Extinção de mamíferos da idade do gelo pode ter forçado humanos a inventar a civilização

O surgimento das civilizações pode não ter sido algo planeado e ponderado, mas sim uma opção de último recurso devido à extinção de grandes mamíferos da idade do gelo.

O Homo sapiens moderno evoluiu pela primeira vez entre 250 mil e 350 mil anos atrás. Mas os passos iniciais rumo a uma civilização começaram apenas há cerca de 10 mil anos, com as primeiras civilizações a surgirem há 6.400 anos.

Durante 95% da história da nossa espécie, não cultivamos, criamos grandes assentamentos ou hierarquias políticas complexas. Vivíamos em pequenos grupos nómadas, a caçar e a coletar. Depois, algo mudou.

Passamos da vida de caçadores-coletores para a colheita de plantas, depois o cultivo e, finalmente, as cidades. Surpreendentemente, esta transição ocorreu apenas após o desaparecimento da megafauna da idade do gelo — mamutes, preguiças, veados e cavalos gigantes. As razões pelas quais os humanos começaram a cultivar ainda permanecem incertas, mas o desaparecimento dos animais dos quais dependíamos para alimentação pode ter forçado a nossa cultura a evoluir.

Os primeiros humanos eram inteligentes o suficiente para cultivar. Todos os grupos de humanos modernos têm níveis semelhantes de inteligência, sugerindo que as nossas capacidades cognitivas evoluíram antes que estas populações se separassem há cerca de 300.000 anos e depois mudassem pouco depois. Se os nossos ancestrais não cultivaram plantas, não é que não tenham sido suficientemente inteligentes. Algo no ambiente os impedia — ou eles simplesmente não precisavam.

O aquecimento global no final do último período glacial provavelmente facilitou a agricultura. No entanto, é improvável que a agricultura fosse impossível em todos os lugares. Os eventos anteriores de aquecimento do clima não estimularam a aventura na agricultura. As alterações climáticas não podem ter sido o único fator.

A migração humana provavelmente também contribuiu. Quando as nossas espécies se expandiram do sul de África para a Ásia, Europa e depois as Américas, encontramos novos ambientes e novas plantas. Contudo, pessoas ocupavam estas partes do mundo muito antes do início da agricultura. A domesticação das plantas atrasou a migração humana em dezenas de milénios.

Se já existiam oportunidades para inventar a agricultura, a sua invenção tardia sugere que os nossos ancestrais não precisavam ou não queriam cultivar.

Caça abandonada

No entanto, algo mudou. Há 10 mil anos atrás, os seres humanos abandonaram repetidamente o estilo de vida de caçadores-coletores para a agricultura. Pode ser que, após a extinção de mamutes e de megafauna da época do Plistoceno, e a caça excessiva, o estilo de vida dos caçadores-coletores se tenha tornado menos viável, levando as pessoas a colher e depois cultivar plantas.

Talvez a civilização não tenha nascido do desejo de progredir, mas do desastre, como uma catástrofe ecológica forçou as pessoas a abandonar os seus estilos de vida tradicionais.

À medida que os humanos deixaram África para colonizar novas terras, grandes animais desapareceram em todos os lugares em que pisamos. Na Europa e na Ásia, a megafauna, como rinocerontes lanudos, mamutes e alces irlandeses. Na Austrália, cangurus e vombates gigantes desapareceram. Na América do Norte e do Sul foram os cavalos, camelos, tatus gigantes, mamutes e preguiças caíram.

Após as pessoas se espalharam para as Caraíbas, Madagáscar, Nova Zelândia e Oceânia, a sua megafauna também desapareceu. As extinções seguiam inevitavelmente os humanos.

Caçar animais grandes oferece um maior retorno do que caçar animais pequenos como coelhos. Contudo, os animais grandes reproduzem-se lentamente e têm poucos filhos em comparação com pequenos animais, tornando-os vulneráveis. Isto significava que caçávamos animais grandes mais rápido do que eles se conseguiam reproduzir. Foi, sem dúvida, a primeira crise de sustentabilidade.

Os humanos seriam então forçados a inovar, concentrando-se cada vez mais na coleta e no cultivo de plantas para sobreviver. Isto permitiu que as populações humanas se expandissem.

Comer plantas em vez de carne é um uso mais eficiente da terra, pelo que a agricultura pode sustentar mais pessoas na mesma área em comparação com a caça. As pessoas poderiam estabelecer-se permanentemente, construir assentamentos e posteriormente civilizações.

A agricultura e a civilização podem ter sido inventadas não porque foram uma melhoria em relação ao nosso estilo de vida ancestral, mas porque não nos restava escolha. A agricultura foi uma tentativa desesperada de consertar as coisas quando levamos mais do que o ecossistema poderia sustentar. Neste caso, abandonamos a vida dos caçadores da era do gelo para criar o mundo moderno, não com previsão e intenção, mas por acidente, por causa de uma catástrofe ecológica que criamos há milhares de anos.

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …