Irão acusa aliados de Trump de estarem “sedentos por uma guerra”

rouhani.ir

O presidente do Irão, Hassan Rohani (Rouhani)

O Presidente dos EUA assinou esta segunda-feira um decreto que, referiu, impõe sanções “duras” dirigidas ao Guia Supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, e círculo próximo, além de um reforço generalizado das medidas punitivas à República islâmica.

De acordo com Trump, estas novas sanções seguem-se a “uma série de comportamentos agressivos por parte do regime iraniano no decurso das últimas semanas, incluindo a destruição de um drone americano“.

“Vamos intensificar a pressão sobre o Irão”, afirmou Trump em declarações no sala oval da Casa Branca, assegurando que as sanções poderão permanecer em vigor “durante anos”.

“As sanções contidas neste decreto impedirão o Guia Supremo, a sua equipa e outros que lhe estão estritamente ligados e com acesso a recursos financeiros essenciais”, precisou. “Os bens do ayatollah Khamenei e da sua equipa não serão poupados pelas sanções”, sublinhou ainda.

Pouco após as palavras de Trump, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, anunciava que os EUA também vão impor sanções ao ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif, e congelar “milhares de dólares” de ativos iranianos suplementares.

“Vamos colocar Zarif” na lista de sanções “o mais tardar esta semana”, anunciou Mnuchin, para acrescentar que oito altos responsáveis dos Guardas da Revolução também foram sancionados.

Petróleo, petroquímica, transações financeiras, responsáveis políticos e militares são alguns dos alvos que os Estados Unidos pretendem atingir e dirigidos ao núcleo central da economia iraniana desde o restabelecimento das sanções em 2018, no âmbito de uma política de “pressão máxima” para conduzir Teerão à mesa das negociações sobre o acordo nuclear.

As medidas punitivas têm por objetivo impedir as trocas comerciais ou financeiras com o Irão. Desde a saída, há um ano, dos EUA do acordo nuclear concluído em 2015 em Viena, grande parte das empresas internacionais, confrontadas com a opção de manter os seus clientes iranianos ou o acesso ao mercado norte-americano, optaram, por abandonar o Irão.

Washington pretende que as exportações de petróleo iranianas “estejam o mais próximo possível do zero”, um objetivo que considera poder atingir ainda em 2019.

Irão desvaloriza

Antes mesmo do anúncio oficial das novas sanções, o porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano disse aos jornalistas que estas “não vão ter consequências” para a economia do Irão.

“Existem na verdade sanções que os Estados Unidos ainda não tenham imposto ao nosso país nos últimos 40 anos?” questionou o porta-voz da diplomacia do Irão durante uma conferência de imprensa em Teerão.

“Na verdade, nós não sabemos se estas são novas sanções, se eles nos querem bater ainda mais. Nós acreditamos que elas (sanções) não vão ter qualquer resultado”, sublinhou Abbas Moussavi.

Em junho, o Irão afirmou que continua a exportar o seu petróleo através de “vendas não oficiais ou não convencionais”. Em paralelo, a França, Reino Unido e Alemanha, signatárias do acordo de Viena, estabeleceram em janeiro um mecanismo de troca com o Irão para contornar as sanções.

As sanções também se aplicam às trocas entre os estabelecimentos financeiros estrangeiros e o Banco central iraniano ou outros bancos do país, que deixaram de ter acesso ao sistema financeiro norte-americano, para além de outras medidas (exclusão do circuito bancário internacional Swift), ou a proibição da troca de ouro e metais preciosos.

Com o reforço das pesadas sanções económicas, Trump tenta convencer a República Islâmica a regressar à mesa das negociações, num gesto que não foi totalmente acompanhado pelos restantes países signatários do acordo nuclear – Rússia, Reino Unido, França, China e Alemanha.

“Sedentos por uma guerra”

Mohammad Yavad Zarif, afirmou hoje, após a imposição de novas sanções por parte de Washington, que aqueles que estão próximos do Presidente Donald Trump, “estão sedentos por uma guerra“.

