Entrevistas inéditas de psiquiatra a líderes nazis publicadas em Portugal

OPA / Wikimedia

Os arquitectos da purga nazi: Hitler, Göring, Goebbels, e Hess. Faltam Himmler e Heydrich.

Os arquitectos da purga nazi: Hitler, Göring, Goebbels, e Hess. Faltam Himmler e Heydrich.

As entrevistas do psiquiatra norte-americano Leon Goldensohn aos nazis julgados em Nuremberga em 1946 foram publicadas em Portugal pela primeira vez e revelam não só o passado mas também o que “terá motivado” os crimes dos nacional-socialistas contra a humanidade.

Leon Goldensohn (1911-1960), formado em medicina e especializado em psiquiatria nasceu e estudou em Nova Iorque, alistou-se para combater na Europa e encontrava-se destacado no Hospital Geral de Nuremberga no final do conflito quando foi chamado para prestar serviço como psiquiatra da prisão onde se encontravam detidos os líderes nazis julgados durante o primeiro semestre de 1946.

“Hoje ao fim da tarde, Goering estava na cela a fumar o seu longo cachimbo de caçador e com ar bastante deprimido quando lá entrei com o sr. Triest”, escreve Goldensohn no dia 28 de maio de 1946 sobre um dos encontros com a segunda figura do regime nazi, comandante-em-chefe da Força Aérea, presidente do Reichstag (Parlamento).

Durante as entrevistas, Hermann Goering recorda o irmão Albert, com quem não tinha contacto; a I Guerra Mundial (1914-1918) e o Tratado de Versailles que justifica como causa do nacional-socialismo e demora-se nos elogios a Adolf Hitler justificando que o ódio contra os judeus fica a dever-se, em parte, à “má influência” do ministro da Propaganda, Joseph Goebbels que se suicidou no dia 01 de maio de 1945, em Berlim.

“Não acho que vou nem para o céu nem para o inferno, quando morrer. Não acredito na Bíblia, nem em muitas coisas em que as pessoas religiosas creem. No entanto, venero as mulheres e penso que não é nada desportivo matar crianças”, diz Goering ao psiquiatra quando se refere ao holocausto.

Além de afirmar que desconhecia “em concreto” o genocídio de milhões de judeus – apesar de ter autorizado pessoalmente a construção de campos de concentração para “prisioneiros comunistas russos” – Goering afirma também que a vasta coleção de arte, fruto de pilhagens, não foi um roubo nem os saques foram ilegais.

“Eu adoro a arte pela arte e, como já disse, a minha personalidade exigia que eu estivesse rodeado dos melhores espécimes do mundo da arte”, explica Herman Goering acrescentando que na década de 1930 o regime manteve-se muitas vezes aberto ao exterior, sobretudo à cultura norte-americana.

Nicola Perscheid / Wikimedia

Hermann Goering

Hermann Goering

Hitler não se interessava por literatura mas publicaram-se mais policiais, em especial ficção americana, do que em qualquer período anterior. Até a ficção americana não policial vendia bastante, por exemplo, o livro ‘E Tudo o Vento Levou’ e outros ‘bestsellers’ semelhantes” (pag 170), diz o marechal, condenado à morte mas que acabou por conseguir suicidar-se na cela da prisão de Nuremberga.

As entrevistas de Goldensohn aos protagonistas do nazismo julgados em Nuremberga, nomeadamente a frieza de Rudolf Hess, tenente coronel das SS e comandante do campo de Auschwitz na Polónia.

“Para incinerar duas mil pessoas precisávamos de cerca de 24 horas com os cinco fornos a trabalhar. Em geral, conseguíamos cremar entre 1.700 a 1.800 pessoas. Desta maneira a cremação estava sempre atrasada porque, como pode ver, era muito mais fácil exterminar com gás do que cremar, que levava muito mais tempo e dava mais trabalho”, explica Hess que foi enforcado em 1947.

Destacam-se também as entrevistas a Wilhelm Frick, ministro do Interior (condenado à morte); Walther Funk, ministro da Economia (libertado em 1957); Julius Streicher, editor do jornal antissemita Der Sturmer (condenado à morte); o ministro dos Negócios Estrangeiros Joachim von Ribbentrop (condenado à morte); o marechal de campo Wilhelm Keitel (condenado à morte); o austríaco Ernest Kaltenbrunner, do Departamento Central de Segurança (condenado à morte) e Hans Fritzche do Ministério da Propaganda (considerado inocente de crimes de guerra), entre outros líderes da Alemanha nazi.

O livro “Entrevistas de Nuremberga” (584 páginas), foi editado pela Tinta da China e inclui um enquadramento do historiador Robert Gellately sobre a criação e funcionamento do tribunal internacional que julgou os criminosos do nacional socialismo, em Nuremberga, no final da II Guerra Mundial.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Há lapso da vossa parte neste quando referem:
    “Rudolf Hess, tenente coronel das SS e comandante do campo de Auschwitz na Polónia”
    Pois o comandante de Auschwitz chamava-se Rudolf Hoess, págs 369 do livro aqui citado

    Rudolf Hess foi o nº 2 do partido nazi, pág 191 do mesmo livro

    Portanto, duas pessoas distintas e nomes diferentes
    Cumprimentos
    CSilva

RESPONDER

Netflix responde a senadores norte-americanos e avança com série

Na passada sexta-feira, a Netflix respondeu aos cinco senadores do Partido Republicano dos Estados Unidos da América que, numa carta, questionaram a decisão de adaptar a trilogia O Problema dos Três Corpos, a série literária …

Há sobras de comida que sabem realmente melhor no dia seguinte (e os cientistas já sabem porquê)

Não é mito. Existem realmente sobras de comida que sabem melhor no dia seguinte e um especialista da Universidade de Oxford (Reino Unido) - que adora caril - explica o porquê à luz da Ciência. …

Teme-se que a violência doméstica dispare depois dos incêndios da Califórnia

Teme-se que os casos de violência doméstica disparem depois de os incêndios da Califórnia serem extintos, avança a revista norte-americana Vice, que ouviu responsáveis por espaços de abrigo para as vítimas. Desastres naturais de grandes …

Comunidade Vida e Paz ajudou 420 pessoas por dia no ano passado

Em 2019, a Comunidade Vida e Paz apoiou cerca de 420 pessoas em situação de sem-abrigo por dia e distribuiu 138 mil refeições. Além disso, a organização ajudou regularmente 26 famílias carenciadas, entre 78 adultos …

Realidade Virtual dá nova vida ao Mayflower, o navio que levou os ingleses para o Novo Mundo

Mayflower foi o famoso navio que, em 1620, transportou os chamados Peregrinos, do porto de Southampton, Inglaterra, para o Novo Mundo. A Realidade Virtual ajudou a trazê-lo de volta à vida. Os Peregrinos do Mayflower foram …

Iniciativa Liberal recorre à lei para exigir que plano de liquidez da TAP seja enviado às Finanças

O deputado da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, exigiu que o ministro das Finanças, João Leão, remeta o plano de liquidez da TAP à Comissão de Orçamento e Finanças, no prazo de dez dias, ao abrigo …

Museu britânico deixa de exibir coleção de cabeças humanas

O Museu Pitt Rivers em Oxford, no Reino Unido, decidiu retirar da sua exposição permanente crânios e cabeças humanas encolhidas (tsantsas), que terão sido encontradas por exploradores europeus nas suas viagens às Américas e à …

Lactogal assume derrame de leite no rio UI

A empresa agroalimentar Lactogal, de Oliveira de Azeméis, assumiu esta segunda-feira que o derrame de leite no rio Ul, afluente do rio Antuã, se deveu ao colapso de um dos seus tanques e que estão …

O James Bond da vida real foi um arquivista na Polónia comunista (e pode ter enganado os caçadores de espiões)

O James Bond da vida real foi um arquivista e diplomata britânico que viveu na Polónia comunista na década de 1960, revelam documentos esta semana partilhados pelo Instituto Polaco da Memória Nacional. O diplomata James …

Japão mantém plano original. Tocha olímpica passará pelas 47 prefeituras do país

O percurso da tocha olímpica, que se iniciará em março de 2021, manterá o trajeto inicialmente previsto, um ano após o plano original, informou esta segunda-feira o Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A tocha …