Debate em Espanha. Sánchez pisca o olho ao eleitorado do Ciudadanos e desconsidera o Podemos

Kiko Huesca / EPA

Pedro Sánchez, líder do PSOE

Agastado com as tentativas fracassadas de governar com o acordo de Pablo Iglesias, o primeiro-ministro espanhol tentou na segunda-feira seduzir o eleitorado do Ciudadanos, que deverá ser o partido mais penalizado nas eleições de domingo. Num debate histórico, houve confrontos à esquerda e à direita e sobrou uma quase-certeza: o impasse deverá continuar.

“Sánchez procura o centro num debate sem saídas para o bloqueio”, escreveu o El País, citado pelo Expresso, acrescentando que o primeiro-ministro espanhol em funções “endurece as suas propostas contra a independência da Catalunha e evita qualquer piscadela de olho ao Podemos”.

Já o El Mundo titulou “Pedro Sánchez finge dureza mas não renega os independentistas”, segundo o qual “são poucas as possibilidades de começar 2020 com um Governo estável”.

O La Vanguardia puxou para título “O bloqueio impõe-se no debate eleitoral” e, em três subtítulos sucessivos, desenvolveu: “Sánchez mantém distância em relação a Iglesias e evita comprometer-se com uma coligação de esquerdas”, “As direitas enfrentam-se pelo mesmo eleitorado, com Casado a oferecer-se como alternativa”, “A crise catalã converte-se em arma de arremesso que condicionará a investidura”.

Estas são algumas das análises ao debate de segunda-feira em Madrid, no arranque de uma semana que terminará no domingo com as quartas eleições legislativas em quatro anos. Mas houve pontos de convergência: foi um debate histórico porque a extrema-direita marcou presença pela primeira vez, através do Vox, e porque houve um recorde de cinco candidatos (todos homens) em palco.

Além disso, a crise na Catalunha marcou o debate e irá seguramente marcar a próxima legislatura – e o caminho até ela, que parece com tantas ou mais incertezas do que o que saiu das eleições de 28 de abril.

ZIPI / EPA

O primeiro-ministro espanhol e líder do PSOE, Pedro Sánchez, com o líder do Podemos, Pablo Iglesias

Como noticiou a agência Lusa, no único debate entre os líderes dos cinco principais partidos políticos espanhóis, Pedro Sanchéz disse que o partido, se vencer as eleições de domingo, vai propor a alteração do Código Penal no sentido de proibir os referendos nas regiões autónomas.

Pedro Sánchez considera que a crise na Catalunha é de “convivência e não é uma crise de independência”, e apresentou três medidas a aplicar no futuro, como a proibição da realização de referendos (ilegais), e a adoção de uma disciplina no currículo escolar sobre valores civis e valores éticos.

Outra das medidas propostas pelo líder do PSOE diz respeito às televisões locais (“entidades audiovisuais”) que, segundo Pedro Sánchez, devem ser aprovadas por dois terços dos parlamentos autonómicos para evitar a manipulação da informação.

Em resposta, Pablo Casada (PP) e o líder da extrema-direita (Vox), Santiago Abascal, recordaram que foi o antigo primeiro-ministro socialista José Rodríguez Zapatero quem eliminou a lei que “penalizava a realização de referendos”.

O dirigente do partido Ciudadanos, o catalão Albert Ribera, exibiu um bloco de cimento para se referir aos confrontos na Catalunha. “Isto não é um pedaço do Muro de Berlim, é um bloco lançado às autoridades em Barcelona”, disse, responsabilizando o PSOE e o PP pela situação de violência na Catalunha.

Sánchez em busca do voto do Ciudadanos

No início do debate televisivo, o primeiro-ministro em funções, Pedro Sánchez, propôs um pacto para que o partido mais votado governe em minoria, referiu o Expresso.

Mas o que transpira verdadeiramente do debate, de acordo com o El País, é que já não há dois blocos que lutam por vencer as eleições: Pedro Sánchez retirou-se do eixo da esquerda para intensificar a batalha ao centro, em busca do voto órfão do Ciudadanos.

Segundo uma sondagem divulgada na segunda-feira pelo El Mundo, o Ciudadanos é o partido que mais deverá sofrer no domingo, caindo da terceira posição (conquistada em abril) para a quinta. O PSOE de Pedro Sánchez espera conseguir chamar a si os votos perdidos pelo partido de Albert Rivera e conquistar os 140 assentos parlamentares.

Pedro Sánchez acusou o PP, de Pablo Casado, de ter sido brando ao “deixar escapar [Carles] Puigdemont” – ex-presidente do Governo da Catalunha que se autoexilou na Bélgica – e ao permitir “que se fizessem dois referendos”.

A direita troçou de Pedro Sánchez por este estar a entrar no seu terreno de combate, enquanto Pablo Iglesias, líder do Unidas Podemos, o instava a não procurar a direita “ignorante e agressiva” e a assumir que o problema catalão só será resolvido com diálogo.

O confronto entre Pablo Casado e Albert Rivera também foi duro, ao ponto de o líder dos populares ter referido dois conselheiros catalães do PP, mortos às mãos da ETA, para pedir ao líder do Ciudadanos que parasse de “lhe dar lições”.

