Morales quer ONU a mediar crise na Bolívia (e até admite pedir intervenção do papa Francisco)

agenciaandes_ec / Flickr

Evo Morales, o presidente da Bolívia

O ex-Presidente boliviano Evo Morales quer a ONU a mediar a crise política no país e admitiu pedir a intervenção da Igreja Católica e do papa Francisco, numa entrevista divulgada esta sexta-feira pela agência de notícias Associated Press.

“Tenho muita confiança na ONU”, declarou Morales, que expressou o desejo de ver aquele organismo mundial como “um mediador, não apenas um facilitador, talvez acompanhado pela Igreja Católica”. E, “se for necessário, o papa Francisco”, acrescentou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, já enviou um representante à Bolívia para de forma a apoiar os esforços para se encontrar uma solução pacífica para a crise social e política. Morales afirmou ter sido deposto do cargo através de um golpe de Estado que o forçou a exilar-se no México.

Na Cidade do México, Morales sustentou que é o Presidente da Bolívia, já que o parlamento ainda não aceitou a demissão, apresentada no domingo a pedido de líderes militares, após semanas de protestos contra um reeleição que a oposição apelidou de fraudulenta.

“Se eles não aceitaram ou rejeitaram [a renúncia], posso dizer que ainda sou Presidente”, argumentou o homem que governou a Bolívia durante quase 14 anos. Morales admitiu regressar ao país se isso contribuir para a pacificação.

Evo Morales disse que também recebeu informações de que algumas tropas do exército boliviano planeiam rebelar-se contra os oficiais que pediram a renúncia, e frisou ter ficado “surpreso com a traição do comandante em chefe das Forças Armadas”, Williams Kaliman.

O ex-governante pediu calma e diálogo na Bolívia: “Quero dizer-lhes [aos apoiantes] que teremos de recuperar a democracia, mas com muita paciência e luta pacífica”.

90 dias para convocar eleições

A líder interina da Bolívia Jeanine Anez foi reconhecida por alguns países, mas enfrenta uma batalha árdua na organização de novas eleições.

A Constituição boliviana estabelece que um Presidente interino tem 90 dias para organizar uma eleição. A disputada ascensão de Anez, que até terça-feira era a segunda vice-presidente do Senado, foi um exemplo da longa lista de obstáculos enfrenta.

Os apoiantes de Morales, que detêm uma maioria de dois terços no Congresso, boicotaram a sessão convocada por Jeanine Anez na noite de terça-feira que servia para formalizar a reivindicação à Presidência, impedindo o necessário quórum.

Evo: Amigo, o povo está contigo!“, gritaram manifestantes na cidade de Sacaba, na quinta-feira, apoiando o regresso de Morales. Os soldados impediram-nos de chegarem à cidade vizinha de Cochabamba, onde apoiantes e adversários de Morales estão em conflito há semanas. Muitos manifestantes acenaram com a bandeira nacional e a bandeira multicolorida ‘Wiphala’, que representa os povos indígenas.

A renúncia de Morales surgiu após protestos em todo o país por suspeita de fraude eleitoral na eleição de outubro, na qual o então governante alegou ter conquistado um 4.º mandato.

Uma auditoria da Organização dos Estados Americanos constatou irregularidades generalizadas no escrutínio. Grande parte da oposição a Morales foi desencadeada pela recusa do chefe de Estado boliviano em aceitar um referendo que o poderia proibir de concorrer a um novo mandato.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Polícia do Rio de Janeiro matou cinco pessoas por dia em 2019

A polícia do Rio de Janeiro matou 1.810 pessoas em 2019, um recorde de cinco mortes por dia e um aumento de 18% em relação ao ano anterior, informou o Instituto de Segurança Pública (ISP) …

Governo dedica 20 milhões do Orçamento ao combate à violência doméstica

O orçamento total para combater a violência doméstica em 2020 é de 20,3 milhões de euros, adiantou na quinta-feira a ministra de Estado e da Presidência no Parlamento, Mariana Vieira da Silva, sublinhando o reforço orçamental …

Chega quer câmaras nas fardas e nos carros-patrulha

O Chega, liderado por André Ventura, apresentou um projeto de resolução a defender que os agentes das forças de segurança nacionais devem poder utilizar câmaras, que seriam introduzidas nas fardas e nos carros-patrulha. O partido liderado …

"Não tenho o apoio de Assunção Cristas", diz João Almeida

O candidato à liderança do CDS-PP defende que o partido deve, no imediato, fortalecer-se e depois participar numa "plataforma à direita" de alternativa ao PS, com o PSD, mas sem o Chega. "A alternativa à governação …

Campanha internacional quer salvar leões subnutridos em parque no Sudão

Várias fotografias de leões subnutridos no zoo de Al-Qureshi, no Sudão, atraíram a atenção de milhares de pessoas, que tentam agora salvar os animais. O fotógrafo Ashraf Shazly encontrou cinco leões malnutridos, enjaulados e sem …

Joacine Katar Moreira defende mais direitos para deputados não inscritos em partidos

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, defendeu nesta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos, durante uma reunião do grupo de trabalho para racionalizar os votos objecto de …

Nova universidade internacional de Soros pretende combater populismo e alterações climáticas

O filantropo multimilionário George Soros vai investir mil milhões de dólares (cerca de 904 milhões de euros) numa universidade internacional que terá como foco a oposição a governos autoritários e às alterações climáticas. Segundo avançou o …

"O índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual a nós", diz Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse, durante um vídeo em direto em que comentava a criação do Conselho da Amazónia, que "o índio está evoluindo e cada vez mais é um ser humano igual …

Jorge Brito Pereira deixa de ser advogado de Isabel dos Santos

O advogado anunciou, esta sexta-feira, que saiu da sociedade de advogados Uría Menéndez Proença de Carvalho, suspendeu a atividade profissional e, como consequência, vai cessar "o patrocínio jurídico" à empresária angolana. "Face às informações publicadas nos …

621 milhões de euros. Ministra reconhece que redução do défice no SNS ficou aquém

A ministra da Saúde reconheceu, esta sexta-feira, que a redução do défice do SNS em 2019 para 621 milhões ficou aquém do que estava previsto, sublinhando o aumento dos custos com pessoal. A ministra da Saúde, …