Falhas na memória podem ser importantes para o funcionamento do cérebro

Andrew W/Flickr

Qual foi o vencedor do Óscar de Melhor Filme em 1972? Se acertou à primeira (sem pesquisar no Google) parabéns. Mas, afinal de contas, poderia ter sido melhor não se ter lembrado da resposta.

Isto porque, de acordo com a BBC, um novo estudo realizado por cientistas canadianos sugere que o esquecimento pode ser importante para a manutenção da memória.

Os cientistas acreditam que “apagar” informações irrelevantes ajuda o cérebro a concentrar-se nos aspetos que podem ajudar-nos a tomar decisões no dia-a-dia.

“O verdadeiro papel da memória é otimizar o processo decisório”, diz Blake Richards, investigador da Universidade de Toronto e principal autor do novo estudo.

Segundo Richards, o grosso das investigações em neurobiologia relacionadas com a memória priorizam os mecanismos celulares de armazenamento de informações pelo cérebro, um processo conhecido como persistência. No entanto, é dada pouca atenção aos mecanismos responsáveis pelo processo de esquecimento: transiência.

Também é comum que a falta de habilidade para nos lembrarmos das coisas seja atribuída a uma falha no armazenamento e acionamento de informações pelo cérebro.

“Encontramos bastantes sinais de que há mecanismos que promovem a perda de memória e que são distintos dos envolvidos no armazenamento de informações”, diz Paul Frankland, outro cientista que participou neste estudo.

Frankland explica que uma outra experiência realizada no seu laboratório, localizado no hospital infantil SickKids, constatou que o crescimento de novos neurónios no hipocampo (estrutura cerebral considerada a principal sede da memória) parece promover o esquecimento. Em pessoas jovens, essa é área do cérebro que gera mais células.

Tal mecanismo pode explicar porque é que os adultos normalmente não têm memórias de situações que aconteceram antes dos quatro anos de idade.

Num texto publicado na revista científica Neuron, a equipa de cientistas também faz referência a uma experiência feita com cobaias que, quando colocados em labirintos, tiveram menos dificuldades em encontrar saídas diferentes quando foram drogados para esquecer a localização da saída anterior.

Richards explica que há duas grandes razões para explicar porque é que o cérebro gasta energia para apagar informações depois de também consumir reservas para armazená-las. A primeira é a necessidade de eliminar informações ultrapassadas.

“Se estamos a navegar pelo mundo e o nosso cérebro está constantemente a carregar memórias conflituantes, isso torna mais difícil tomar uma decisão consciente”.

A outra razão está ligada a um conceito usado em projetos de Inteligência Artificial – a regularização – que consiste em tentar fazer com que os computadores aprendam a fazer generalizações com base em grandes quantidades de dados. Para fazer isso, é necessário esquecer detalhes nos dados para dar prioridade à informação necessária para as decisões.

“A melhor coisa para a memória não é guardar absolutamente tudo”, diz Richards. “Se estamos a tentar tomar uma decisão, isso será impossível se o nosso cérebro é constantemente bombardeado com informações inúteis“.

O cientista canadiano questiona ainda o que chama de “idealização” de pessoas com boa memória. “O objetivo da memória não é ser capaz de lembrar quem ganhou o quê em 1972”, destaca.

E antes que caia no esquecimento: o Óscar em 1972 foi para o filme “Operação França”.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Uma inexplicável explosão de ondas gravitacionais atingiu a Terra (e atordoou os astrónomos)

Uma equipa de investigadores detetou uma misteriosa explosão de ondas gravitacionais, cuja natureza deixou os astrónomos totalmente perplexos. O fenómeno foi registado a 14 de janeiro deste ano pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferómetro Laser …

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …