EUA vão mudar o nome de 660 territórios federais que incluem um insulto racista

A palavra é um insulto dirigido a mulheres indígenas e a alteração surge quando o Departamento do Interior é liderado pela primeira Secretária nativa americana da história do Governo dos EUA.

O Departamento do Interior dos Estados Unidos vai alterar o nome de 660 montanhas, parques, rios e outros territórios federais que incluem o termo “squaw” — um insulto de teor racial referente às mulheres indígenas.

A iniciativa surge numa altura em que o departamento é liderado por Deb Haaland, que é a primeira mulher nativa americana a ser Secretária num Governo dos Estados Unidos, como lembra o The New York Times.

“As palavras importam, particularmente no nosso trabalho para tornarmos as terras e águas públicas acessíveis e acolhedoras a todas as pessoas”, defende Haaland. “A consideração destas substituições é grande passo em frente nas nossas tentativas de remover termos depreciativos cujas datas de validade já passaram há muito”.

Esta mudança surge num contexto em que muitas empresas e equipas desportivas estão a deixar cair nomes e imagens ofensivas contra os nativos americanos, num esforço de reparação dos anos de racismo sistémico contra esta população.

A nível político, já vários estados, como Maine, Oregon, Minnesota e Montana, avançaram com leis que obrigam à remoção da palavra “squaw” dos nomes de territórios que não sejam de propriedade federal.

Foi também introduzida na Assembleia estadual da Califórnia uma lei que propõe a mudança de nome de mais de 100 sítios no estado mais populoso dos EUA. Já há várias décadas que os responsáveis políticos têm feito esforços para a remoção de palavras pejorativas para certos grupos étnicos dos espaços públicos.

Em 2003, um painel no Arizona aprovou a mudança de nome de uma montanha em Phoenix conhecida como Squaw Peak, que passou a chamar-se Lori Piestewa em honra de uma especialista do exército com o mesmo nome, que foi a primeira mulher nativa a morrer enquanto servia nas forças norte-americanas.

As mudanças de nomes feitas por ordem estatal têm de ser aprovadas pelo Painel de Nomes Geográficos, que anteriormente já avançou com a remoção de insultos dirigidos a afro-americanos e japoneses de nomes oficiais.

O famoso Vale de Squaw, onde tiveram lugar provas de ski dos Jogos Olímpicos de 1960, não faz parte do grupo de locais da lista, mas o resort em causa já mudou o nome para Palisades Tahoe em Setembro do ano passado.

Apenas 10 dos 50 estados não têm nenhum território federal com um nome que contenha a palavra, segundo um mapa interactivo do Governo. Vanessa Esquivido, membro da tribo Nor Rel Muk Wintu Nation, acredita que esta mudança só peca por ser tardia e lembra que muitos nativos continuam sem saber o significado da palavra.

“As mulheres nativas e a terra nativa são sinónimos. Ao chamá-las pela palavra ‘s’, removemos a humanidade delas. Não têm nome. Não têm tribo“, remata.

  Adriana Peixoto, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.