Falta de horas de sono nos médicos diminui concentração e pode afetar atendimento

COD Newsroom / Flickr

O primeiro estudo feito em Portugal sobre os efeitos da privação do sono nos médicos concluiu que o trabalho noturno está diretamente associado a uma diminuição da atenção e concentração e a um atraso na resposta a estímulos.

O trabalho, publicado na mais recente edição da Acta Médica Portuguesa, avaliou 18 jovens médicos, com idades entre os 26 e os 33 anos, divididos em dois grupos: um que não realizava trabalho noturno, e outro com privação de sono – no mínimo 12 horas de trabalho noturno por semana.

“O nosso objetivo foi avaliar os efeitos da privação de sono nos médicos que faziam trabalho noturno, através da aplicação de testes práticos que avaliavam a capacidade de concentração e de resposta a estímulos”, explicou à agência Lusa Inês Sanches, autora do estudo.

O grupo de médicos que fazia trabalho noturno apresentou défices de concentração e, nos testes de avaliação a estímulos, mostrou pior performance, cometendo mais erros e demorando mais tempo a dar respostas.

“O grupo com privação do sono tinha mais limitações”, resumiu Inês Sanches, admitindo que a falta de horas de sono pode comprometer o atendimento aos doentes, bem como a saúde e a qualidade de vida do próprio médico.

Em todos os testes, o grupo de médicos que menos dormiu mostrou menor sentido de orientação, menor reação a estímulos e reduzida capacidade de concentração.

Os efeitos na privação do sono podem ter impacto também nos médicos que necessitam de gestos mais técnicos, como os cirurgiões, uma vez que a capacidade psicomotora também se mostra mais diminuída em quem realiza trabalho noturno.

Inês Sanches, que é pneumologista no Hospital Geral do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, está consciente de que haverá sempre necessidade de ter médicos a trabalhar durante a noite, mas alerta que é necessário discutir e refletir sobre os efeitos da privação do sono no trabalho médico.

Ajustes nos horários, maior rotação nos turnos e descansos compensatórios são algumas das soluções para evitar a privação de sono nos médicos, propõe a investigadora, lembrando que atualmente são exigidos cada vez mais turnos suplementares de trabalho – nomeadamente turnos de 24 horas sem direito ao descanso, continuando a jornada laboral no dia seguinte.

Inês Sanches sublinha que há a tendência para “ver os médicos como máquinas quando, na verdade, são humanos”.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bem. Rico estudo/investigação. Já agora: E para o resto dos mortais? Sim, aqueles que trabalham de 8 a 10 horas por dia? Se calhar o estudo irá revelar que não perdem a concentração pois estarão ali para trabalhar e não descansar! São umas autenticas máquinas! Sinceramente!

    • Concordo.
      Apesar da medicina ser uma profissão de grande responsabilidade, pq mexe sobretudo com a vida dos outros, existe muita exploração no mercado de trabalho.
      Mas há quem faça horas a mais pq as quer fazer, pois a muita gente custa a ganhar a vida…

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …