Extinção de mamíferos da idade do gelo pode ter forçado humanos a inventar a civilização

O surgimento das civilizações pode não ter sido algo planeado e ponderado, mas sim uma opção de último recurso devido à extinção de grandes mamíferos da idade do gelo.

O Homo sapiens moderno evoluiu pela primeira vez entre 250 mil e 350 mil anos atrás. Mas os passos iniciais rumo a uma civilização começaram apenas há cerca de 10 mil anos, com as primeiras civilizações a surgirem há 6.400 anos.

Durante 95% da história da nossa espécie, não cultivamos, criamos grandes assentamentos ou hierarquias políticas complexas. Vivíamos em pequenos grupos nómadas, a caçar e a coletar. Depois, algo mudou.

Passamos da vida de caçadores-coletores para a colheita de plantas, depois o cultivo e, finalmente, as cidades. Surpreendentemente, esta transição ocorreu apenas após o desaparecimento da megafauna da idade do gelo — mamutes, preguiças, veados e cavalos gigantes. As razões pelas quais os humanos começaram a cultivar ainda permanecem incertas, mas o desaparecimento dos animais dos quais dependíamos para alimentação pode ter forçado a nossa cultura a evoluir.

Os primeiros humanos eram inteligentes o suficiente para cultivar. Todos os grupos de humanos modernos têm níveis semelhantes de inteligência, sugerindo que as nossas capacidades cognitivas evoluíram antes que estas populações se separassem há cerca de 300.000 anos e depois mudassem pouco depois. Se os nossos ancestrais não cultivaram plantas, não é que não tenham sido suficientemente inteligentes. Algo no ambiente os impedia — ou eles simplesmente não precisavam.

O aquecimento global no final do último período glacial provavelmente facilitou a agricultura. No entanto, é improvável que a agricultura fosse impossível em todos os lugares. Os eventos anteriores de aquecimento do clima não estimularam a aventura na agricultura. As alterações climáticas não podem ter sido o único fator.

A migração humana provavelmente também contribuiu. Quando as nossas espécies se expandiram do sul de África para a Ásia, Europa e depois as Américas, encontramos novos ambientes e novas plantas. Contudo, pessoas ocupavam estas partes do mundo muito antes do início da agricultura. A domesticação das plantas atrasou a migração humana em dezenas de milénios.

Se já existiam oportunidades para inventar a agricultura, a sua invenção tardia sugere que os nossos ancestrais não precisavam ou não queriam cultivar.

Caça abandonada

No entanto, algo mudou. Há 10 mil anos atrás, os seres humanos abandonaram repetidamente o estilo de vida de caçadores-coletores para a agricultura. Pode ser que, após a extinção de mamutes e de megafauna da época do Plistoceno, e a caça excessiva, o estilo de vida dos caçadores-coletores se tenha tornado menos viável, levando as pessoas a colher e depois cultivar plantas.

Talvez a civilização não tenha nascido do desejo de progredir, mas do desastre, como uma catástrofe ecológica forçou as pessoas a abandonar os seus estilos de vida tradicionais.

À medida que os humanos deixaram África para colonizar novas terras, grandes animais desapareceram em todos os lugares em que pisamos. Na Europa e na Ásia, a megafauna, como rinocerontes lanudos, mamutes e alces irlandeses. Na Austrália, cangurus e vombates gigantes desapareceram. Na América do Norte e do Sul foram os cavalos, camelos, tatus gigantes, mamutes e preguiças caíram.

Após as pessoas se espalharam para as Caraíbas, Madagáscar, Nova Zelândia e Oceânia, a sua megafauna também desapareceu. As extinções seguiam inevitavelmente os humanos.

Caçar animais grandes oferece um maior retorno do que caçar animais pequenos como coelhos. Contudo, os animais grandes reproduzem-se lentamente e têm poucos filhos em comparação com pequenos animais, tornando-os vulneráveis. Isto significava que caçávamos animais grandes mais rápido do que eles se conseguiam reproduzir. Foi, sem dúvida, a primeira crise de sustentabilidade.

Os humanos seriam então forçados a inovar, concentrando-se cada vez mais na coleta e no cultivo de plantas para sobreviver. Isto permitiu que as populações humanas se expandissem.

Comer plantas em vez de carne é um uso mais eficiente da terra, pelo que a agricultura pode sustentar mais pessoas na mesma área em comparação com a caça. As pessoas poderiam estabelecer-se permanentemente, construir assentamentos e posteriormente civilizações.

A agricultura e a civilização podem ter sido inventadas não porque foram uma melhoria em relação ao nosso estilo de vida ancestral, mas porque não nos restava escolha. A agricultura foi uma tentativa desesperada de consertar as coisas quando levamos mais do que o ecossistema poderia sustentar. Neste caso, abandonamos a vida dos caçadores da era do gelo para criar o mundo moderno, não com previsão e intenção, mas por acidente, por causa de uma catástrofe ecológica que criamos há milhares de anos.

PARTILHAR

RESPONDER

O nosso cabelo sabe o que comemos, onde moramos e quanto custou o corte

Milímetro a milímetro, o cabelo constrói um registo da nossa dieta. Como os fios de cabelo são construídos a partir de aminoácidos, preservam os traços químicos da proteína da comida que ingerimos. Os fios de cabelo …

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …