Estivadores alemães tramam Autoeuropa

André Areias / Lusa

Os estivadores na Alemanha estão solidários com os trabalhadores de Setúbal e a dificultar escoamento dos novos veículos produzidos em Portugal.

A Autoeuropa pode vir a enfrentar novos problemas em torno da produção dos seus veículos. A falta de motores já obrigou a fábrica de Palmela a abrandar e a refuzir a sua laboração nos dias 9 e 22 de dezembro e a uma paragem coletiva de 23 de dezembro até 3 de janeiro de 2019, pois os componentes vêm de dois fornecedores europeus, um na Polónia e outro na Alemanha – mas o material não está a chegar a Portugal.

De acordo com o Jornal i, a par da rutura do stock, a Autoeuropa enfrenta ainda problemas relacionados com o escoamento dos seus veículos, já que os estivadores do porto de Setúbal – que continuam em greve – estão a receber o apoio dos trabalhadores da Autoterminal e da Volkswagen em Emden, na Alemanha, que fazem a distribuição do que é produzido no mercado nacional.

O problema agrava-se porque os trabalhadores portuários alemães também não carregam os navios com os motores que têm como destino a fábrica de Palmela – daí os problemas com o stock.

A Federação Internacional dos Trabalhadores de Transporte apelou aos estivadores alemães para se mobilizarem em favor da luta dos estivadores de Setúbal contra a precariedade, pedido que foi atendido, uma vez que os trabalhadores dificultaram o descarregamento dos veículos enviados pelo navio fantasma.

O Paglia foi o navio que se deslocou ao porto de Setúbal para embarcar mais de dois mil veículos produzidos na Autoeuropa, em Palmela, destinados ao porto de Emden, e que estavam parqueados no terminal ro-ro do porto de Setúbal, acumulados por falta do normal escoamento para exportação devido à paralisação dos estivadores. O embarque foi feito com recurso a trabalhadores externos ao porto de Setúbal.

A nova decisão de paragem surgiu depois de a fábrica ter parado no dia 22 de novembro também devido à falta de peças, que ficaram bloqueadas em França, devido aos protestos dos “coletes amarelos”. Nesse dia, a opção foi suspender o turno da noite para que o das sete da manhã pudesse decorrer sem perturbações.

As alternativas da Autoeuropa

Com estas dificuldades de escoamento a partir de Setúbal, a Autoeuropa tem-se virado para o norte do país: o porto de Leixões, de onde já foram enviados 700 veículos.

“Este novo serviço será uma mais-valia para Leixões e para o país, que verá reforçada a sua capacidade exportadora, como para a Autoeuropa, que encontra no nosso porto uma opção eficiente para escoar os seus automóveis”, referiu a administração portuária.

Segundo a mesma, a infraestrutura portuária “estará até ao final de 2018 capacitada para parquear cinco mil automóveis”, um reforço que visa dar “resposta às necessidades de exportação de automóveis”.

Leixões é o principal porto do país em movimentação de carga roll-on/roll-off, “serviço necessário à movimentação de veículos na área portuária”. Em 2017, o segmento de carga cresceu 18%, registando um movimento de um milhão de toneladas de mercadoria.

Produção em máximos

Estes entraves surgem numa altura em que a Autoeuropa admitiu que a meta de produção a atingir até final do ano deverá rondar os 250 mil veículos.

Segundo as contas da administração, a fábrica de Palmela já produziu este ano um “volume histórico” de quase 140 mil unidades devido ao sucesso do lançamento do novo SUV e à boa aceitação que o mercado continua a ter em relação aos outros veículos, incluindo o Volkswagen Sharan e o SEAT Alhambra. Só em 1998 tinha sido atingido um recorde, ao terem sido produzidos quase 139 mil veículos.

Segundo os dados de 2017, o peso das vendas da Autoeuropa nas exportações de bens de Portugal foi de 3,4%, valor que aumenta para 12,3% se consideradas apenas as exportações da Área Metropolitana de Lisboa, onde está integrado o distrito de Setúbal.

De acordo com a previsão da Autoeuropa, que prevê uma duplicação das vendas, isso significaria que as exportações de bens portugueses cresceriam 3,4% e que o peso nas exportações aumentaria para 6,6%.

