EUA avisam que aumento da procura de armas hipersónicas por parte da China faz crescer tensões na região

Face aos avanços de armamento de Pyongyang, Seul e Washington atualizam planos de contingência em caso de guerra com a Coreia do Norte. Os dois aliados sublinham também a importância de preservar a paz e a segurança no estreito de Taiwan.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Durante a reunião anual dos responsáveis da Defesa dos Estados Unidos e da Coreia do Sul (Reunião de Consultas de Segurança, SCM), Suh Wook e Lloyd Austin concordaram em modificar o plano de operações de guerra da década passada para “reforçar a dissuasão” contra Pyongyang, de acordo com uma declaração conjunta. Ainda em Seul, o secretário da Defesa dos Estados Unidos afirmou esta quinta-feira que a procura de armas hipersónicas por parte da China “aumenta as tensões na região”.

Austin frisou que o seu país está preocupado com a capacidade militar da China. Os EUA vão “manter as capacidades de defesa e dissuasão contra uma série de potenciais ameaças da China”, tanto para bem dos norte-americanos como dos seus aliados, disse o norte-americano.

Os chefes da Defesa sul-coreana e norte-americana reuniram-se para as suas conversações anuais, numa altura em que Washington se empenha em reforçar alianças para travar os crescentes desafios da China e as crescentes ameaças nucleares norte-coreanas.

O acordo assinado com o homólogo sul-coreano promete atualizar um plano centrado principalmente em ataques convencionais para lidar com um arsenal norte-coreano que agora tem mísseis muito mais sofisticados em sistemas de interceção evasivos, aparentemente capazes de transportar ogivas atómicas e que também podem ser lançados por submarinos.

“Reafirmámos também a nossa avaliação comum de que a RPDC [nome oficial da Coreia do Norte] continua a avançar com os seus programas de mísseis e armas, o que está a desestabilizar cada vez mais a segurança regional”, disse Austin numa conferência de imprensa após a reunião.

Mas ambos os aliados permanecem empenhados numa “abordagem diplomática” ao Norte, sublinhou.

Desde que Joe Biden tomou posse, Washington ofereceu-se para negociar com Pyongyang e tentar reavivar as conversações de desnuclearização, paradas desde 2019, mas o regime rejeitou o convite, dizendo que os EUA mantêm intacta a sua “política hostil”.

No comunicado conjunto, os dois responsáveis sublinharam também a importância de preservar a paz e a segurança no estreito de Taiwan. Isto aponta para a insistência dos EUA em unir os esforços dos seus aliados regionais face à ascensão da China.

  // Lusa

 

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.