Alejandro Garcia / EPA

Albert Rivera, dirigente do Ciudadanos

Já o líder do Vox, Santiago Abascal, criticou todos e prometeu ilegalizar os partidos independentistas e prender Quim Torra, atual presidente da Generalitat, o Governo da Catalunha.

Governo de coligação só parece possível à direita

Pablo Iglesias, que protagonizou com Santiago Abascal outro dos momentos tensos da noite por causa da Guerra Civil, insistiu num acordo à esquerda através de uma coligação. Foram, de resto, a sua insistência num Governo de coligação e a insistência de Pedro Sánchez num Executivo socialista, com o apoio do Podemos, que inviabilizaram a investidura e abriram caminho a novas eleições.

Apesar dos duros golpes que desferiram, os partidos da direita parecem dispostos a somar os assentos parlamentares que conseguirem para governarem em coligação – se necessário, com o apoio do Vox, como já acontece em várias comunidades. Um acordo de coligação à esquerda parece cada vez mais improvável.

De acordo com a sondagem do El Mundo, apenas dez assentos parlamentares separam a esquerda da direita e ainda há 35% de eleitores indecisos. Uma aliança entre o PSOE e o PP seria a única capaz de garantir estabilidade parlamentar, somando mais de 200 deputados, referiu o Expresso.

Os socialistas surgem com 27,9% nas intenções de voto e a possibilidade de elegerem entre 118 e 126 deputados, os populares com 20,3% e entre 89 e 97 assentos parlamentares. O Unidas Podemos deverá tornar-se a terceira força política, com 13,5% e entre 35 e 40 deputados, e o Vox a quarta, com 13,2% e entre 39 e 44 deputados. O Ciudadanos deverá cair para a quinta posição, com 8,9% nas intenções de voto e a possibilidade de eleger entre 16 e 19 deputados.

Nas eleições de abril, o PSOE foi o partido mais votado mas ficou longe da maioria absoluta, não tendo conseguido o apoio suficiente para continuar a governar. Para ser investido, o Congresso dos Deputados, a câmara baixa das Cortes Gerais espanholas, tem de votar o novo Executivo com mais de metade dos deputados (175 num total de 350), numa primeira votação, ou então por maioria simples numa segunda votação.

Taísa Pagno ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

FC Porto 1-0 Guimarães | Dragão já vê Sporting no horizonte

O Porto venceu no fecho da 28ª jornada da Liga NOS pela margem mínima, na recepção ao Vitória SC, e conseguiu o principal objectivo, que passava por somar os três pontos e reduzir para quatro …

Italiano faltou ao trabalho durante 15 anos, mas ganhou quase 600 mil euros

Um funcionário de um hospital no sul de Itália recebeu o salário durante 15 anos, apesar de nunca ter aparecido para trabalhar. De acordo com a polícia italiana, citada pela cadeia televisiva CNN, Salvatore Scumace está …

Google ficou sem o domínio na Argentina (e Nicolás achou que ia ser o novo dono)

Na última quarta-feira, um jovem argentino achou que ia ficar rico à custa da distração da Google no seu país. Acabou por não acontecer e tudo ficou resolvido. "Que pague a dívida externa", "que compre vacinas", …

Lola, a robô humanóide, dá "passos de bebé" (e equilibra-se com as mãos)

Uma equipa de cientistas está a ensinar a robô humanóide Lola a dar "passos de bebé", equilibrando-se com as suas mãos em vários pontos de contacto. Há muito tempo que os investigadores estudam a locomoção de …

Presidente da República veta decreto sobre inseminação post mortem

O Presidente da República vetou, esta quinta-feira, o decreto do Parlamento sobre inseminação post mortem, considerando que suscita dúvidas no plano do direito sucessório e questionando a sua aplicação retroativa. Na mensagem dirigida à Assembleia da …

Primeiro-ministro francês está a receber centenas de peças de lingerie no correio

O primeiro-ministro francês tem estado a receber roupa interior feminina na sua caixa de correio. Foi a forma encontrada pelas lojas de lingerie para protestarem contra as restrições da pandemia que as obrigam a estar …

Inteligência artificial "identifica" autores dos Manuscritos do Mar Morto

Investigadores da Universidade de Groningen, nos Países Baixos, recorreram à inteligência artificial para concluir que os Manuscritos do Mar Morto foram redigidos por vários escribas, o que abre uma "nova janela" para o estudo do …

Inteligência Artificial vai ajudar a identificar fontes de poluição no Bangladesh

A produção de tijolos é uma fonte de poluição que ameaça a saúde da população e do planeta, mas regular esta indústria pode ser uma tarefa difícil para as autoridades. Para resolver o problema, uma …

Portimonense 1-5 Benfica | "Águia" arrasa em solo algarvio

O Benfica regressou aos triunfos depois de ter vencido o Portimonense por 5-1, numa partida relativa à 28.ª jornada da Liga NOS, após o desaire registado na recepção ao Gil Vicente.  Porém, não foi um duelo …

Vigaristas burlaram mulher de 90 anos em 32 milhões de dólares

Uma mulher de Hong Kong, de 90 anos, foi defraudada em 32 milhões de dólares por burlões que se fizeram passar por agentes policiais chineses, via chamada telefónica. A Agence France-Presse (AFP) escreve que um jovem …