Porto de Setúbal pode deixar de ser viável

Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, está confiante num desfecho positivo das negociações que está a mediar entre estivadores e administração portuária em Setúbal, mas deixa um aviso: Portugal já está a perder quota para os portos espanhóis.

“Se continuarmos por este caminho, o Porto de Setúbal deixará de ser viável e ficarão postos de trabalho em causa, empregos diretos e indiretos. Estamos a fazer o nosso melhor para mediar. Mas estamos a tomar as medidas necessárias para que os outros portos nacionais possam receber todas as cargas que eram até agora movimentadas em Setúbal”, disse em entrevista ao Público.

Segundo a ministra, “não é aceitável que exista um tão elevado número de trabalhadores eventuais e que uma infraestrutura como aquela, que serve de suporte para as exportações, prejudique as empresas”.

“Julgo que a solução está mais perto do que se possa pensar. Tem de ser um acordo que acabe com a precariedade completamente desregulada no Porto de Setúbal. Existe um acordo de princípio quanto ao número de pessoas a admitir”, diz.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo "devolve" 59 milhões em TSU às empresas para compensar aumento do salário mínimo

O Governo vai "compensar" as empresas em aproximadamente 59,2 milhões de euros devido ao aumento do salário mínimo nacional, estimou o ECO, tendo por base os dados avançados pelo Executivo aos parceiros sociais. De acordo com …

Decisões tardias, jogos políticos ou desinformação. Por que razão a República Checa não está a conseguir fugir da pandemia

Numa altura em que vários países da Europa começam a pensar em desconfinar, o oposto acontece na República Checa. O país já ultrapassou as 20 mil mortes e volta a entrar num novo confinamento. Mas …

Ministério Público abre inquérito para averiguar adjudicações de vereador de Coimbra

A Procuradoria-Geral da República afirmou esta terça-feira que instaurou um inquérito para averiguar as alegadas adjudicações feitas pelo vereador Jorge Alves, que renunciou ao cargo, nos Transportes Urbanos de Coimbra a uma empresa detida pelo …

Reino Unido. Dados sobre assassinos e violadores não foram enviados para a UE

A condenação no Reino Unido de 109 assassinos, 81 violadores e um indivíduo que cometeu ambos os crimes não foi transmitida aos países da União Europeia (UE) devido a uma falha informática e ao consequente encobrimento …

Vaga de frio no Texas. Mulher processa empresa de energia depois de receber conta de 9.000 dólares

Uma mulher residente no estado do Texas, nos Estados Unidos, avançou com uma ação coletiva de mil milhões de dólares contra o seu fornecedor de energia depois de a empresa apresentar uma conta de eletricidade …

Sérgio Conceição elogia SC Braga e fala de pessoas "subservientes" que querem "tachinhos"

Na antevisão do jogo com o SC Braga, marcado para esta quarta-feira, a contar para a segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, Sérgio Conceição referiu-se a algumas incidências do último dérbi, mostrou-se desagradado …

Arábia Saudita. Repórteres sem Fronteiras pedem acusação do príncipe herdeiro pela morte de Khashoggi

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) entrou com uma ação judicial na Alemanha, na qual pede a acusação do príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman por crimes contra a humanidade, incluindo o assassinato do jornalista …

População prisional reduziu 18% nos últimos quatro anos

A ministra da Justiça salientou hoje que, nos últimos quatro anos, a população prisional baixou de 13.779, no final de 2016, para 11.300 no final de 2020, o que traduz uma redução de cerca de …

"A rebeldia de João Félix". Imprensa espanhola destaca o temperamento do avançado

João Félix volta a ser o centro das atenções da imprensa desportiva espanhola, depois de na última jornada da La Liga o internacional português celebrar o seu golo com recurso a alguns palavrões em direção …

Debaixo de fogo devido a comparações a Hitler, Amazon altera ícone da sua aplicação

A Amazon mudou o novo logótipo da sua aplicação de smartphone depois de várias vozes críticas terem comparado a imagem ao ditador alemão Adolf Hitler. A gigante do comércio eletrónico lançou o novo ícone em janeiro …