A espécie que vai dominar a Terra quando os humanos morrerem pode ainda nem existir

Com uma possível extinção dos seres humanos, a espécie que poderá vir a assumir o domínio da Terra é ainda uma incógnita. Cientistas especulam que a espécie pode ainda nem existir.

Num futuro pós-apocalíptico, o que poderia acontecer à vida na Terra se os humanos saíssem de cena? Afinal de contas, é muito provável que os humanos desapareçam muito antes de o sol exterminar todos os seres vivos da Terra.

Assumindo que não extinguiremos todas as outros seres vivos à medida que desaparecermos, a história diz-nos que podemos esperar grandes mudanças quando os seres humanos deixarem de ser as espécies animais dominantes do planeta.

Contudo, a dúvida permanece sobre que espécie viria a assumir o controlo da Terra 50 milhões de anos depois do nosso desaparecimento. Antes de qualquer suposição, é preciso explicar cuidadosamente o que significa ser uma espécie dominante.

O mundo sempre foi dominado por bactérias, apesar do fim nominal da “era dos micróbios” ter sido há cerca de 1,2 mil milhões de anos. Isto não aconteceu porque as bactérias deixaram de existir, ou diminuíram em prevalência, mas sim porque tendemos a dar mais importância aos grandes organismos multicelulares que vieram depois.

Alguns relatos indicam que quatro em cada cinco animais é um nematóide (uma espécie de lombriga). Portanto, fica claro que nem a prevalência, abundância ou diversidade são requisitos principais para ser uma forma de vida “dominante”.

Há um inegável narcisismo dos humanos ao designar uma espécie dominante e uma forte tendência a atribuir o título a parentes próximos. O filme “Planeta dos Macacos” imagina que os nossos parentes primatas mais próximos poderiam começar a falar e adotar a nossa tecnologia se lhes dermos tempo e espaço para fazê-lo.

No entanto, é improvável que as sociedades de primatas herdem o nosso domínio da Terra, uma vez que os macacos provavelmente nos precederão à extinção. Os humanos já são o único hominídeo vivo em que o status de conservação não está ameaçado. Aliás, qualquer evento de extinção que afete os seres humanos provavelmente será mais perigoso para os organismos que compartilham os nossos requisitos fisiológicos básicos.

Será que outro parente mais distante desenvolverá inteligência semelhante à humana? Isso também parece improvável. De todas as espécies que foram indiscutivelmente animais dominantes em alguma altura da história da Terra, os seres humanos estão sozinhos na sua notável inteligência e destreza manual.

É um erro profundo imaginar que os nossos sucessores provavelmente sejam criaturas especialmente inteligentes ou sociais, ou que sejam capazes de falar ou de usar a tecnologia humana.

Então, o que podemos seguramente especular sobre as espécies dominantes 50 milhões de anos depois da humanidade? A resposta é tanto insatisfatória quanto emocionante: se por um lado estamos razoavelmente confiantes de que não será um chimpanzé falante, por outro lado não temos ideia de como será.

O mundo passou por várias extinções em massa ao longo da sua história e a diversificação da vida após cada evento foi relativamente rápida. Os répteis que sobreviveram à extinção do Permiano, há cerca de 250 milhões de anos, que matou 90% das espécies marinhas e 70% das terrestres, não eram propriamente mais dominantes do que os dinossauros.

Stephen J. Gould argumentou que o acaso, ou contingência, como o próprio lhe chamou, desempenhou um grande papel durante as principais transições da vida animal. No entanto, a perceção de Gould de que dificilmente podemos prever o sucesso de linhagens modernas além de uma extinção futura é um lembrança da complexidade das transições evolucionárias.

Assim, embora seja possível que, como muitos especulam, as formigas tomem conta da Terra, só podemos imaginar como serão as descendentes de formigas dominantes.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Esta notícia é falsa! Toda a gente sabe que a espécie que cá ficará depois será o Eu!
    Primeiro destrói a humanidade, depois fica por cá sozinho.

RESPONDER

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …

Rússia quer ultrapassar Tom Cruise e ser a primeira a gravar um filme no Espaço

O ator Tom Cruise quer rodar um filme no Espaço, mas a Rússia quer ser a primeira, de acordo com um comunicado da agência espacial Roscosmos. Os Estados Unidos e a Rússia são, novamente, os protagonistas …

Os animais perdem o medo dos predadores depois de contactarem com o Homem

Uma nova investigação concluiu que os animais selvagens perdem rapidamente o medo dos seus predadores depois de entrarem em contacto com o Homem. A maioria dos animais selvagens, como é o caso dos leões, exibe …

Há mais 884 casos confirmados e oito óbitos por covid-19 em Portugal

De acordo com o último boletim divulgado epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista, este sábado, mais oito óbitos e 884 novos casos de infeção pelo novo coronavírus. Assim, Portugal contabiliza, desde o início da …

Negros norte-americanos estão a comprar armas em valores recorde

O número de afro-americanos a comprar armas aumentou drasticamente. Em causa, estará uma resposta ao agravar das tensões sociais no país devido ao movimento Black Lives Matter. Nos Estados Unidos, os protestos do movimento Black Lives …