Quando falamos de escorpiões venenosos, o tamanho importa

A picada dos escorpiões maiores geralmente causa apenas alguma irritação. No caso dos escorpiões mais pequenos, o veneno é mais forte e mortífero.

No Reino da Caveira de Cristal, Indiana Jones partilhou a sua sabedoria ao dizer que quando somos confrontados com escorpiões, quanto maior forem, melhor — e a teoria do aventureiro foi agora confirmada cientificamente.

Segundo um estudo publicado na Toxins os escorpiões mais pequenos são mais mortíferos — e esta investigação é útil no desenvolvimento de melhores opções de tratamento para picadas destes animais.

A toxina de um escorpião pode causar tudo desde dores intensas, dormência, espasmos musculares e até causar um batimento cardíaco irregular.  Todos os anos, mais de um milhão de pessoas são picadas por escorpiões e mais de 3000 acabam por perder a vida.

Geralmente, as vítimas não sabem identificar o tipo de escorpião que as picou, o que dificulta a tarefa dos médicos, que têm de tentar adivinhar qual é o melhor tratamento. No novo estudo, a equipa analisou a literatura científica em busca de dados sobre o tamanho dos escorpiões e das suas pinças, a forma das caudas e a toxicidade de 2500 espécies possíveis.

No final, acabaram por analisar apenas 36 espécies, que variaram entre o escorpião mexicano (Centruroides noxius) e o escorpião da rocha (Hadogenes granulatu), que é cinco vezes maior, relata a Science.

As conclusões mostram que o veneno do escorpião da rocha causa uma leve irritação, enquanto que o veneno dos animais maiores pode causar choque nas vítimas. Os escorpiões com pinças mais finas também são mais perigosos e o padrão em relação ao tamanho aplica-se a todas as espécies.

Isto aponta para que tenha havido uma mudança ao longo da evolução, já que quando apareceram, os escorpiões dependiam das suas grandes pinças para atacarem as presas. No entanto, quando desenvolveram o seu veneno, já não precisavam de pinças tão grandes.

A descoberta é útil no tratamento de vítimas de picadas, já que podem facilmente indicar qual era o tamanho do animal aos clínicos.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.