Estudo mostra como era ser lésbica durante a Alemanha Nazi

Bundesarchiv, B 145 Bild-F051673-0059 / CC-BY-SA / Wikimedia

Adolf Hitler e Eva Braun.

Adolf Hitler e Eva Braun.

Uma nova pesquisa realizada na Universidade de Stanford, nos EUA, revela que o regime nazi tinha uma “tolerância limitada” para com a homossexualidade feminina, provavelmente por considerar que as mulheres não tinham tanta importância social como os homens.

O investigador Samuel Clowes Huneke analisou ficheiros da polícia da década de 1940, envolvendo casos de homossexualidade, e chegou à conclusão de que havia “uma existência mais normal na experiência diária de algumas lésbicas no Terceiro Reich”, cita a Universidade de Stanford no seu site.

Os homossexuais homens eram perseguidos, durante o regime nazi, e cerca de 50 mil terão sido condenados nesse período. Destes, entre cinco mil a 15 mil foram enviados para campos de concentração e 60% deles terão morrido, segundo os dados disponíveis.

A Lei incluía a criminalização explícita de actos homossexuais entre homens, mas não tinha referência às mulheres e há, de resto, muito poucos documentos ou referências a lésbicas durante a ditadura de Hitler.

Apesar disso, Huneke encontrou quatro casos de oito mulheres investigadas pela polícia criminal da Alemanha nazi – a Kriminalpolizei ou Kripo -, por acusação de homossexualidade.

O investigador chegou a estes ficheiros pelos arquivos estatais de Berlim, com depoimentos assinados das acusadas e de testemunhas, e apurou que todas tinham sido denunciadas por vizinhos, colegas de trabalho ou familiares.

“Que estas oito mulheres tenham sido denunciadas à polícia criminal de Berlim, no início dos anos 1940, é impressionante só por si, dado o silêncio dos arquivos no que se refere à homossexualidade feminina”, escreve Huneke no artigo científico publicado no Journal of Contemporary History.

O investigador também encontrou anotações de que não haveria indícios suficientes para as condenar.

Ora, “para estudiosos habituados a ver no estado nazi uma selva de jurisdições sobrepostas, de iniciativa pessoal e de lei baseada apenas nos desejos do Führer, este é um retrato curioso do sistema de justiça nazi, marcado por uma inesperada preocupação pela estrita interpretação dos estatutos”, considera ainda Huneke.

O caso de Margot Holzmann, uma lésbica judia que vivia em Berlim, espantou especialmente o investigador. Esta mulher casou, em 1941, com um empregado chinês, passando a deter a nacionalidade chinesa e terá evitado, deste modo, a deportação para um campo de concentração.

Foi o marido que a denunciou quando teve conhecimento do seu caso lésbico, mas a polícia acabou por não fazer nada contra ela.

“É francamente bizarro que a polícia criminal insistisse, em vários documentos, sobre as protecções conferidas a uma lésbica judia alemã em virtude da sua cidadania chinesa”, assinala Huneke na investigação.

Perante estes dados, o investigador não duvida de que havia “um nível de tolerância” para com a homossexualidade feminina no regime.

“O género é, talvez, a razão porque as lésbicas não eram perseguidas da mesma forma” que os homossexuais masculinos, conclui Huneke, notando que a homossexualidade feminina era “menos ameaçadora” para a sociedade e para o ideal de reprodução da espécie.

E, no fundo, as mulheres teriam também menos importância social, uma vez que não tinham grande participação na vida política activa.

Huneke repara ainda que esta “tolerância” para com as lésbicas reflecte também “as negociações complexas entre repressão e tolerância de que os regimes autoritários dependem”.

SV, ZAP //

1 COMENTÁRIO

  1. (…) “as mulheres teriam também menos importância social”… melhor não ter tanta importância social e não serem perseguidas e mortas do que ter um cargo de visibilidade que conduz à morte. Em todo o caso… mulheres feministas lésbicas (assim como feministas heterosexuais e homens feministas) não podem dizer que foram e são oprimidas e que o machismo é que mata. Só esta notícia esclarece que as mulheres são beneficiadas (uma vez mais) pelo sistema.

RESPONDER

O secretário geral da NATO, Jean Stoltenberg

Ciberataque poderá desencadear mecanismo de defesa mútua da NATO

O secretário geral da NATO, Jean Stoltenberg, lembrou esta quarta-feira que um ciberataque pode ser objeto de aplicação do artigo 5 do tratado da NATO e que se está a estabelecer o âmbito "ciber como …

"A Fila" da série de quadros The Vulnerability Series

Artista sírio pinta líderes mundiais como refugiados

E se os grandes líderes mundiais fossem, na verdade, refugiados? Foi assim que o artista sírio Abdalla All Omari os imaginou e mostrou ao mundo. "The Vulnerability Series" é o nome do projeto criado por Abdalla Al …

-

Polícias realizam manifestação nacional contra falta de respostas do Governo

Os polícias realizam esta quarta-feira, em Lisboa, uma manifestação nacional para protestar contra a falta de respostas do Governo às principais reivindicações e demonstrarem indignação pela forma como estão a ser tratados. A manifestação, que vai …

Salvador Sobral atua no Festival Confluências, no Marco de Canaveses

Salvador Sobral pede desculpa por comentário "inoportuno"

O cantor pediu desculpa pelo comentário "inoportuno" que fez, esta terça-feira, durante a atuação no evento solidário "Juntos por Todos", no MEO Arena, em Lisboa, para reforçar o apoio às populações afetadas pelos incêndios. Salvador Sobral …

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa faz sucesso no Facebook dos The Doors

Marcelo Rebelo de Sousa é uma inusitada "estrela" na página oficial da banda The Doors no Facebook. O Presidente de Portugal destaca-se numa imagem que está a fazer sucesso na rede social. "O Presidente de Portugal, …

A Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa

Governo defende SIRESP e culpa PSP e Protecção Civil pela tragédia de Pedrógão Grande

O Governo critica a PSP e a Protecção Civil. A Protecção Civil e os bombeiros falam em falhas no SIRESP. Mas ninguém assume culpas pela tragédia em Pedrógão Grande, onde morreram 64 pessoas num incêndio …

Donald Trump

Revista Time pede a Trump que retire capa "fake" dos seus clubes de golfe

Donald Trump está envolvido em mais uma polémica. Depois de passar tanto tempo a criticar os media por fazerem aquilo a que chama de "notícias falsas", o próprio foi apanhado numa capa falsa da Time …

Imagem retirada do filme E.T., de 1982, do realizador Steven Spielberg

NASA desmente que "vai anunciar brevemente" descoberta de vida extraterrestre

Thomas Zurbuchen, administrador associado e director científico da NASA, clarificou esta segunda-feira nas redes sociais que a agência espacial norte-americana "não tem nenhum anúncio pendente" sobre a descoberta de vida extraterrestre. Num post publicado esta segunda-feira …

O vice-presidente brasileiro, Michel Temer

Temer diz que denúncia contra si é “uma ficção”

O Presidente do Brasil disse, esta terça-feira, numa declaração ao país que a denúncia de corrupção contra si, apresentada na segunda-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral, Rodrigo Janot, é "uma ficção". "A denúncia é …

Edifício do Ministério das Finanças em Lisboa

Mão humana no apagão de 10 mil milhões para offshores "é improvável”

A auditoria da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) concluiu ser "extremamente improvável" que a falha informática que permitiu a saída de dez mil milhões de euros para offshore sem a análise do fisco tenha sido causada …