/

“Exoplanetas desonestos” à espreita no espaço podem ter luas habitáveis

1

Dan Durda

As evidências sugerem a existência de uma vasta população de “exoplanetas desonestos” à deriva – que não estão presos a nenhuma estrela. Os cientistas acreditam que esses exoplanetas não serão habitáveis, mas o mesmo não se pode dizer das suas luas.

De acordo com a nova modelagem matemática, algumas dessas luas – pelo menos, aquelas com condições muito específicas – poderiam ter atmosfera e água líquida, graças a uma combinação de radiação cósmica com a energia das marés exercida na luas pela interação gravitacional com os planetas, escreve o ScienceAlert.

Embora seja difícil catalogar os exoplanetas, as pesquisas identificaram candidatos através do estudo do efeito gravitacional quedeveriam ter na luz estelar distante.

As estimativas dessas pesquisas sugerem que pode haver pelo menos um exoplaneta gigante gasoso do tamanho de Júpiter para cada estrela da Via Láctea. Caso seja verdade, existem pelo menos 100 bilhões de “exoplanetas desonestos”.

Além da linha de geada do Sistema Solar, onde se espera que a água congele, há lugares onde esta ainda pode ser encontrada no estado líquido – é o caso das luas de gelo Ganimedes e Europa, em órbita ao redor de Júpiter, e Enceladus, na órbita de Saturno.

Embora envoltas em espessas camadas de gelo, essas luas abrigam oceanos líquidos por baixo das suas superfícies, que provavelmente não congelam devido ao calor interno gerado pelo alongamento e compressão exercidos pelo campo gravitacional dos planetas enquanto as luas orbitam.

Assim, acredita-se que a Europa e a Enceladus podem abrigar vida. Embora protegido da luz solar, existe um tipo de ecossistema aqui na Terra que não depende da teia alimentar fotossintética – as fontes hidrotermais, por onde o calor e os produtos químicos escapam do interior da Terra para o fundo do oceano.

Uma equipa de cientistas liderada pelo astrónomo Patricio Javier Ávila, da Universidade de Concepción, no Chile, procurou modelar a possibilidade destas luas existirem em torno de exoplanetas gigantes gasosos “desonestos”.

As descobertas sugerem que uma quantidade significativa de água pode ser formada na atmosfera da lua e retida na forma líquida.

Assim, a radiação cósmica seria o principal condutor da cinemática química para converter hidrogénio e dióxido de carbono em água. Isso produziria 10.000 vezes menos água que os oceanos da Terra, mas 100 vezes mais que a atmosfera, o que seria suficiente para a vida, disseram os investigadores.

A energia das marés da gravidade do exoplaneta geraria, então, muito do calor necessário para manter a água líquida. Ainda mais calor poderia ser criado pelo dióxido de carbono na atmosfera da lua, o que poderia gerar um efeito estufa e ajudar a manter o clima temperado.

O estudo foi publicado no International Journal of Astrobiology no dia 8 de junho.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE