Face Oculta. Ministério Público quer obrigar juíza a acelerar prisão

Mário Cruz / Lusa

O ex-ministro Armando Vara

O Ministério Público pediu “aceleração processual” para a emissão do mandado de condução à cadeia relativamente a um dos dez arguidos do processo Face Oculta condenados a penas de prisão efetiva, informou esta sexta-feira a Procuradoria Geral Distrital do Porto.

Numa nota publicada no seu site, a Procuradoria Geral Distrital (PGD) do Porto esclarece que o pedido foi deduzido no dia 21 de dezembro de 2018 por o Ministério Público (MP) entender que “vem sendo protelado, para além do razoável e legalmente previsto, o cumprimento do julgado e transitado no que respeita à pena de prisão aplicada”.

“Depois de cumpridos os trâmites legais, esse pedido foi remetido pelo tribunal de primeira instância ao Conselho Superior da Magistratura, no dia 21 de dezembro de 2018, para decisão”, refere a mesma nota.

Em declarações à Lusa, o juiz presidente da comarca de Aveiro confirmou que o pedido de “aceleração processual” está relacionado com João Tavares, ex-funcionário da Petrogal, o primeiro condenado a ver a sentença transitada em julgado.

De acordo com o Público, que escreve que esta decisão do MP é “pouco habitual”, nota que o conselho permanente do órgão de tutela dos juízes tem na próxima terça-feira a sua habitual reunião mensal, na qual já poderá ser decidido este pedido de aceleração. Este incidente torna evidente um mal-estar entre o MP e a juíza, que vê assim posta em causa a sua atuação, escreve ainda o matutino.

Condenado na primeira instância a cinco anos e nove meses de prisão, João Tavares recorreu para a Relação do Porto, que manteve a decisão, e, ao contrário dos restantes coarguidos no processo condenados a penas efetivas, não interpôs novo recurso, tornando-se assim no primeiro arguido a ver a pena de prisão efetiva tornar-se definitiva.

Paulo Brandão revelou ainda que a juíza Marta Carvalho, que tem nas mãos o processo, ainda não emitiu nenhum mandado de condução à cadeia, estando a aguardar por uma resposta do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) a um pedido de informação. “A senhora juíza quer fazer as coisas com segurança e entendeu que devia pedir uma informação ao STJ”, disse. O juiz não soube explicar qual o teor desse pedido de informação, adiantando apenas que em função da resposta do STJ, a magistrada “poderá ou não passar os mandados ou pedir outra diligência”.

Além de João Tavares houve mais três arguidos condenados em penas de prisão efetiva que já viram a sentença transitar em julgado, entre os quais o ex-ministro Armando Vara, que vai ter de cumprir uma pena de cinco anos, por três crimes de tráfico de influência.

Os outros dois arguidos são Manuel Guiomar, ex-quadro da Refer condenado a seis anos e meio de prisão, e Manuel Gomes, ex-funcionário da Lisnave que foi sancionado com quatro anos e quatro meses.

Segundo o esclarecimento da PGD do Porto, já foram remetidos à primeira instância traslados com certificação do trânsito em julgado das decisões relativas a estes quatro arguidos, para execução da pena de prisão.

Relativamente aos arguidos condenados em penas de prisão suspensa, a PGD do Porto diz que há seis com decisão já transitada em julgado, tendo essa informação sido comunicado à primeira instância, também com vista à execução da pena.

Entretanto, o juiz presidente da comarca de Aveiro disse esta sexta-feira que a parte do processo relativa ao arguido Armando Vara já se encontra naquela instância e vai agora ser apresentado à juíza titular do processo para despacho.

Armando Vara foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Aveiro a cinco anos de prisão efetiva, por três crimes de tráfico de influência, no âmbito do processo Face Oculta. Inconformado com a decisão, o arguido recorreu para o Tribunal da Relação do Porto, que negou provimento ao recurso, mantendo integralmente o acórdão da primeira instância.

Armando Vara interpôs novo recurso, desta vez para o Supremo Tribunal de Justiça, que não foi admitido, recorrendo então para o Tribunal Constitucional, que, em julho de 2018, decidiu “não conhecer do objeto” do recurso interposto. A defesa reclamou então desta decisão, sem sucesso.

A condenação de Vara transitou em julgado no passado mês de dezembro, após esgotadas todas as possibilidades de interposição de recurso e só faltava os autos baixarem ao Tribunal de Aveiro, onde o julgamento decorreu, para que a juíza titular do processo possa emitir o mandado de condução ao estabelecimento prisional para cumprimento de pena.

O processo Face Oculta está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho nos negócios com empresas do setor do Estado e privadas. Além de Armando Vara e Manuel Godinho, foram arguidos no processo o ex-presidente da REN (Redes Energéticas Nacionais) José Penedos e o seu filho Paulo Penedos, entre outros.

Na primeira instância, dos 36 arguidos, 34 pessoas singulares e duas empresas, 11 foram condenados a penas de prisão efetiva, entre os quatro anos e os 17 anos e meio. Os restantes receberam penas suspensas, condicionadas ao pagamento de quantias entre os três mil e os 25 mil euros a instituições de solidariedade social.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Devem ter perdido a carta da prisão neste monopólio da República portuguesa. Por incrível que pareça só calha aos pequenos. Pobre país.

  2. Como cidadão não confio nesta Juíza.
    O homem é julgado, o homem é condenado, o homem pedem para ser preso após o Natal, ó que não disse o ano.
    A justiça ou a quem compete aplicá-la não é igual para todos, isto doí e revolta.

    • Lá tem de vir o povo protestar por tudo e por nada. O rico é um ser à parte. O pobre, esse ladrão de meia tigela, já deveria estar preso só por existir. Pelo simples facto de respirar devia pagar imposto ao rico. O rico tudo merece. Foi bafejado com a vontade de Deus e de alguns juízes que na matéria da injustiça são como Deuses.

RESPONDER

Costa anuncia 252 milhões de euros de investimento na investigação e economia do mar

O primeiro-ministro anunciou hoje que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) vai ter uma verba de 252 milhões de euros autonomizada para financiar investimentos na investigação, na economia do mar e na segurança pesqueira. Além …

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …

Índia ultrapassa Brasil e é o segundo país mais afetado pela covid-19

A Índia é o segundo país mais afetado pela pandemia de covid-19, ultrapassando o Brasil, depois de registar um valor máximo de 168 mil novas contaminações nas últimas 24 horas. O país, com 1,3 mil milhões …

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações …

Operação Marquês. Ministério Público pede alargamento do prazo previsto na lei para recorrer

Depois da decisão instrutória tomada pelo juiz Ivo Rosa, os procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto já entregaram um requerimento a pedir 120 dias para o recurso. O alargamento do prazo passaria assim a ser …

Duas mortes e 271 infetados em 24 horas. Rt continua a subir em Portugal

O boletim da DGS desta segunda-feira dá conta de mais 271 novos casos. Registaram-se ainda mais duas mortes por covid-19. Segundo a DGS existem 25.784 casos ativos, menos 176 do que na véspera, e há mais …