O segredo da origem da vida pode estar nas erupções solares

SDO / NASA

Imagem de uma explosão solar classe X2.0 captada a 27 de outubro de 2014

Imagem de uma explosão solar classe X2.0 captada a 27 de outubro de 2014

Se uma erupção solar massiva atingisse a Terra hoje, poderia acabar com a nossa tecnologia e lançar-nos de volta à Idade das Trevas. Para nossa sorte, eventos como este são muito raros.

Mas há quatro mil milhões de anos, o clima espacial extremo – com erupções solares para dar e vender – era provavelmente o padrão. Porém, ao invés de trazer o apocalipse, pode ter dado o pontapé inicial para a vida na Terra.

Essa é a surpreendente conclusão de uma pesquisa, publicada na Nature Geoscience na última segunda-feira, que se baseia numa descoberta anterior sobre estrelas jovens e parecidas com o sol feita com o telescópio espacial Kepler da NASA.

Jovens sóis, ao que parece, são extremamente eruptivos, libertando quantidades alucinantes de energia durante “super erupções solares” que fazem os nossos eventos climáticos espaciais mais extremos parecerem uma garoa fraquinha.

Agora, Vladimir Airapetian, da direcção de Ciências e Exploração da NASA, mostrou que se o nosso Sol tiver sido igualmente activo há quatro mil milhões de anos poderia ter tornado a Terra mais habitável.

De acordo com modelos do astrofísico, à medida que as super erupções solares atingiam a nossa atmosfera, iniciaram as reacções químicas que produziram gases de efeito estufa que aquecem o clima e outros ingredientes essenciais para a vida.

“A Terra deve ter sido um congelador há quatro mil milhões de anos”, explicou Airapetian ao Gizmodo, referindo-se ao “paradoxo do jovem sol fraco” levantado pela primeira vez por Carl Sagan e George Mullen em 1972.

O paradoxo surgiu quando Sagan e Mullen perceberam que a Terra tinha sinais de água líquida tão cedo quanto há quatro mil milhões de anos, quando o sol tinha apenas 70% do brilho que tem hoje.

“A única maneira [de explicar isso] é, de alguma maneira, incorporar um efeito de estufa”.

Outro enigma da Terra precoce é a forma como as primeiras moléculas biológicas – DNA, RNA e proteínas – conseguiram nitrogénio suficiente para serem formadas.

Semelhante à de hoje, a atmosfera da Terra primitiva era composta principalmente de gás nitrogénio inerte (N2). Enquanto as bactérias especializadas chamadas “fixadoras de nitrogénio” eventualmente descobriram como quebrar N2 e transformá-lo em amónia (NH4), a biologia inicial não tinha essa capacidade.

Clima do espaço

O novo estudo oferece uma solução para ambos os problemas sob a forma do clima espacial. A pesquisa começou há vários anos, quando Airapetian estava a estudar a actividade magnética das estrelas no banco de dados Kepler da NASA.

O investigador descobriu que as estrelas tipo-G (como o nosso Sol) são como dinamite na sua juventude, muitas vezes libertando pulsos de energia equivalentes a mais de 100 triliões de bombas atómicas.

A mais poderosa tempestade solar pela qual os seres humanos já passaram, o Evento Carrington, de 1859, que causou cortes de energia em todo o mundo, não é nada em comparação com o que acontecia no início do nosso planeta.

Logo ocorreu a Airapetian que poderia usar esta descoberta sobre actividade estelar para espiar o início da história do nosso sistema solar.

O cientista calculou que, há quatro mil milhões de anos, o nosso Sol poderia estar a libertar dezenas de super erupções num espaço de poucas horas de diferença entre elas, com uma ou mais arranhando o campo magnético da Terra a cada dia.

“Basicamente, a Terra estava sob ataque constante de super eventos do porte do Carrington“, explicou o autor.

Prova matemática

Em seguida, usando modelos numéricos, Airapetian mostrou que super erupções solares seriam fortes o suficiente para comprimir drasticamente a magnetosfera da Terra – o escudo magnético que circunda o nosso planeta.

Não apenas isso: demonstrou, ainda, que partículas solares carregadas iriam abrir um buraco limpo através da magnetosfera perto dos pólos do nosso planeta, entrando na atmosfera e colidindo com nitrogénio, dióxido de carbono e metano.

“Então, agora há essas partículas interagindo com moléculas na atmosfera e criando novas moléculas – como uma reacção em cadeia”, disse Airapetian.

Essas interacções solares-atmosféricas produzem óxido nitroso, um gás de efeito de estufa com 300 vezes o potencial de aquecimento global do CO2.

Os modelos de Airapetian sugerem que uma quantia suficiente de óxido nitroso poderia ter sido produzida para aquecer drasticamente o planeta. Outro produto da tempestade solar sem fim, cianeto de hidrogénio (HCN), poderia ter fecundado a superfície com o nitrogénio necessário para formar os blocos de construção iniciais de vida.

