/

Especialistas do Deutsche Bank detetaram atividades suspeitas em contas de Trump e do genro

1

Donald Trump com Benjamin Netanyahu e Jared Kushner

Especialistas em lavagem de dinheiro no Deutsche Bank suspeitaram de múltiplas transações envolvendo entidades legais controladas pelo Presidente dos EUA, Donald Trump, e pelo genro, Jared Kushner, em 2016 e 2017. 

A notícia foi avançada este domingo pelo jornal The New York Times. Os especialistas recomendaram que o assunto fosse encaminhado para uma unidade do Departamento do Tesouro que fiscaliza crimes financeiros, mas os executivos do banco rejeitaram o conselho.

Em resultado, nunca se deu seguimento aos “relatórios de atividades suspeitas” elaborados por membros da equipa de compliance sobre as transações de Trump e Kushner.

Um porta-voz do banco alemão, reagindo à reportagem, esclareceu que “em momento algum um investigador foi impedido de fazer avançar informações de atividade identificada como potencialmente suspeita”. “Aumentámos a nossa equipa de combate ao crime financeiro, reforçámos nos últimos anos os nossos controlos e levamos muito a sério o cumprimento da legislação contra a lavagem de dinheiro”, acrescentou o Deutsche Bank, citado pela Bloomberg.

A reportagem assinala que algumas das transações em causa envolveram várias transferências de dinheiro entre entidades estrangeiras ou indivíduos. Antigos funcionários do banco, que emprestou largas quantias de dinheiro a empresas de Trump e Kushner, disseram ao The New York Times que a decisão de não reportar as transações reflete a indiferença do Deutsche Bank relativamente à lavagem de dinheiro e o seu foco em proteger as relações com clientes importantes.

Tammy McFadden, uma ex-funcionária do banco, alega ter sido despedida no ano passado depois de manifestar a sua preocupação com as práticas do banco. McFadden já apresentou reclamações junto da Comissão de Valores Mobiliários e de outros órgãos reguladores.

“A sugestão de que alguém foi transferido ou despedido num esforço de anular preocupações relativas a qualquer cliente é categoricamente falsa”, reagiu ainda o Deutsche Bank.

Representantes da Trump Organization disseram ao jornal que a empresa não tinha conhecimento de quaisquer transações sinalizadas com aquele banco. Por sua vez, um representante da Kushner Companies referiu que quaisquer alegações sobre lavagem de dinheiro são inventadas e falsas.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.