Debate em Espanha. Sánchez pisca o olho ao eleitorado do Ciudadanos e desconsidera o Podemos

Kiko Huesca / EPA

Pedro Sánchez, líder do PSOE

Agastado com as tentativas fracassadas de governar com o acordo de Pablo Iglesias, o primeiro-ministro espanhol tentou na segunda-feira seduzir o eleitorado do Ciudadanos, que deverá ser o partido mais penalizado nas eleições de domingo. Num debate histórico, houve confrontos à esquerda e à direita e sobrou uma quase-certeza: o impasse deverá continuar.

“Sánchez procura o centro num debate sem saídas para o bloqueio”, escreveu o El País, citado pelo Expresso, acrescentando que o primeiro-ministro espanhol em funções “endurece as suas propostas contra a independência da Catalunha e evita qualquer piscadela de olho ao Podemos”.

Já o El Mundo titulou “Pedro Sánchez finge dureza mas não renega os independentistas”, segundo o qual “são poucas as possibilidades de começar 2020 com um Governo estável”.

O La Vanguardia puxou para título “O bloqueio impõe-se no debate eleitoral” e, em três subtítulos sucessivos, desenvolveu: “Sánchez mantém distância em relação a Iglesias e evita comprometer-se com uma coligação de esquerdas”, “As direitas enfrentam-se pelo mesmo eleitorado, com Casado a oferecer-se como alternativa”, “A crise catalã converte-se em arma de arremesso que condicionará a investidura”.

Estas são algumas das análises ao debate de segunda-feira em Madrid, no arranque de uma semana que terminará no domingo com as quartas eleições legislativas em quatro anos. Mas houve pontos de convergência: foi um debate histórico porque a extrema-direita marcou presença pela primeira vez, através do Vox, e porque houve um recorde de cinco candidatos (todos homens) em palco.

Além disso, a crise na Catalunha marcou o debate e irá seguramente marcar a próxima legislatura – e o caminho até ela, que parece com tantas ou mais incertezas do que o que saiu das eleições de 28 de abril.

ZIPI / EPA

O primeiro-ministro espanhol e líder do PSOE, Pedro Sánchez, com o líder do Podemos, Pablo Iglesias

Como noticiou a agência Lusa, no único debate entre os líderes dos cinco principais partidos políticos espanhóis, Pedro Sanchéz disse que o partido, se vencer as eleições de domingo, vai propor a alteração do Código Penal no sentido de proibir os referendos nas regiões autónomas.

Pedro Sánchez considera que a crise na Catalunha é de “convivência e não é uma crise de independência”, e apresentou três medidas a aplicar no futuro, como a proibição da realização de referendos (ilegais), e a adoção de uma disciplina no currículo escolar sobre valores civis e valores éticos.

Outra das medidas propostas pelo líder do PSOE diz respeito às televisões locais (“entidades audiovisuais”) que, segundo Pedro Sánchez, devem ser aprovadas por dois terços dos parlamentos autonómicos para evitar a manipulação da informação.

Em resposta, Pablo Casada (PP) e o líder da extrema-direita (Vox), Santiago Abascal, recordaram que foi o antigo primeiro-ministro socialista José Rodríguez Zapatero quem eliminou a lei que “penalizava a realização de referendos”.

O dirigente do partido Ciudadanos, o catalão Albert Ribera, exibiu um bloco de cimento para se referir aos confrontos na Catalunha. “Isto não é um pedaço do Muro de Berlim, é um bloco lançado às autoridades em Barcelona”, disse, responsabilizando o PSOE e o PP pela situação de violência na Catalunha.

Sánchez em busca do voto do Ciudadanos

No início do debate televisivo, o primeiro-ministro em funções, Pedro Sánchez, propôs um pacto para que o partido mais votado governe em minoria, referiu o Expresso.

Mas o que transpira verdadeiramente do debate, de acordo com o El País, é que já não há dois blocos que lutam por vencer as eleições: Pedro Sánchez retirou-se do eixo da esquerda para intensificar a batalha ao centro, em busca do voto órfão do Ciudadanos.

Segundo uma sondagem divulgada na segunda-feira pelo El Mundo, o Ciudadanos é o partido que mais deverá sofrer no domingo, caindo da terceira posição (conquistada em abril) para a quinta. O PSOE de Pedro Sánchez espera conseguir chamar a si os votos perdidos pelo partido de Albert Rivera e conquistar os 140 assentos parlamentares.

Pedro Sánchez acusou o PP, de Pablo Casado, de ter sido brando ao “deixar escapar [Carles] Puigdemont” – ex-presidente do Governo da Catalunha que se autoexilou na Bélgica – e ao permitir “que se fizessem dois referendos”.

A direita troçou de Pedro Sánchez por este estar a entrar no seu terreno de combate, enquanto Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos, o instava a não procurar a direita “ignorante e agressiva” e a assumir que o problema catalão só será resolvido com diálogo.

O confronto entre Pablo Casado e Albert Rivera também foi duro, ao ponto de o líder dos populares ter referido dois conselheiros catalães do PP, mortos às mãos da ETA, para pedir ao líder do Ciudadanos que parasse de “lhe dar lições”.

Alejandro Garcia / EPA

Albert Rivera, dirigente do Ciudadanos

Já o líder do Vox, Santiago Abascal, criticou todos e prometeu ilegalizar os partidos independentistas e prender Quim Torra, atual presidente da Generalitat, o Governo da Catalunha.

Governo de coligação só parece possível à direita

Pablo Iglesias, que protagonizou com Santiago Abascal outro dos momentos tensos da noite por causa da Guerra Civil, insistiu num acordo à esquerda através de uma coligação. Foram, de resto, a sua insistência num Governo de coligação e a insistência de Pedro Sánchez num Executivo socialista, com o apoio do Podemos, que inviabilizaram a investidura e abriram caminho a novas eleições.

Apesar dos duros golpes que desferiram, os partidos da direita parecem dispostos a somar os assentos parlamentares que conseguirem para governarem em coligação – se necessário, com o apoio do Vox, como já acontece em várias comunidades. Um acordo de coligação à esquerda parece cada vez mais improvável.

De acordo com a sondagem do El Mundo, apenas dez assentos parlamentares separam a esquerda da direita e ainda há 35% de eleitores indecisos. Uma aliança entre o PSOE e o PP seria a única capaz de garantir estabilidade parlamentar, somando mais de 200 deputados, referiu o Expresso.

Os socialistas surgem com 27,9% nas intenções de voto e a possibilidade de elegerem entre 118 e 126 deputados, os populares com 20,3% e entre 89 e 97 assentos parlamentares. O Unidas Podemos deverá tornar-se a terceira força política, com 13,5% e entre 35 e 40 deputados, e o Vox a quarta, com 13,2% e entre 39 e 44 deputados. O Ciudadanos deverá cair para a quinta posição, com 8,9% nas intenções de voto e a possibilidade de eleger entre 16 e 19 deputados.

Nas eleições de abril, o PSOE foi o partido mais votado mas ficou longe da maioria absoluta, não tendo conseguido o apoio suficiente para continuar a governar. Para ser investido, o Congresso dos Deputados, a câmara baixa das Cortes Gerais espanholas, tem de votar o novo Executivo com mais de metade dos deputados (175 num total de 350), numa primeira votação, ou então por maioria simples numa segunda votação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …