/

Europa em alerta: Casos de covid-19 sobem a pique. Países de leste sofrem com baixa vacinação

1

Pandemia volta a ganhar força na Europa. Reino Unido, Rússia e vários países do leste europeu, com baixas taxas de vacinação, voltaram a bater máximos de infeções e mortes por covid-19.

Numa altura em que o inverno se aproxima, e o convívio em espaços fechados aumenta, os casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 têm vindo a aumentar em muitos países da Europa, alerta a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mike Ryan, diretor do Programa de Emergências em Saúde da OMS, explicou esta quinta-feira, em conferência de imprensa, que “a maior parte das restrições já não estão em vigor em muitos países”, um facto que “coincide com o período de Inverno em que as pessoas estão a optar por espaços fechados à medida que surgem as ondas de frio”, cita o Público.

Apesar de mais de metade dos países europeus estar a registar um aumento de novos casos – incluindo Portugal -, a entidade salienta que o Reino Unido, Rússia e Turquia foram os responsáveis pela maioria dos casos.

O Reino Unido tem vindo a registar, em média, entre 40 mil a 50 mil novos casos por dia, o que coloca o país em máximo desde meados de julho.

Esta subida de infeções está a preocupar as autoridades de saúde, pelo que os responsáveis pedem ao Governo de Boris Johnson que avance para o “plano B”, voltando a implementar algumas restrições, escreve o The Guardian.

O ministro da Saúde do país já admitiu que o país pode chegar aos 100 mil casos diários, mas reitera que o Governo não vai, para já, implementar o “plano B”.

A Turquia tem uma taxa de infeção superior a 350 casos por milhão de habitantes, a sete dias, sendo que na semana passada registou 30.563 casos num só dia, um máximo desde abril.

Por sua vez, a Rússia desde a semana passada que tem vindo a bater novos máximos de óbitos, tendo registado na quarta-feira um novo recorde, com 1.028 mortes nas últimas 24 horas. Além disso, foram registadas 34.073 novas infeções nas 85 regiões do país nessas 24 horas.

Vladimir Putin anunciou que vai dar uma semana de férias pagas à população, de 30 de outubro a 7 de novembro, para travar o avanço da pandemia de covid-19. Moscovo revelou ainda que vai reintroduzir medidas de confinamento, com o encerramento de todas as lojas e estabelecimentos à exceção dos supermercados e farmácias.

Também no leste europeu, vários países têm registado recordes de infeções ou mortes associadas à covid, acompanhando a tendência vivida pela vizinha Rússia.

Atualmente, a Sérvia é o país europeu com uma incidência da covid-19 mais elevada, contabilizando 1268 casos por cem mil habitantes nos últimos 14 dias, de acordo com os dados mais recentes, divulgados esta quinta-feira, 21 de outubro, pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla em inglês).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

na terça-feira, a Ucrânia registou 538 mortes por covid-19 – o número diário mais elevado desde o início da pandemia. Porém, é importante sublinhar que este é um dos países da Europa com menor taxa de vacinação.

A baixa taxa de inoculações está também a refletir-se num aumento de casos na Letónia. O país tem atualmente uma das taxas de infeção mais elevadas a nível mundial, pelo que o Governo decidiu fechar escolas, restaurantes e espaços de lazer e impor recolher obrigatório durante cerca de um mês.

A questão da vacinação também está a afetar a Bulgária, que tem uma taxa de infeção de superior a 400 casos por milhão de habitantes e uma taxa de mortalidade de 14,8 mortes por dia, em média, nos últimos sete dias, ou seja, a segunda maior do “velho continente”.

Ao mesmo tempo, também na Polónia o Governo está a ponderar endurecer as medidas, depois de o país ter registado 5.000 infeções num só dia, informa o ECO.

Já a Roménia, com cerca de 30% da população vacinada, tem atualmente a quarta maior taxa de infeção a nível da UE (79,38 casos por milhão de habitantes) e a maior taxa de mortalidade associada à covid na UE (média de cerca de 19 mortes por dia, nos últimos sete dias).

  ZAP //

 

 

 

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

 

 

1 Comment

  1. E não igualmente “importante sublinhar” que diversos dos países mais vacinados do mundo também tiveram recordes de mortes e infeções?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE