Entrevistas inéditas de psiquiatra a líderes nazis publicadas em Portugal

OPA / Wikimedia

Os arquitectos da purga nazi: Hitler, Göring, Goebbels, e Hess. Faltam Himmler e Heydrich.

Os arquitectos da purga nazi: Hitler, Göring, Goebbels, e Hess. Faltam Himmler e Heydrich.

As entrevistas do psiquiatra norte-americano Leon Goldensohn aos nazis julgados em Nuremberga em 1946 foram publicadas em Portugal pela primeira vez e revelam não só o passado mas também o que “terá motivado” os crimes dos nacional-socialistas contra a humanidade.

Leon Goldensohn (1911-1960), formado em medicina e especializado em psiquiatria nasceu e estudou em Nova Iorque, alistou-se para combater na Europa e encontrava-se destacado no Hospital Geral de Nuremberga no final do conflito quando foi chamado para prestar serviço como psiquiatra da prisão onde se encontravam detidos os líderes nazis julgados durante o primeiro semestre de 1946.

“Hoje ao fim da tarde, Goering estava na cela a fumar o seu longo cachimbo de caçador e com ar bastante deprimido quando lá entrei com o sr. Triest”, escreve Goldensohn no dia 28 de maio de 1946 sobre um dos encontros com a segunda figura do regime nazi, comandante-em-chefe da Força Aérea, presidente do Reichstag (Parlamento).

Durante as entrevistas, Hermann Goering recorda o irmão Albert, com quem não tinha contacto; a I Guerra Mundial (1914-1918) e o Tratado de Versailles que justifica como causa do nacional-socialismo e demora-se nos elogios a Adolf Hitler justificando que o ódio contra os judeus fica a dever-se, em parte, à “má influência” do ministro da Propaganda, Joseph Goebbels que se suicidou no dia 01 de maio de 1945, em Berlim.

“Não acho que vou nem para o céu nem para o inferno, quando morrer. Não acredito na Bíblia, nem em muitas coisas em que as pessoas religiosas creem. No entanto, venero as mulheres e penso que não é nada desportivo matar crianças”, diz Goering ao psiquiatra quando se refere ao holocausto.

Além de afirmar que desconhecia “em concreto” o genocídio de milhões de judeus – apesar de ter autorizado pessoalmente a construção de campos de concentração para “prisioneiros comunistas russos” – Goering afirma também que a vasta coleção de arte, fruto de pilhagens, não foi um roubo nem os saques foram ilegais.

“Eu adoro a arte pela arte e, como já disse, a minha personalidade exigia que eu estivesse rodeado dos melhores espécimes do mundo da arte”, explica Herman Goering acrescentando que na década de 1930 o regime manteve-se muitas vezes aberto ao exterior, sobretudo à cultura norte-americana.

Nicola Perscheid / Wikimedia

Hermann Goering

Hermann Goering

Hitler não se interessava por literatura mas publicaram-se mais policiais, em especial ficção americana, do que em qualquer período anterior. Até a ficção americana não policial vendia bastante, por exemplo, o livro ‘E Tudo o Vento Levou’ e outros ‘bestsellers’ semelhantes” (pag 170), diz o marechal, condenado à morte mas que acabou por conseguir suicidar-se na cela da prisão de Nuremberga.

As entrevistas de Goldensohn aos protagonistas do nazismo julgados em Nuremberga, nomeadamente a frieza de Rudolf Hess, tenente coronel das SS e comandante do campo de Auschwitz na Polónia.

“Para incinerar duas mil pessoas precisávamos de cerca de 24 horas com os cinco fornos a trabalhar. Em geral, conseguíamos cremar entre 1.700 a 1.800 pessoas. Desta maneira a cremação estava sempre atrasada porque, como pode ver, era muito mais fácil exterminar com gás do que cremar, que levava muito mais tempo e dava mais trabalho”, explica Hess que foi enforcado em 1947.

Destacam-se também as entrevistas a Wilhelm Frick, ministro do Interior (condenado à morte); Walther Funk, ministro da Economia (libertado em 1957); Julius Streicher, editor do jornal antissemita Der Sturmer (condenado à morte); o ministro dos Negócios Estrangeiros Joachim von Ribbentrop (condenado à morte); o marechal de campo Wilhelm Keitel (condenado à morte); o austríaco Ernest Kaltenbrunner, do Departamento Central de Segurança (condenado à morte) e Hans Fritzche do Ministério da Propaganda (considerado inocente de crimes de guerra), entre outros líderes da Alemanha nazi.

O livro “Entrevistas de Nuremberga” (584 páginas), foi editado pela Tinta da China e inclui um enquadramento do historiador Robert Gellately sobre a criação e funcionamento do tribunal internacional que julgou os criminosos do nacional socialismo, em Nuremberga, no final da II Guerra Mundial.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Há lapso da vossa parte neste quando referem:
    “Rudolf Hess, tenente coronel das SS e comandante do campo de Auschwitz na Polónia”
    Pois o comandante de Auschwitz chamava-se Rudolf Hoess, págs 369 do livro aqui citado

    Rudolf Hess foi o nº 2 do partido nazi, pág 191 do mesmo livro

    Portanto, duas pessoas distintas e nomes diferentes
    Cumprimentos
    CSilva

RESPONDER

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …

Costa diz que Portugal vai ter "o dobro" de fundos comunitários para investir

O primeiro-ministro afirmou, este sábado, que Portugal vai contar, nos próximos sete anos, com "o dobro" de fundos comunitários para investimento, considerando que esta "é uma oportunidade única" que não pode ser desperdiçada. "Vamos ter a …

Chinesa morre após salvar a filha de deslizamento de terra. Bebé esteve 24 horas nos escombros

Uma mulher morreu após salvar o seu bebé quando um deslizamento de terra e uma forte inundação atingiram a sua casa na China, revelam as equipas de resgate. Como noticia a BBC, a bebé foi resgatada …

Caso Ihor. IGAI pede expulsão do ex-diretor de fronteiras do SEF

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) já entregou ao ministro Eduardo Cabrita o relatório final do processo disciplinar contra o inspetor coordenador do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) António Sérgio Henriques, que propõe a …

Chuvas torrenciais fazem mais de uma centena de mortos na Índia

Pelo menos 136 pessoas morreram na Índia, em consequência de chuvas torrenciais que assolaram o país e causaram fortes enchentes e deslizamentos de terra, enterrando casas e submergindo ruas. Numa altura em que as alterações climáticas …

China inaugurou o comboio mais rápido do mundo

O comboio-bala maglev, que pode atingir uma velocidade de 600 quilómetros por hora, fez a sua estreia em Qingdao, na China, esta semana. Tal como conta a cadeia televisiva CNN, este comboio-bala maglev foi desenvolvido pela …

Quatro portugueses detidos em Espanha por alegada violação de duas mulheres

A polícia espanhola anunciou, este sábado, ter detido quatro cidadãos portugueses por suposta violação múltipla e abusos sexuais a duas mulheres de 22 e 23 anos, numa pensão em Gijón, no norte do país. Segundo a …