Hélia Correia vence Prémio Camões 2015

DR Bibliotecariodebabel.com

A escritora Hélia Correia, Prémio Camões 2015

A escritora Hélia Correia, Prémio Camões 2015

A escritora portuguesa Hélia Correia é a vencedora do Prémio Camões 2015.

Hélia Correia, nascida em Lisboa em 1949, autora de romance, novela e conto, mas também de poesia e teatro, receberá um prémio monetário de 100 mil euros. A escritora é licenciada em Filologia Românica e destaca-se sobretudo como ficcionista, com as obras “Lillias Fraser”, “A casa eterna”, “Adoecer” e “Bastardia”.

Este ano, a obra “Vinte Degraus e Outros Contos” valeu-lhe o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, que lhe foi entregue na passada segunda-feira.

A escolha de Hélia Correia para a 27ª edição do Prémio Camões foi por unanimidade e feita esta quarta-feira, numa reunião do júri, que contou com Rita Marnoto, professora na Universidade de Coimbra, Pedro Mexia, crítico literário e escritor, Inocência Mata, professora nas universidades de Lisboa e de Macau, e pelos escritores Affonso Romano de Sant’Anna, António Carlos Secchin e Mia Couto.

O Prémio Camões, anunciado no Rio de Janeiro, Brasil, foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1989 como forma de reconhecer autores “cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento da literatura de língua portuguesa em todo o mundo”, sustenta a organização.

O primeiro distinguido, em 1989, foi o escritor português Miguel Torga. Em 2014, o Prémio Camões foi atribuído ao historiador e ensaísta brasileiro Alberto da Costa e Silva.

O anterior autor português a receber o Prémio Camões foi Manuel António Pina, em 2011.

“Lillias Fraser” é o grande romance português moderno

A escritora Maria Teresa Horta, que publicou os primeiros textos da autora premiada, considera que Hélia Correia”é uma grande romancista portuguesa. Até que enfim que lhe atribuem o prémio”.

“É uma grande romancista, uma excelente ficcionista e ‘Lillias Fraser’ é o grande romance português moderno“, disse Maria Teresa Horta, sublinhando o mérito na atribuição do Prémio Camões a Hélia Correia.

Maria Teresa Horta recordou que foi a primeira pessoa a publicar obra de Hélia Correia, entre finais da década de 1960 e inícios de 1970, no suplemento “Literatura e Artes”, que dirigia no vespertino A Capital.

“Eram três ficções poéticas pequeninas. E quando ela publicou ‘O separar das águas‘ (1981) e comecei a ler, percebi que aquela escrita estava lá”, disse.

“Somos muito amigas, mas isso não tem nada a ver com o mérito do prémio”, que deverá dar mais visibilidade à obra da autora, disse.

“Como nunca querem saber da literatura para coisa nenhuma, só tem visibilidade quando se recebem prémios. E com a Hélia é sobretudo a escrita que ela faz. É um traço único. É a pujança da língua portuguesa. O ‘Lillias Frazer’ é uma coisa de tirar o fôlego. E ela é minha madrinha, por me ter emprestado a personagem para o meu romance ‘As luzes de Leonor'”, contou Maria Teresa Horta.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …

Descobertas sete novas aranhas-pavão. E uma parece um quadro de Van Gogh

Foram encontradas sete novas espécies de aranha do género Maratus. E há uma que se destaca por se parecer com "A Noite Estrelada", famoso quadro de Vincent Van Gogh. Nos últimos anos, as aranhas-pavão (do género Maratus) …

Estado de emergência no México suspende produção de cerveja Corona

Nem toda a publicidade é boa publicidade. Que o diga a cerveja mexicana Corona que, em tempos de pandemia, partilha o nome com o vírus de que já ninguém quer ouvir falar. Segundo o jornal The …

Gás natural pode transformar Moçambique no "Qatar de África" (se os jihadistas deixarem)

A descoberta de gás natural em Moçambique é vista como uma grande esperança para o país que, à boleia dos avultados investimentos que está a receber de grandes multinacionais, sonha tornar-se no "Qatar de África". …

Afinal, os 1.000 ventiladores doados por Elon Musk podem não ser completamente inúteis

Elon Musk, CEO da Tesla, doou mil ventiladores do tipo errado a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Agora, afinal, os ventiladores vão poder ser usados em casos de …

Cientistas preveem quatro grandes furacões no Atlântico em 2020

Cientistas da Universidade Estadual do Colorado, nos Estados Unidos, preveem que se formem quatro grandes furacões no Oceano Atlântico em 2020. De acordo com os especialistas, estes quatro furacões serão de categoria 3 a 5 na …

Neymar doa 870 mil euros para luta contra a pandemia no Brasil

O futebolista internacional brasileiro Neymar doou cerca de 870 mil euros para a luta contra a pandemia covid-19 no seu país, revelou esta sexta-feira o canal SBT. Segundo a estação de televisão brasileira, o contributo de …

França confiscou quatro milhões de máscaras destinadas a Espanha e Itália

As autoridades francesas apreenderam quatro milhão de máscaras que uma empresa sueca transportava da China para a Espanha e Itália no início do mês. A disputa diplomática foi revelada na quarta-feira pela revista francês L'Express. Segundo …

Sobe para 52 o número de elementos da PSP infetados

Subiu esta sexta-feira para 52 o número de elementos da PSP infetados com covid-19, revelou esta força de segurança, dando conta que está a ser assegurado apoio psicológico a todos os polícias com 30 profissionais. Em …