e na NATO, num contexto global marcado pela ameaça do terrorismo em que a cooperação policial e judicial são instrumentos decisivos.

“Uma década perdida”

As questões económicas têm sido centrais na campanha, sobretudo as advertências para os riscos de uma vitória do “Sair”: governo, patronato e sindicatos, grandes e pequenas empresas, multinacionais e organizações internacionais (G7, G20, OCDE, FMI, BCE, OMC, entre outras) advertem que uma saída da UE levará à desvalorização da libra, aumento dos impostos, taxas alfandegárias, taxas de juro e preços, à estagnação e à perda de competitividade.

Uma década perdida“, alertou David Cameron, citando longas negociações para redefinir a relação com a UE.

“No mínimo sete anos”, disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, referindo a dissolução dos vínculos, a renegociação da relação e sua aprovação pelos restantes países membros e pelo Parlamento Europeu.

Para os que defendem a saída, três anos bastariam para completar o processo, segundo assegurou o deputado conservador Chris Grayling, para quem a retirada da UE se pode efetivar em finais de 2019 e a conclusão de um acordo comercial com os 27 até 2020.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …

Dobradinha poderá render 1,6 milhões de euros a Bruno Lage

Caso consiga alcançar a dobradinha, isto é, vencer o campeonato e a Taça de Portugal, o treinador do Benfica, Bruno Lage, receberá em prémios cerca de 1,6 milhões de euros brutos, avança a imprensa desportiva. A …

Lisboa aumenta seis vezes IMI de prédios devolutos nos centros

A Câmara de Lisboa vai aumentar, em 2020, seis vezes a taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para os prédios devolutos nas zonas de maior pressão urbanística, anunciou esta quarta-feira o vereador das Finanças, …

Polícia entrou na federação de futebol da Bulgária e deteve cinco pessoas

Já depois de Borislav Mihailov se ter demitido da presidência da federação da Bulgária, uma unidade da estrutura policial que luta contra o crime organizado no país entrou esta terça-feira na sede da federação, em …

Família holandesa vivia há 9 anos numa cave à espera “do fim dos tempos”

A policia holandesa encontrou uma família de seis pessoas na cave de uma quinta no nordeste do país, onde viviam em isolamento há nove anos e, segundo a imprensa, esperavam “o fim dos tempos”. A polícia …