Está menos produtivo nas reuniões de trabalho? A culpa pode ser do fator videochamada

Estudo científico parte do pressuposto de que quando as pessoas estão mais concentradas num ecrã, como acontece nas videochamadas, tendem a ser mais criativas quando não estão a concentrar-se muito em algo.

As videochamadas podem prejudicar as ideias criativas do que as reuniões presenciais, segundo os psicólogos americanos – mas podem ser mais eficazes para encontrar as melhores ideias. De facto, aparecimento das videochamadas, exacerbado pela pandemia, permitiu que muitas pessoas trabalhassem de forma mais flexível e segura, numa altura em que a covid-19 atormentava o mundo. No entanto, são notórias as diferenças entre as reuniões virtuais e as físicas.

De acordo com um artigo publicado na revista Nature, as pessoas são menos eficazes na apresentação de ideias criativas em videochamadas ou conferência, em oposição às reuniões presenciais. Os investigadores realizaram uma série de experiências, primeiro com 602 voluntários para um estudo em laboratório nos EUA e depois com 1.490 engenheiros de uma empresa internacional de telecomunicações, com escritórios na Europa, no Médio Oriente e no Sul da Ásia.

Os participantes foram emparelhados, presencialmente ou virtualmente, tendo-lhes sido pedido para apresentar ideias de produtos para uma empresa, com base num estímulo. Posteriormente, também lhes foi pedido que apresentassem a ideia “mais criativa” como uma inovação de produto para uma empresa, descreve a Cosmos Magazine.

Os investigadores solicitaram então a dois estudantes universitários que avaliassem cada ideia com base na sua novidade, atribuindo a cada ideia uma pontuação para a criatividade. Os pares presenciais apresentaram consistentemente mais ideias, mas também as mais criativas. No entanto, ao escolher a ideia a submeter, esta vantagem desapareceu.

Os investigadores sugerem que a razão para isto tem que ver com o foco: as pessoas estão mais concentradas num ecrã nas videochamadas e os indivíduos tendem a ser mais criativos quando não estão a concentrar-se muito em algo. Esta conclusão corresponde a dados sobre o movimento dos olhos e o olhar em reuniões virtuais.

“Os nossos resultados indicam que existe uma vantagem cognitiva única na colaboração presencial, que poderia informar a concepção de políticas de trabalho remoto”, escrevem os autores no seu artigo.

“No entanto, ao determinar a utilização ou não de equipas virtuais, muitos factores adicionais entram necessariamente na equação, tais como o custo das deslocações e dos bens imóveis, o potencial para expandir a reserva de talentos e as dificuldades na gestão do fuso horário e das diferenças culturais regionais“.

Num vídeo de acompanhamento, a autora principal, Melanie Brucks, investigadora em marketing na Universidade de Columbia, EUA, sugere que embora esta ideia ainda não tenha sido testada, desligar a câmara durante uma sessão de reunião de ideias à distância pode proporcionar mais benefícios cognitivos.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.