Está acabar o ingrediente mais importante para a exploração espacial: o plutónio

NASA

Lançamento do Skylab a partir do Kennedy Space Center da NASA, no Cabo Canaveral, na Florida, EUA, 4 de Maio de 1973

É muito difícil para os nossos cérebros interpretar com exatidão as distâncias do universo. Por mais perto que os planetas do sistema solar estejam, quando comparados com outras estrelas, galáxias e exoplanetas ainda estão muito longe. E muitas vezes, são muito frios e remotos para que qualquer nave espacial os explore usando apenas a energia solar.

A boa notícia é que existe o plutónio-238: um radioisótopo (ou uma forma radioativa de um elemento) cuja energia pode ser convertida em eletricidade. Quando colocado dentro de dispositivos chamados fontes de energia de radioisótopos (RPS), o plutónio-238 pode sustentar as missões mais épicas da NASA durante décadas.

O problema é que a maior parte do plutónio-238 foi forjada durante a Guerra Fria, e o material preparado para as missões pode estar esgotado dentro de oito anos, de acordo com um relatório do Escritório Governamental de Prestação de Contas dos EUA.

O Departamento de Energia americano está a trabalhar para criar mais plutónio para a NASA, mas segundo o relatório, problemas com o programa “podem comprometer a capacidade da NASA de usar RPS como fonte de energia para futuras missões”.

Os radioisótopos são poderosas fontes de combustível tudo-em-um. À medida que se deterioram e se transformam em novos elementos, libertam quantidades impressionantes de energia. Esse calor pode aquecer circuitos robóticos frágeis e executar fontes de energia compactas, leves e capazes de fornecer eletricidade durante décadas.

Mas dos cerca de 2.900 tipos de radioisótopos conhecidos pela humanidade, apenas 22 são capazes de alimentar uma sonda de espaço profundo, de acordo com um estudo de 2009 das Academias Nacionais de Ciências. E 21 deles possuem muitos desafios para serem de uso prático, uma vez que muitos são muito caros, emitem muita radiação perigosa para trabalhar ou não emitem calor suficiente.

O único que preenche todos os requisitos da NASA é o plutónio-238. E, ao contrário do seu isótopo irmão Pu-239, o Pu-238 não pode ser transformado em bombas nucleares explosivas.

É como um isótopo mágico. É apenas certo“, diz Jim Adams, responsável da NASA. Parte do segredo do Pu-238 é que a sua meia-vida – o tempo necessário para metade de qualquer quantidade do isótopo decair – é de 87,7 anos. Isso significa que dentro de um século, qualquer quantidade emitirá pouco menos da metade do calor que emite hoje.

Isso é importante porque o tempo é uma batalha no espaço.

A longa vida de Pu-238 é a razão pela qual a NASA ainda pode conversar com as sondas Voyager 40 anos depois de terem sido lançadas e já estarem fora do sistema solar.

Os engenheiros têm muitas outras maneiras de alimentar sondas de ciência planetária, incluindo baterias, células de combustível, energia solar e até mesmo reatores nucleares. Mas todos os estudos têm colocao o plutónio-238 como a melhor escolha por uma longa lista de razões.

A maior delas é a falta de espaço em foguetes. Excesso de massa ou peso pode tornar a missão inviável, pelo que, se uma fonte de energia é muito grande ou pesada, os cientistas devem sacrificar as ferramentas e capacidades de um robô.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Está-se a tornar a situação complicada aqui na Terra com os políticos e fabricantes de armamento tão empenhados em destruir todo este belo planeta andam outros à procura de novos mundos longínquos e inóspitos e os meios para tal a acabarem-se.

RESPONDER

Físicos produziram o campo magnético mais forte e controlável de sempre

Um grupo de cientistas do Instituto de Física do Estado Sólido da Universidade de Tóquio, no Japão, produziu o campo magnético mais forte e controlável já criado em ambientes fechados - é um macro para …

"Impossível" puzzle químico do ouro foi finalmente resolvido

Uma equipa de cientistas russos e alemães conseguiu decifrar o segredo da estabilidade da estrutura cristalina do calaverita (AuTe2) - um raro mineral metálico também conhecido como telúrio de ouro. A descoberta, publicada nesta terça-feira na …

Há caranguejos mutantes e zangados a invadir a costa dos EUA (e são verdes)

Uma espécie agressiva de caranguejo verde está a invadir as águas do estado norte-americano de Maine, deixando um rasto de destruição nos habitats e ecossistemas aquáticos. Os caranguejos (Carcinus maenas) ameaçam várias espécies, como mexilhões azuis, …

Porsche quer ser a primeira fabricante alemã a deixar o diesel

A Porsche quer tornar-se a primeira fabricante automobilística alemã a deixar o diesel, apostando em motores a gasolina, híbridos e, a partir de 2019, em veículos elétricos, anunciou este domingo o presidente executivo da empresa. "Agora …

Viver nas cidades aumenta risco de demência (e a culpa é da poluição)

Viver na cidade influencia a nossa saúde. Segundo um estudo recente, a poluição do ar pode aumentar em 40% o risco de desenvolver demência. O impacto da poluição do ar na nossa saúde já era conhecido, …

Finalmente resolvido o mistério do assassino de gatos em Londres

Um dos mistérios criminais que intrigava a Inglaterra está finalmente resolvido. A conclusão é que, afinal, o famoso assassino de gatos de Croydon não existe. O mistério à volta da morte de mais de 400 gatos …

Benfica - Aves | Triunfo de águia exuberante e perdulária

O Benfica respondeu ao triunfo do FC Porto no sábado com uma vitória caseira sobre o Desportivo das Aves, por 2-0. O resultado pode indicar algumas dificuldades por parte da formação “encarnada”, mas pode-se dizer, sem …

Aquecimento global no Pleistoceno elevou nível do mar até 13 metros

O aquecimento global no final do período do Pleistoceno, com temperaturas similares às previstas para este século, reduziu a camada de gelo da Antártida oriental e elevou o nível do mar até 13 metros acima …

Autor dos mais famosos estudos sobre comida viu 13 artigos retirados

O famoso investigador norte-americano está envolvido numa polémica, depois de 13 dos seus estudos científicos terem sido retirados de algumas publicações. É provável que nunca tenha ouvido falar de Brian Wansink mas, tal como recorda o …

NASA observa movimentos tectónicos recentes em Marte

A sonda Mars Express da NASA observou fissuras proeminentes em Marte causadas devido à ação de falhas tectónicas que atingiram a superfície do planeta há menos de dez milhões de anos. As imagens foram capturadas …