Falta de horas de sono nos médicos diminui concentração e pode afetar atendimento

COD Newsroom / Flickr

O primeiro estudo feito em Portugal sobre os efeitos da privação do sono nos médicos concluiu que o trabalho noturno está diretamente associado a uma diminuição da atenção e concentração e a um atraso na resposta a estímulos.

O trabalho, publicado na mais recente edição da Acta Médica Portuguesa, avaliou 18 jovens médicos, com idades entre os 26 e os 33 anos, divididos em dois grupos: um que não realizava trabalho noturno, e outro com privação de sono – no mínimo 12 horas de trabalho noturno por semana.

“O nosso objetivo foi avaliar os efeitos da privação de sono nos médicos que faziam trabalho noturno, através da aplicação de testes práticos que avaliavam a capacidade de concentração e de resposta a estímulos”, explicou à agência Lusa Inês Sanches, autora do estudo.

O grupo de médicos que fazia trabalho noturno apresentou défices de concentração e, nos testes de avaliação a estímulos, mostrou pior performance, cometendo mais erros e demorando mais tempo a dar respostas.

“O grupo com privação do sono tinha mais limitações”, resumiu Inês Sanches, admitindo que a falta de horas de sono pode comprometer o atendimento aos doentes, bem como a saúde e a qualidade de vida do próprio médico.

Em todos os testes, o grupo de médicos que menos dormiu mostrou menor sentido de orientação, menor reação a estímulos e reduzida capacidade de concentração.

Os efeitos na privação do sono podem ter impacto também nos médicos que necessitam de gestos mais técnicos, como os cirurgiões, uma vez que a capacidade psicomotora também se mostra mais diminuída em quem realiza trabalho noturno.

Inês Sanches, que é pneumologista no Hospital Geral do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, está consciente de que haverá sempre necessidade de ter médicos a trabalhar durante a noite, mas alerta que é necessário discutir e refletir sobre os efeitos da privação do sono no trabalho médico.

Ajustes nos horários, maior rotação nos turnos e descansos compensatórios são algumas das soluções para evitar a privação de sono nos médicos, propõe a investigadora, lembrando que atualmente são exigidos cada vez mais turnos suplementares de trabalho – nomeadamente turnos de 24 horas sem direito ao descanso, continuando a jornada laboral no dia seguinte.

Inês Sanches sublinha que há a tendência para “ver os médicos como máquinas quando, na verdade, são humanos”.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bem. Rico estudo/investigação. Já agora: E para o resto dos mortais? Sim, aqueles que trabalham de 8 a 10 horas por dia? Se calhar o estudo irá revelar que não perdem a concentração pois estarão ali para trabalhar e não descansar! São umas autenticas máquinas! Sinceramente!

    • Concordo.
      Apesar da medicina ser uma profissão de grande responsabilidade, pq mexe sobretudo com a vida dos outros, existe muita exploração no mercado de trabalho.
      Mas há quem faça horas a mais pq as quer fazer, pois a muita gente custa a ganhar a vida…

RESPONDER

Uma pitada de poeira de rocha pode ajudar a evitar alterações climáticas catastróficas

O uso de poeira de rocha na agricultura traz não só vantagens para a colheita, mas também para o ambiente. Esta técnica permite uma remoção eficiente do dióxido de carbono. Espalhar poeira de rocha nos terrenos …

ANA avança com plano de "saídas voluntárias"

A ANA, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com "um plano de saídas voluntárias", no âmbito do redimensionamento das equipas. A ANA - Aeroportos de Portugal, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com “um plano de …

Cientistas detetaram estranhos objetos astronómicos circulares (e não fazem ideia do que são)

Recorrendo a telescópios, uma equipa de astrofísicos detetou quatro estranhos objetos astronómicos. Foram encontrados nos comprimentos de onda de rádio e são circulares e mais brilhantes do que as suas bordas. Estes estranhos e inesperados …

Especialista alerta sobre possíveis vírus extraterrestres que podem chegar à Terra em futuras missões

O cientista e antigo colaborador da NASA Scott Hubbard alertou para a possível chegada de vírus extraterrestres à Terra em futuras missões espaciais, notando que o interesse pela exploração do Espaço tem aumentado. O antigo …

Covid-19. A morada e a cor da pele são um fator de risco no Brasil

Enquanto que na Europa a idade é um fator de risco da covid-19, no Brasil, o sítio onde moram e a cor da sua pele definem essa fronteira entre os que têm maior ou menor …

Lagos dos Estados Unidos estão a ficar cobertos de verde. Nem os mais remotos escapam

Vários lagos montanhosos dos Estados Unidos estão a tornar-se verdes devido ao crescimento de algas que prosperam por causa das alterações climáticas, concluiu um estudo conduzido por cientistas da Universidade do Colorado. De acordo com a …

No Algarve, metade dos casos de infeção resultaram de transmissão social

Um estudo apresentado na última reunião do Infarmed, em Lisboa, veio estabelecer uma relação entre a propagação do vírus no Algarve e o fator social. De acordo com o estudo, apresentado na última reunião do Infarmed, …

Numa operação inédita de 18 horas, gémeas siamesas unidas pelo crânio foram separadas com sucesso

Ervina e Prefina, com 2 anos, nasceram com os crânios unidos, uma das formas mais raras e complexas de fusão craniana e cerebral conhecidas como "craniófago total posterior". Agora, médicos em Itália conseguiram separá-las numa operação …

Família de Pablo Escobar está a processar um rapper norte-americano. Exige-lhe 10 milhões

A família Pablo Escobar, morto em dezembro de 1993 na Colômbia, está a processar o rapper norte-americano Tauheed Heakeen Epps, mais conhecido como 2 Chainz, por usar o nome do narcotraficante num negócio. De acordo com …

Steve Jobs acreditava na eficiência do teletrabalho já em 1990

O fundador da Apple, Steve Jobs, que faleceu em outubro de 2011, dizia acreditar na eficiência do trabalho remoto já em 1990. A pandemia de covid-19, que já matou mais de 500 mil pessoas me todo …