As estrelas recém-nascidas impedem o nascimento de outros astros vizinhos

O vento estelar das estrelas recém-nascidas na Nebulosa de Órion está a impedir a formação de novas estrelas nas proximidades, de acordo com a NASA.

Segundo um novo estudo, com recurso ao Observatório Estratosférico da NASA para a Astronomia Infravermelha (SOFIA), cujas operações científicas são geridas pela Associação Universitária de Pesquisa Espacial, as estrelas recém-nascidas geram ventos estelares que podem soprar o material necessário para formar novas estrelas.

Isso é surpreendente porque, até agora, os cientistas pensavam que outros processos, como a explosão de estrelas chamadas supernovas, eram responsáveis ​​pela regulação da formação de estrelas.

A Nebulosa de Órion está entre os melhores objetos observados e mais fotografados no céu noturno. É o berçário estelar mais próximo da Terra e ajuda os cientistas a explorar a forma como as estrelas se formam.

Um véu de gás e poeira envolve todo o processo de nascimento da estrela. A luz infravermelha pode atravessar o véu nebuloso, permitindo que observatórios especializados, como o SOFIA, revelem muitos dos segredos da formação de estrelas que, de outra forma, permaneceriam ocultos.

No coração da nebulosa encontra-se um pequeno agrupamento de estrelas jovens, massivas e luminosas. Observações do instrumento da SOFIA revelaram, pela primeira vez, que o forte vento estelar da mais brilhante dessas estrelas bebés, chamado Theta1 Orionis C, varreu uma grande quantidade de material da nuvem onde esta estrela se formou.

“O vento é responsável por soprar uma bolha enorme em redor das estrelas centrais”, explicou Cornelia Pabst, da Universidade de Leiden, na Holanda, e principal autora do artigo. “Isto perturba a nuvem natal e impede o nascimento de novas estrelas.”

Os investigadores usaram o instrumento GREAT para medir a linha espetral – que é como uma impressão digital química – do carbono ionizado. Devido à localização aérea da SOFIA, acima de 99% do vapor de água na atmosfera da Terra que bloqueia a luz infravermelha, os cientistas puderam estudar as propriedades físicas do vento estelar.

Os astrónomos usam a marca espetral para determinar a velocidade do gás em todas as posições através da nebulosa e estudar as interações entre as estrelas massivas e as nuvens onde nasceram. O sinal é tão forte que revela detalhes críticos dos berçários estelares escondidos. Mas esse sinal só pode ser detetado com instrumentos especializados que conseguem estudar luz infravermelha.

No centro da Nebulosa de Órion, o vento estelar forma uma bolha e interrompe o nascimento de estrelas na sua vizinhança. Ao mesmo tempo, empurra gás molecular para as bordas da bolha, criando novas regiões de material denso onde futuras estrelas podem vir a formarse.

Estes efeitos de feedback regulam as condições físicas da nebulosa, influenciam a atividade de formação de estrelas e, em última instância, impulsionam a evolução do meio interestelar, o espaço entre estrelas cheias de gás e poeira.

Entender como a formação de estrelas interage com o meio interestelar é a chave para entender as origens das estrelas que vemos hoje e aquelas que podem vir a formar-se no futuro.

MC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cérebros de pessoas que pintam com os pés revelam uma adaptação neurológica brilhante

https://vimeo.com/361083247 Numa nova investigação que demonstra o quão flexível é o nosso cérebro, cientistas mostraram que os cérebros das pessoas que pintam com os pés estão a mapear os membros inferiores quase como se fossem mãos. No …

Afinal, o universo pode ser 2 mil milhões de anos mais novo do que pensávamos

Novos cálculos sugerem que o universo pode ser dois mil milhões de anos mais novo do que aquilo que se pensava. Contudo, é difícil saber com exatidão a sua verdadeira idade. Os cientistas calculam a idade …

O maior vulcão de uma lua de Júpiter pode estar prestes a entrar em erupção

O maior vulcão de Io, uma das quatro grandes luas de Júpiter, pode estar prestes a explodir. Décadas de observação mostram um ciclo periódico nas erupções deste vulcão. De acordo com o Science Alert, o vulcão …

Crianças e adolescentes são quem mais consome açúcar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve por base o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, concluiu que as crianças e os adolescentes são quem mais consome …

A Rússia já sabe como apareceu a fissura na nave Soyuz (mas não revela)

A Corporação Espacial Estatal da Rússia, Roscosmos, já sabe qual é a origem da fissura encontrada há um ano na nave Soyuz MS-09, acoplada à Estação Espacial internacional. Mas não revelará mais informações. "O buraco foi …

SIVRAC, a bicicleta elétrica que se dobra em apenas um segundo

Com um quadro em forma de "X" e dobrável num estalar de dedos, a nova SIVRAC promete ser uma solução prática para quem viaja, por exemplo, de bicicleta para o trabalho. A bicicleta é um …

Porto 2-1 Young Boys | Dragão de duas faces com estreia feliz

O FC Porto entrou na Liga Europa com o pé direito, ao vencer o Young Boys por 2-1, no Estádio do Dragão. Uma primeira parte de enorme qualidade, na qual os suíços só por uma …

Dois turistas foram apanhados a nadar nus em Veneza. Vão pagar 3 mil euros cada um

Os homens checos estavam em Itália para apoiar a sua equipa de futebol - o Slavia de Praga que jogou contra o Inter em Milão -. Os dois visitantes, em Veneza, decidiram dar um mergulho. Um …

Voar sobre as águas do Sena. Paris testa "bolha do mar", um barco-táxi amigo do ambiente

Paris está a testar um novo meio de transporte mais amigo do ambiente: um barco-táxi ecológico que desliza nas águas do rio Sena. Esta semana, o sea bubble (bolha do mar) está em testes no rio …

Há uma "Matilde" na Bélgica que também precisa do medicamento mais caro do mundo

Mais de 950 mil belgas responderam ao apelo de um casal, que precisava de reunir 1,9 milhões de euros para comprar o medicamento mais caro do mundo para a filha. Pia, de nove meses, sofre de …