“Donald Trump está 100 por cento correto que os militares dos Estados Unidos não têm nada a fazer no Golfo Pérsico. A retirada das suas forças está totalmente de acordo com os interesses dos Estados Unidos e o mundo”, afirmou Mohammad Yavad Zarif, na sua conta na rede social Twitter.

O ministro dos Negócios Estrangeiros acrescentou que existem outros que procuram a guerra. “Agora está claro que existe uma equipa B que não está preocupada com os interesses dos Estados Unidos, que despreza a diplomacia e estão sedentes por uma guerra”, salientou.

Segundo a agência Efe, a equipa B que Mohammad Yavad Zarif se refere é composta pelo conselheiro de segurança nacional norte-americano, John Bolton, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman.

Num outro ‘tweet’, o ministro iraniano salienta que a equipa B quase levou o Presidente dos Estados Unidos a desencadear uma guerra.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Irão:verbo ir.Dificil entender português de Portugal.É como dizia Patton em relação aos ingleses:separados pela liingua.

  2. Mais uma vez os Estados Unidos a criarem uma guerra.
    É ainda mais estranho e ser novamente com um país rico em petróleo no chão…
    Porque sera que as guerras dos Estados Unidos acontecem sempre com esses povos e países…
    Ninguém mais acha isso estranho.

RESPONDER

Governo quer licenças de trabalho parcial pagas para pais no primeiro ano dos filhos

O Governo quer implementar licenças de trabalho parcial remuneradas para pais e mães de crianças no seu primeiro ano de vida, no âmbito do programa para a conciliação entre vida profissional e vida familiar e …

Covid-19. Portugal "tem de preparar-se para o pior" e ter plano de contingência

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, defende que Portugal tem de se preparar para o pior e, por esta altura, já devia ser conhecido o plano de contingência em ação. "Convém …

Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município. O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de …

Transferência de Bruno Fernandes rendeu 16 milhões ao BCP e ao Novo Banco

A transferência de Bruno Fernandes do Sporting para o Manchester United foi rentável não apenas para o clube de Alvalade, mas também para os Bancos que são os principais financiadores do emblema. Millennium BCP e …

Braga 0-1 Rangers | "Guerreiros" eliminados por pé Kent

O Sporting de Braga caiu nos 16 avos-de-final da Liga Europa. Após a derrota por 3-2 na visita ao Rangers na semana passada, após estar a vencer por 2-0, os “arsenalistas” foram donos e senhores …

Violada, drogada e raptada. Cantora Duffy explica o seu desaparecimento da cena musical

A cantora galesa Duffy que fez sucesso, em 2008, com a música "Mercy", esteve vários anos afastada dos holofotes do mundo da música e explica, agora, que isso se deveu ao facto de ter sido …

Neeleman continua na TAP, mesmo com a entrada da Lufthansa

David Neeleman vai manter-se como acionista da companhia aérea portuguesa, mesmo que a Lufthansa venha a entrar no capital da TAP. Sabe-se que a Lufthansa está a estudar, juntamente com a United Airlines, a aquisição dos …

Escócia aprova plano para dar tampões e pensos grátis a todas as mulheres

O Parlamento escocês aprovou, esta terça-feira, um projeto de lei para disponibilizar gratuitamente produtos de higiene feminina a todas as mulheres. A Escócia será o primeiro país a avançar com uma medida deste tipo. O plano …

Bruxelas regista lentidão no desenvolvimento da ferrovia e dos portos portugueses

A Comissão Europeia fez hoje várias observações sobre a lentidão do desenvolvimento de projetos na ferrovia e nos portos portugueses, num relatório elaborado no âmbito do pacote de inverno do semestre europeu. Abordando os setores ferroviário …

Há dois anos, o Governo deu luz verde a doutoramentos nos politécnicos (mas ainda não mudou a lei)

O Governo deu luz verde aos doutoramentos nos politécnicos e, por isso, criou em 2018 uma lei para mudar o panorama. Contudo, esta só funciona se a Lei de Bases mudar. Em 2018, o Conselho de …