Há três tipos de consciência e os computadores já dominam um deles

A consciência é um conceito difícil de identificar, mas um pequeno grupo de neurocientistas acabou de tentar fazer exatamente isso. O objetivo deles era determinar se estamos perto do grande objetivo da inteligência artificial – a autoconsciência artificial.

Para já, a resposta é não, mas os cientistas apontam que ainda há a possibilidade de construir mentes totalmente conscientes.

Uma maneira “fácil” de definir a consciência é como o conjunto de pensamentos e sensações que cada pessoa experimenta. O que significa que para já não há forma de saber se este tipo de consciência existe em algo físico, como um computador.

Assumindo que a consciência que damos como certa nos seres humanos é baseada nas mesmas leis físicas descritas nos livros didáticos de física e química, devemos ser capazes, teoricamente, de encontrar uma maneira de criar um modelo.

Esta foi uma das motivações de Alan Turing, um dos criadores da ciência da computação. A resposta foi estabelecer as bases para o computador moderno. Turing sonhava com máquinas de computação universais que poderiam jogar xadrez melhor do que campeões do mundo e ficaria chocado pelo nível de inteligência artificial que existe hoje em programas como o AlphaGo ou o DeepMind.

Por mais fantásticos que esses sistemas computacionais sejam, os seus talentos extraordinários apenas são comparáveis às habilidades cognitivas dos humanos, uma vez que esses sistemas conseguem resolver problemas em velocidades ridiculamente altas, mas ao mesmo tempo ainda não sabem que podem resolver problemas.

Mas será que poderíamos fazer alguns ajustes no futuro próximo para os acordar? Para responder a isso, os cientistas partiram a consciência em três categorias.

Os investigadores chamaram à categoria mais baixa C0, numa comparação com a solução de problemas que os cérebros humanos efetuam sem se aperceberem, como por exemplo quando voltamos do trabalho sem pensar no caminho. Uma “habilidade” facilmente replicada pelos computadores.

Mas é questionável se se pode chamar a isso “consciência” em qualquer sentido real, levando à próxima categoria: a C1, que se “refere à relação entre um sistema cognitivo e um objeto de pensamento específico, como uma representação mental da luz do tanque de combustível”, escrevem os cientistas.

Nesta categoria, esse objeto de pensamento é selecionado para o processamento global, movendo-o de um relacionamento estreito para um que pode ser manipulado em vários contextos. Essa luz de combustível intermitente pode ser modelada em C1, não apenas como um único problema, mas um conceito que pode ser avaliado, priorizado e resolvido  ou não  de forma temporizada.

A categoria final, C2, é como um chefe a olhar para a fábrica do alto de um mezanino, consciente das tarefas que estão a ser desenvolvidas. Abrange o que se chama “meta-cognição”, a sensação de saber o que sabemos.

A categoria C1 pode ocorrer sem a C2, e vice-versa. Mas de acordo com os cientistas, nenhum dos sistemas possui, até ao momento, um equivalente na inteligência das máquinas.

Os investigadores especulam que a categoria C1 evoluiu como uma maneira de quebrar a modularidade dos processos de inconsciência. Os avanços recentes em microchips que podem tanto armazenar como processar informações da mesma forma que as células cerebrais humanas podem potencialmente desempenhar esse papel de revolucionar a tecnologia modular existente.

Para que isso funcione, é necessário aprender mais sobre como é que os cérebros criam o espaço de trabalho global – a arquitetura que dá origem ao que pensamos como nossa consciência.

Para desenvolver a tecnologia C2, os cientistas sugerem vários processos, como alguns que aplicam probabilidade de tomada de decisão e outros que possuem algum tipo de meta-memória para estabelecer uma linha entre o que é conhecido e o que não é.

Embora o relatório não forneça caminhos para a próxima geração de inteligência artificial, argumenta que é perfeitamente possível construir máquinas conscientes com base no nosso próprio hardware mental.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Síndrome do Inverno." Investigadores na Antártida em estado de hibernação psicológica

Os investigadores da Antártida entram em estado de "hibernação psicológica" para lidar com o stress provocado pela escuridão constante e o isolamento típicos do inverno a latitudes extremas. Passar longos períodos de tempo em isolamento e …

Cientistas revelam pela primeira vez como é o polo norte do Sol

Embora existam muitas missões da Agência Espacial Europeia (ESA) com o objetivo de analisar o nosso astro, a maioria das sondas tem focado as suas observações nas regiões equatoriais, deixando os polos relativamente inexplorados - …

Sporting vs Aves | Furacão Keizer volta a atacar

O Sporting deu seguimento ao bom momento que atravessa e goleou o Desportivo das Aves, no Estádio José Alvalade, por 4-1. Os visitantes até marcaram primeiro, mas dois golos no final da primeira parte e …

Ratos e pombos estão a substituir espécies emblemáticas

Animais como ratos e pombos estão a tomar o lugar de outros, como tigres, que apenas conseguem sobreviver em certos habitats. A agricultura e a construção está a favorecer as mesmas espécies em todos os …

Em sete anos, Comissão de Ética não advertiu um único deputado

Nos últimos sete anos, a Comissão de Ética foi chamada a pronunciar-se 52 vezes sobre incompatibilidades e impedimentos de deputados, mas nunca encontrou nenhuma. Segundo o Diário de Notícias, nas duas últimas legislaturas, a subcomissão parlamentar …

Pai castiga filha por praticar bullying e obriga-a a ir a pé para a escola

Depois de ter sido suspensa da escola por bullying, o pai de Kristen decidiu dar-lhe uma lição: castigou a filha obrigando-a a percorrer oito quilómetros até à escola. Kristen gozava com os colegas da escola. À …

Professora disse aos alunos que o Pai Natal não existia. Foi despedida

Uma professora substituta, numa cidade americana, já não vai voltar a ser chamado para dar aulas - além do Pai Natal, também "matou" o Coelhinho da Páscoa e a Fada dos Dentes. Por todo o país, …

Dinossauro desconhecido estava escondido em opalas da Austrália

Opalas encontradas por mineiros numa área deserta da Austrália acabaram por ser fragmentos de fóssil de uma espécie de dinossauro desconhecida até agora. Batizado como Weewarrasaurus pobeni, em honra do campo de opalas Wee Warra, que …

Descoberta espécie de salamandra que respira através de "árvores de Natal"

Uma equipa de biólogos norte-americanos identificou uma nova espécie de salamandra num anfíbio que, até agora, só foi encontrado em três locais nos estados norte-americanos da Flórida e do Alabama.  De acordo com a Universidade Estadual …

O maior puzzle do Mundo é uma ilha congelada na Rússia

Localizado entre o Oceano Ártico e os mares gelados do norte da Sibéria, o aglomerado de rochas, conhecidas como as Ilhas da Nova Sibéria, é frio e remoto. As ilhas são uma tela quase desabitada coberta …