“As pessoas têm analisado raios e queda de meteoritos como maneiras de iniciar a química do nitrogénio”, aponta Ramirez. “Eu acho que a coisa mais interessante sobre este estudo é que ninguém tinha pensado em olhar para as tempestades solares”.

Moléculas suficientes?

Agora são os biólogos que devem determinar se a mistura exacta de moléculas produzidas por meio de super erupções solares teria sido o suficiente para alavancar a vida, pesquisa que já está em andamento.

Estudiosos do Instituto de Ciências da Vida da Terra, em Tóquio e noutros lugares, estão a usar os modelos de Airapetian para conceber novas experiências que simulam as condições na antiga Terra.

Se essas experiências conseguirem produzir aminoácidos e blocos de construção de RNA, isso seria um grande passo no sentido de apoiar a ideia de que o clima espacial ajudou a dar início à vida.

Além de ajudar a montar a história da nossa origem, os modelos de Airapetian poderiam auxiliar no entendimento da habitabilidade passada de Marte, que parece também ter sido molhado há quatro mil milhões de anos, apesar de receber ainda menos radiação do jovem Sol. O estudo também pode ter implicações para a vida além do nosso sistema solar.

Estamos apenas a começar a descobrir o que constitui “zona habitável” de uma estrela, onde podem existir planetas com oceanos de água líquida. Mas a definição actual de zona habitável só leva em consideração o brilho da estrela-mãe.

Com informações mais detalhadas sobre a actividade explosiva de uma estrela, poderíamos ser capazes de saber mais sobre a química das atmosferas de exoplanetas e o potencial de um forte efeito estufa surgir.

“Em última análise, isto vai-nos informar sobre se a energia de uma estrela está disponível de uma forma que possa criar a química para criar biomoléculas”, resumiu Airapetian. “Sem isso, seria um milagre ter vida”.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Febre do lítio pede licença para chegar a Portugal

Com o potencial de ter as maiores reservas da Europa, a febre do lítio chegou a Portugal, onde se registaram duas dezenas de solicitações de prospecção este ano, embora as empresas mineiras continuem à espera …

Virgin Galactic abre as portas do primeiro aeroporto espacial do mundo

A empresa norte-americana Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson, está a preparar o primeiro aeroporto espacial comercial do mundo, tendo revelado esta semana algumas das imagens daquelas que vão ser as instalações. O aeroporto, localizado …

A Internet está a regar esta planta há três anos

A comunidade online do Reddit tem tratado de uma planta durante três anos. Os utilizadores escolhem diariamente se a planta de ou não ser regada. Tudo começou com uma pequena brincadeira no Reddit, um dos maiores …

O pulmão de um chinês colapsou (e a culpa foi do karaoke)

O pulmão de um homem de 65 anos, na China, colapsou após ter tentado atingir uma nota alta durante uma intensa sessão de karaoke. O homem, residente em Nanchang, na província de Jiangxi, teria estado a …

"Emergência nacional". Deputados pedem a Boris que convoque imediatamente o Parlamento

Mais de 100 deputados britânicos pediram, numa carta divulgada este domingo, ao primeiro-ministro Boris Johnson para convocar imediatamente o Parlamento e voltar a debater o Brexit. As férias de verão do Parlamento terminam normalmente a 03 …

Rambo Luso. Há um português a viver na selva venezuelana há 25 anos

Há 25 anos que o português António Pestana Drumond realiza expedições às regiões de selva do Delta Amacuro e do Parque Nacional Canaima, leste da Venezuela, onde é conhecido pelos indígenas locais como o Rambo …

Já é possível saber se alguém está a mentir. Basta olhar nos olhos

Os olhos não mentem. Pelo menos é o que acham os investigadores da Universidade de Stirling, na Escócia, que criaram uma prova que diz se a pessoa está a mentir ou não com a monitorização …

A NASA detetou (e mediu) o primeiro choque interplanetário

A Multiscale Magnetospheric Mission (MMS) da agência espacial norte-americana conseguir fazer as primeiras medições de um choque interplanetário. Em comunicado, a NASA explica que os choques interplanetários são um tipo de choque sem colisão, no …

Quem ganhou a Segunda Guerra Mundial? Aliados e Eixo dizem que foram eles próprios

Em média, tanto os cidadãos de países dos Aliados como cidadãos de países do Eixo dizem que foram eles mesmos os vencedores da Segunda Guerra Mundial. Se perguntarmos a qualquer um dos poucos veteranos remanescentes da …

Norte-americano passou 30 anos na prisão por erro. Vai ser indemnizado em 10 milhões

Um norte-americano que há 30 anos foi erradamente condenado a 57 anos de prisão por violação e roubo vai agora receber uma indemnização de quase 10 milhões de dólares, avança o jornal New York Post. …