Uma epidemia histórica está de volta. A culpa pode ser de um “clone” bacteriano

Outrora uma das principais causas de morte de crianças em todo o mundo ocidental, a escarlatina foi quase erradicada graças à medicina do século XX. Porém, novos surtos no Reino Unido e no Nordeste da Ásia nos últimos anos sugerem que ainda temos um longo caminho a percorrer.

O motivo do ressurgimento do patógeno mortal ainda é um mistério. No entanto, um novo estudo revelou pistas no genoma de uma das estirpes bacterianas responsáveis, mostrando o quão complexa pode ser a árvore genealógica das doenças infecciosas.

A espécie por trás da doença é o estreptococo do grupo A – ou Streptococcus pyogenes -, um micróbio em forma de bola que pode produzir compostos tóxicos chamados superantígenos capazes de causar estragos dentro do corpo.

As consequências podem ser tão leves como um caso de faringite ou erupção na pele, ou tão graves como um choque tóxico que causa a falência de órgãos.

Com o advento dos antibióticos, os surtos podiam ser facilmente controlados antes que saíssem do controle. Na década de 1940, a doença estava praticamente erradicada. Mas isso parece estar a mudar.

“Depois de 2011, o alcance global da pandemia tornou-se evidente com relatos de um segundo surto no Reino Unido, começando em 2014, e agora descobrimos casos isolados aqui na Austrália”, disse Stephan Brouwer, biólogo molecular da Universidade de Queensland, em comunicado. “Este ressurgimento global da escarlatina causou um aumento de mais de cinco vezes na taxa de doenças e mais de 600 mil casos em todo o mundo.”

Liderando uma equipa internacional de investigadores num estudo sobre genes de estreptococos do grupo A, Brouwer conseguiu caracterizar uma variedade de superantígenos produzidos por uma determinada estirpe do Nordeste da Ásia.

Entre eles estava um tipo de superantígeno que parece dar aos invasores bacterianos uma forma nova e inteligente de obter acesso ao interior das células do hospedeiro, uma forma nunca vista antes entre as bactérias.

A novidade implica que esses surtos não descendem das mesmas estirpes de bactérias que se espalharam pelas comunidades nos séculos anteriores. Em vez disso, são populações intimamente relacionadas de estreptococos do grupo A que aprenderam novos truques por conta própria.

Uma forma pela qual organismos semelhantes podem desenvolver as mesmas características – como virulência avançada – é pela seleção natural ao ajustar de forma independente genes partilhados da mesma forma.

Porém, outros estudos já sugeriram que essa estirpe de bactéria recebeu ajuda na forma de uma infecção própria, proveniente de um tipo de vírus chamado fago.

“As toxinas teriam sido transferidas para a bactéria quando foi infetada por vírus que carregavam os genes da toxina”, disse Mark Walker, biocientista da Universidade de Queensland. “Nós mostrámos que essas toxinas adquiridas permitem que o Streptococcus pyogenes colonize melhor o seu hospedeiro, o que provavelmente permite que supere outras estirpes na competição.”

Num processo conhecido como transferência horizontal de genes, um gene que evoluiu num micróbio pode ser incorporado ao genoma de um vírus e editado no ADN de um novo hospedeiro, criando uma espécie de clone do original.

Embora dificilmente se limite às bactérias, é uma forma rápida e prática para os micróbios unicelulares se adaptarem. Esses genes roubados podem fornecer aos patógenos novas formas de entrar nos tecidos do hospedeiro ou resistir à guerra química que, de outra forma, os manteria à distância.

Para verificar a importância do superantígeno adquirido, os cientistas usaram a edição genética para desativar a sua codificação. Como resultado, as estirpes perderam o poder de colonizar os modelos animais usados ​​para testar a virulência da bactéria.

Por enquanto, a gestão da pandemia de covid-19 parece conter os surtos de escarlatina, uma vez que é improvável que o estreptococo do grupo A se torne uma epidemia sob as restrições atuais.

“Mas quando o distanciamento social finalmente for relaxado, a escarlatina provavelmente voltará”, disse Walker. “Assim como a covid-19, em última análise, uma vacina será crítica para erradicar a escarlatina – uma das doenças infantis mais comuns e mortais da história”.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Nature Communications.

PARTILHAR

RESPONDER

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …