Há três tipos de consciência e os computadores já dominam um deles

A consciência é um conceito difícil de identificar, mas um pequeno grupo de neurocientistas acabou de tentar fazer exatamente isso. O objetivo deles era determinar se estamos perto do grande objetivo da inteligência artificial – a autoconsciência artificial.

Para já, a resposta é não, mas os cientistas apontam que ainda há a possibilidade de construir mentes totalmente conscientes.

Uma maneira “fácil” de definir a consciência é como o conjunto de pensamentos e sensações que cada pessoa experimenta. O que significa que para já não há forma de saber se este tipo de consciência existe em algo físico, como um computador.

Assumindo que a consciência que damos como certa nos seres humanos é baseada nas mesmas leis físicas descritas nos livros didáticos de física e química, devemos ser capazes, teoricamente, de encontrar uma maneira de criar um modelo.

Esta foi uma das motivações de Alan Turing, um dos criadores da ciência da computação. A resposta foi estabelecer as bases para o computador moderno. Turing sonhava com máquinas de computação universais que poderiam jogar xadrez melhor do que campeões do mundo e ficaria chocado pelo nível de inteligência artificial que existe hoje em programas como o AlphaGo ou o DeepMind.

Por mais fantásticos que esses sistemas computacionais sejam, os seus talentos extraordinários apenas são comparáveis às habilidades cognitivas dos humanos, uma vez que esses sistemas conseguem resolver problemas em velocidades ridiculamente altas, mas ao mesmo tempo ainda não sabem que podem resolver problemas.

Mas será que poderíamos fazer alguns ajustes no futuro próximo para os acordar? Para responder a isso, os cientistas partiram a consciência em três categorias.

Os investigadores chamaram à categoria mais baixa C0, numa comparação com a solução de problemas que os cérebros humanos efetuam sem se aperceberem, como por exemplo quando voltamos do trabalho sem pensar no caminho. Uma “habilidade” facilmente replicada pelos computadores.

Mas é questionável se se pode chamar a isso “consciência” em qualquer sentido real, levando à próxima categoria: a C1, que se “refere à relação entre um sistema cognitivo e um objeto de pensamento específico, como uma representação mental da luz do tanque de combustível”, escrevem os cientistas.

Nesta categoria, esse objeto de pensamento é selecionado para o processamento global, movendo-o de um relacionamento estreito para um que pode ser manipulado em vários contextos. Essa luz de combustível intermitente pode ser modelada em C1, não apenas como um único problema, mas um conceito que pode ser avaliado, priorizado e resolvido  ou não  de forma temporizada.

A categoria final, C2, é como um chefe a olhar para a fábrica do alto de um mezanino, consciente das tarefas que estão a ser desenvolvidas. Abrange o que se chama “meta-cognição”, a sensação de saber o que sabemos.

A categoria C1 pode ocorrer sem a C2, e vice-versa. Mas de acordo com os cientistas, nenhum dos sistemas possui, até ao momento, um equivalente na inteligência das máquinas.

Os investigadores especulam que a categoria C1 evoluiu como uma maneira de quebrar a modularidade dos processos de inconsciência. Os avanços recentes em microchips que podem tanto armazenar como processar informações da mesma forma que as células cerebrais humanas podem potencialmente desempenhar esse papel de revolucionar a tecnologia modular existente.

Para que isso funcione, é necessário aprender mais sobre como é que os cérebros criam o espaço de trabalho global – a arquitetura que dá origem ao que pensamos como nossa consciência.

Para desenvolver a tecnologia C2, os cientistas sugerem vários processos, como alguns que aplicam probabilidade de tomada de decisão e outros que possuem algum tipo de meta-memória para estabelecer uma linha entre o que é conhecido e o que não é.

Embora o relatório não forneça caminhos para a próxima geração de inteligência artificial, argumenta que é perfeitamente possível construir máquinas conscientes com base no nosso próprio hardware mental.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Japão vai ter robôs "inteligentes" nas salas de aula para ensinar inglês

O Governo do Japão vai introduzir robôs com inteligência artificial capazes de falar inglês nas salas de aula para ajudar as crianças a melhorar as suas competências orais. De acordo com a emissora pública nipónica NHK, …

Sismo de 7,2 volta a atingir a Indonésia, o 5.º em menos de um mês

Um novo sismo de magnitude 7,2 atingiu este domingo a ilha Lombok, na Indonésia, o quinto em menos de um mês, informaram os Serviços Geológicos dos Estados Unidos. O abalo foi registado a 124 quilómetros a …

Belenenses vs FC Porto | Golo nos descontos salva dragão

O FC Porto sofreu a bom sofrer para somar três pontos no Estádio do Jamor, nova “casa” do Belenenses. Os “dragões estiveram a ganhar por 2-0, deixaram-se empatar, e somente em período de descontos, de …

Onda de calor no Reino Unido revela magicamente ruínas pré-históricas

A onda de calor que assolou a Europa durante este verão continua a revelar a vestígios arqueológicos do passado do Reino Unido - entre as quais, um monumento cerimonial do Período Neolítico. Imagens aéreas mostraram pela …

Restaurante alemão proíbe entrada de crianças

Chamado "cozinha da avó" em alemão, um restaurante decidiu proibir a entrada a menores de 14 anos após as 17h. O proprietário diz querer proporcionar um "oásis de paz" aos seus clientes. Um restaurante na estância …

Franceses "pescam" bomba alemã da II Guerra Mundial com 860 quilos

Pescadores franceses encontraram na costa da Normandia, região francesa próxima de Paris, algo realmente grande na sua rede de pesca - uma bomba da Segunda Guerra Mundial com 860 quilos de explosivos. A rede capturou uma …

Sul da Índia "afoga-se" nas piores inundações em 100 anos

O estado indiano de Kerala vive há dez dias as piores inundações em um século, causadas pelas torrenciais chuvas de monção, que já provocaram cerca de 200 mortos e mais de 220 mil refugiados em …

200 mil bombas de Hiroshima, o poder do supervulcão de Santorini

Um novo estudo realizado com base em análises de anéis de árvores, pode definir com mais precisão o momento em que o supervulcão de Santorini, na Grécia, entrou em erupção. A nova pesquisa ajudou a …

"Bola de fogo" 40 vezes mais brilhante do que Lua cheia sobrevoou os EUA

Uma bola de fogo cruzou o céu do estado norte-americano do Alabama durante a noite desta sexta-feira. A NASA divulgou um vídeo, no qual mostra o objeto a sobrevoar a cidade, com um feixe de …

Segredo para uma vida mais longa está no consumo moderado de hidratos de carbono

Um estudo recente concluiu que o consumo moderado de hidratos de carbono é a solução para ter uma esperança média de vida maior. O consumo moderado de hidratos de carbono favorece uma vida mais saudável e …