Rede de notícias falsas ligada a funcionários e filhos de Bolsonaro eliminada pelo Facebook

palaciodoplanalto / Flickr

Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro

O Facebook eliminou uma série de contas e páginas dedicadas à difusão de notícias falsas ligadas a funcionários do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e a dois dos seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro.

Segundo noticiou a agência Lusa, a rede social informou na quarta-feira que removeu um total de 35 contas pessoais, 14 páginas e um grupo no Facebook e outros 38 perfis no Instagram, algumas das quais se faziam passar por meios de comunicação, criavam pessoas fictícias e promoviam “discursos de ódio”.

A empresa indicou que a rede está ligada a funcionários dos escritórios de Bolsonaro e dois dos seus filhos, Eduardo e Flávio, além de dois parlamentares do Partido Social Federal (PSL, formação política com que o atual Presidente se elegeu mas que abandonou no ano passado), Alana Passos e Anderson Moraes.

“Embora as pessoas por detrás dessa atividade tentassem ocultar as suas identidades e coordenação, a nossa investigação encontrou ligações para indivíduos associados ao PSL e a alguns dos funcionários dos escritórios de Anderson Moraes, Alana Passos, Eduardo Bolsonaro, Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro”, indicou o Facebook em comunicado.

O diretor de segurança cibernética do Facebook, Nathaniel Gleicher, explicou, num relatório, como se processava essa rede de desinformação. “Fazia publicações sobre notícias locais e eventos, incluindo política interna e eleições, memes políticos, críticas à oposição, a organizações de media e jornalistas, e, mais recentemente, sobre a pandemia de coronavírus. Parte do conteúdo publicado por esta rede já havia sido retirada por violações dos Padrões da Comunidade, incluindo discursos de ódio”, referiu Gleicher.

O Facebook revelou ainda que cerca de 883 mil perfis seguiam uma ou mais das páginas vinculadas a Bolsonaro e outras 917 mil pessoas eram seguidores de uma ou de mais contas no Instagram, que foram agora removidas.

O anúncio feito pelo Facebook faz parte da eliminação de redes de desinformação que operavam em quatro territórios, disseminando conteúdo relacionado com assuntos políticos. Foram também eliminadas redes nos Estados Unidos, na Ucrânia e na América Latina – em países como El Salvador, Argentina, Uruguai, Venezuela, Equador e Chile.

Bolsonaro é investigado pelas autoridades eleitorais em processos por alegadamente ter usado robôs para difundir notícias falsas durante a campanha eleitoral que o levou à presidência, em 2018.

Também o Supremo Tribunal Federal brasileiro abriu uma investigação no mês passado contra aliados e amigos próximos do Presidente, por suspeitas de usarem as redes sociais para espalhar propostas antidemocráticas, como encerramento do Congresso e do Supremo, assim como o regresso de uma ditadura militar.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …

Quase cinco meses depois, a Champions está de volta

A Liga dos Campeões é retomada esta sexta-feira, quase cinco meses depois da suspensão devido à pandemia de covid-19. Suspensa logo depois do jogo Leipzig-Tottenham, disputado a 11 de março, a prova milionária está de regresso …