As bactérias percebem o ambiente como os humanos

As bactérias, assim como os seres humanos, sentem o ambiente, uma descoberta que pode levar ao desenvolvimento de melhores medicamentos contra infecções bacterianas, revelaram cientistas da Universidade do Colorado, em Boulder, nos Estados Unidos.

A descoberta, divulgada esta quarta-feira e considerada “a primeira observação documentada” do sentido do tacto em bactérias individuais, é o resultado de um estudo realizado com bactérias Escherichia coli.

Segundo Giancarlo Bruni, do Departamento de Biologia Molecular, Celular e de Desenvolvimento da universidade, tanto as bactérias como os humanos utilizam pequenos impulsos elétricos gerados por iões de cálcio para transmitir informação do ambiente ao sistema nervoso e sensorial (ou seu equivalente bacteriano).

“Os humanos e as bactérias não são assim tão diferentes”, afirmou Bruni no estudo publicado na revista especializada “Proceedings of the National Academy of Sciences”, realizado com Joel Kralj, Andrew Weekley e Benjamin Dodd.

Os cientistas já sabiam que as bactérias reagem ao ambiente e se comportam de maneira distinta caso, por exemplo, tenham acesso ou não ao açúcar, ou se estiverem sobre uma superfície rígida ou macia, mas o novo estudo percebeu que as bactérias também “sentem” o que está ao seu redor.

Para comprovar isso, Bruni e os colegas colocaram as bactérias dentro de uma superfície pegajosa e observaram-nas com um microscópio. Se nada tocasse nas bactérias, estas mantinham-se estáticas. Quando eram tocadas ou empurradas, “acendiam”, ou seja, emitiam uma luz ténue indicando que estavam a usar eletricidade para transmitir informação.

“Acreditamos que as bactérias usam esses sinais elétricos para modificar o seu estilo de vida”, explicou o professor Kralj, do Instituto BioFrontiers.

Isto significa que as bactérias e os humanos partilham “uma ferramenta comum para sentir o ambiente circundante”, e os sinais elétricos e as origens do sistema neurológico humano, a partir de uma perspectiva evolutiva, remontam a “milhares de milhões de anos”, já que bactérias estão presentes entre os organismos mais antigos do planeta.

Mas também quer dizer que a “ferramenta comum” pode ser usada contra as bactérias, já que é exatamente essa ferramenta que faz com que certas bactérias sobrevivam aos antibióticos. Por isso, o passo seguinte do estudo, segundo os investigadores, será determinar de que maneira as bactérias usam os seus impulsos elétricos para infectar as células humanas.

“Se bloquearmos a atividade elétrica da bactéria, talvez estas tenham menos hipóteses de infectar, basicamente, porque não saberão onde estão e, portanto, não saberão como agir”, afirmou Kralj.

ZAP ZAP // EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …