Estudo mostra como era ser lésbica durante a Alemanha Nazi

Bundesarchiv, B 145 Bild-F051673-0059 / CC-BY-SA / Wikimedia

Adolf Hitler e Eva Braun.

Adolf Hitler e Eva Braun.

Uma nova pesquisa realizada na Universidade de Stanford, nos EUA, revela que o regime nazi tinha uma “tolerância limitada” para com a homossexualidade feminina, provavelmente por considerar que as mulheres não tinham tanta importância social como os homens.

O investigador Samuel Clowes Huneke analisou ficheiros da polícia da década de 1940, envolvendo casos de homossexualidade, e chegou à conclusão de que havia “uma existência mais normal na experiência diária de algumas lésbicas no Terceiro Reich”, cita a Universidade de Stanford no seu site.

Os homossexuais homens eram perseguidos, durante o regime nazi, e cerca de 50 mil terão sido condenados nesse período. Destes, entre cinco mil a 15 mil foram enviados para campos de concentração e 60% deles terão morrido, segundo os dados disponíveis.

A Lei incluía a criminalização explícita de actos homossexuais entre homens, mas não tinha referência às mulheres e há, de resto, muito poucos documentos ou referências a lésbicas durante a ditadura de Hitler.

Apesar disso, Huneke encontrou quatro casos de oito mulheres investigadas pela polícia criminal da Alemanha nazi – a Kriminalpolizei ou Kripo -, por acusação de homossexualidade.

O investigador chegou a estes ficheiros pelos arquivos estatais de Berlim, com depoimentos assinados das acusadas e de testemunhas, e apurou que todas tinham sido denunciadas por vizinhos, colegas de trabalho ou familiares.

“Que estas oito mulheres tenham sido denunciadas à polícia criminal de Berlim, no início dos anos 1940, é impressionante só por si, dado o silêncio dos arquivos no que se refere à homossexualidade feminina”, escreve Huneke no artigo científico publicado no Journal of Contemporary History.

O investigador também encontrou anotações de que não haveria indícios suficientes para as condenar.

Ora, “para estudiosos habituados a ver no estado nazi uma selva de jurisdições sobrepostas, de iniciativa pessoal e de lei baseada apenas nos desejos do Führer, este é um retrato curioso do sistema de justiça nazi, marcado por uma inesperada preocupação pela estrita interpretação dos estatutos”, considera ainda Huneke.

O caso de Margot Holzmann, uma lésbica judia que vivia em Berlim, espantou especialmente o investigador. Esta mulher casou, em 1941, com um empregado chinês, passando a deter a nacionalidade chinesa e terá evitado, deste modo, a deportação para um campo de concentração.

Foi o marido que a denunciou quando teve conhecimento do seu caso lésbico, mas a polícia acabou por não fazer nada contra ela.

“É francamente bizarro que a polícia criminal insistisse, em vários documentos, sobre as protecções conferidas a uma lésbica judia alemã em virtude da sua cidadania chinesa”, assinala Huneke na investigação.

Perante estes dados, o investigador não duvida de que havia “um nível de tolerância” para com a homossexualidade feminina no regime.

“O género é, talvez, a razão porque as lésbicas não eram perseguidas da mesma forma” que os homossexuais masculinos, conclui Huneke, notando que a homossexualidade feminina era “menos ameaçadora” para a sociedade e para o ideal de reprodução da espécie.

E, no fundo, as mulheres teriam também menos importância social, uma vez que não tinham grande participação na vida política activa.

Huneke repara ainda que esta “tolerância” para com as lésbicas reflecte também “as negociações complexas entre repressão e tolerância de que os regimes autoritários dependem”.

SV, ZAP //

1 COMENTÁRIO

  1. (…) “as mulheres teriam também menos importância social”… melhor não ter tanta importância social e não serem perseguidas e mortas do que ter um cargo de visibilidade que conduz à morte. Em todo o caso… mulheres feministas lésbicas (assim como feministas heterosexuais e homens feministas) não podem dizer que foram e são oprimidas e que o machismo é que mata. Só esta notícia esclarece que as mulheres são beneficiadas (uma vez mais) pelo sistema.

RESPONDER

Anacom acaba com campanha de 2GB "oferecidos" no MEO

A polémica campanha do presente envenenado dos 2GB "oferecidos" do MEO parece - finalmente - já ter gerado reclamações suficientes, ao ponto da Anacom ter determinado o fim da campanha nos moldes actuais, e para o …

Austrália vai construir a maior fábrica de energia solar concentrada do mundo

Na Austrália, um novo projecto prepara-se para construir a que será a maior fábrica de energia solar do mundo no modelo "energia solar concentrada com torre única. Quando uma notícia sobre um novo projecto de fábrica …

Vídeo mostra quinto terrorista a ser abatido pela polícia

Imagens divulgadas na Internet e postas a circular por vários jornais espanhóis revelam o momento em que foi abatido o quinto terrorista de Cambrils, em Tarragona, a cerca de 200 quilómetros de Barcelona. Horas depois do …

Câmara do Funchal pode ter "comprometido a investigação" à queda da árvore

A demora do Ministério Público na suspensão das peritagens da Câmara do Funchal à árvore que caiu no Largo da Fonte, matando 13 pessoas, pode ter comprometido a investigação, devido a um possível "desvirtuamento de …

Líder do movimento pela Extinção da Espécie Humana no Porto

O ativista norte-americano Les Knight, fundador do Movimento para a Extinção Voluntária da Espécie Humana, VHEMT, vai ser um dos oradores convidados do Fórum do Futuro, anunciou a Mala Voadora, parceira da organização. A quarta edição …

GalpGate já tem 11 arguidos

A investigação ao caso das viagens pagas a políticos pela Galp para os jogos da seleção portuguesa, em França, no Euro2016, conta já com 11 arguidos, 10 indivíduos e uma empresa, confirmou a Procuradoria Geral …

Javalis com fome e sede invadem praias de Setúbal

O calor extremo está a levar os javalis a banhos nas águas das praias de Setúbal, para surpresa de banhistas e preocupação de elementos da associação Clube da Arrábida que fala num "problema fora de …

Governo tem "tanta culpa de Pedrógão como mérito pela vitória na Eurovisão"

O primeiro-ministro garantiu hoje, em entrevista ao jornal Expresso, que serão apuradas responsabilidades em relação a Pedrógão Grande, mas insistiu que a tragédia em que 64 pessoas morreram “não é o padrão” no desempenho da …

Jovem que estava desaparecida é a segunda vítima mortal portuguesa

O primeiro-ministro, António Costa, confirmou hoje que a rapariga de 20 anos que estava desaparecida após o atentado terrorista de quinta-feira em Barcelona, Espanha, é a segunda vítima mortal portuguesa. A jovem que se encontrava desaparecida …

O supervulcão de Yellowstone está a deformar a superfície da Terra

Desde o dia 12 de junho, a caldeira vulcânica do Parque Nacional de Yellowstone, no Wyoming, Estados Unidos, registou mais de 1500 tremores de terra. O supervulcão do Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, está …