Advogados medievais usavam pele de carneiro como método antifraude

Dave Lee

Uma equipa de investigadores identificou as espécies de animais usadas ​​em documentos legais britânicos que datam dos séculos XIII e XX e descobriu que, quase sempre, eram escritos em pele de carneiro.

Os cientistas das Universidades de Exeter, York e Cambridge, no Reino Unido, descobriram que os documentos legais britânicos dos séculos XIII a XX foram quase sempre escritos em pele de carneiro, em vez de pele de cabra ou bezerro.

A equipa realizou espectrometria de massa em 645 amostras de páginas individuais de documentos legais britânicos de arquivos e coleções particulares datando dos séculos XVI a XX e identificou proteínas que mostraram que 622 deles eram de pele de carneiro.

As ovelhas depositam gordura entre as várias camadas da pele. Durante a fabricação do pergaminho, a casca é submersa em cal, que retira a gordura, deixando espaços vazios entre as camadas. As tentativas de raspar a tinta resultariam no desprendimento dessas camadas – conhecido como delaminação -, deixando uma mancha visível e destacando qualquer tentativa de alterar a escrita.

A pele de carneiro tem um teor de gordura muito alto, representando até 30% a 50%, em comparação com 3% a 10% na pele de cabra e apenas 2% a 3% no gado bovino. Consequentemente, o potencial de raspagem para desprender essas camadas é consideravelmente maior na pele de carneiro do que noutros animais.

O uso contínuo de pele de carneiro em vez de pele de cabra ou bezerro nos séculos posteriores foi provavelmente influenciado pela sua maior disponibilidade e menor custo.

“Os advogados preocupavam-se muito com a autenticidade e a segurança, como podemos ver através do uso de selos. Mas agora parece que essa preocupação se estendeu à escolha da pele de animal que também usavam”, explicou Sean Doherty, arqueólogo da Universidade de Exeter, em comunicado.

Textos sobreviventes sugerem o uso de pele de carneiro como um dispositivo antifraude. O texto do século XII “Dialogus de Scaccario”, escrito por Richard FitzNeal, Lorde Tesoureiro durante os reinados de Henrique II e Ricardo I, instrui o uso de pele de carneiro nas contas reais, pois “não cedem facilmente ao apagamento sem que a mancha seja aparente”.

No século XVII, quando o papel era comum, o presidente do Supremo Tribunal, Edward Coke, escreveu sobre a necessidade de que os documentos legais fossem escritos em pergaminho “pois a escrita neles é menos sujeita a alterações ou corrupção”.

“Arquivo extraordinariamente molecular”

Por serem tão duráveis, milhões de documentos jurídicos antigos sobrevivem em arquivos e coleções particulares britânicos, mas são frequentemente negligenciados por causa da sua suposta falta de valor histórico.

Muitos foram descartados, queimados ou mesmo reaproveitados em abajures durante o século XX, após a Lei de Registo de Imóveis de 1925, que significava que não precisavam de ser guardados.

Até agora, pouco se sabia sobre estes documentos. Muitos foram incorretamente catalogados como pergaminho de pele de bezerro quando, na verdade, eram feitos de pele de carneiro.

“O texto escrito nestes documentos é frequentemente considerado de valor histórico limitado, visto que a maioria é tomada por rubricas estereotipadas. No entanto, as técnicas de investigação modernas significam que agora podemos não só ler o texto, mas também as informações biológicas e químicas registadas na pele. Como objetos físicos, são um arquivo extraordinariamente molecular através do qual séculos de artesanato, comércio e criação de animais podem ser explorados”, afirmou Doherty.

“O que o nosso estudo revela é que havia uma compreensão sofisticada das propriedades de diferentes produtos e que podiam ser explorados. No caso do pergaminho de pele de carneiro, as suas propriedades eram utilizadas para evitar fraudes pela alteração sub-reptícia de documentos legais importantes”, disse Jonathan Finch, do Departamento de Arqueologia da Universidade de York.

“A estrutura da pele evidenciava claramente qualquer tentativa de apagar ou alterar o texto original. O sucesso desse estudo abre um novo potencial no estudo de produtos de origem animal ao longo do período histórico”, rematou.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Heritage Science.

Maria Campos, ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Remodelação à vista (com saídas e trocas de pastas por "um Governo de combate")

O Governo de António Costa tem pela frente um mês de Julho decisivo que ficará marcado pela chegada dos fundos da bazuca europeia. E há dirigentes socialistas que acreditam que o primeiro-ministro deve aproveitar a …

Líderes da UE alertam Londres para respeitar acordo do Brexit

Os líderes da União Europeia (UE) alertaram o Governo britânico, este sábado, que os dois lados devem implementar o acordo do Brexit, numa reunião com o primeiro-ministro britânico à margem da cimeira do G7. A presidente …

Variante Delta está a crescer em Portugal. Lisboa e Vale do Tejo é a região mais afetada

As autoridades de saúde confirmam que já foi detetada, em Portugal, a transmissão comunitária da variante Delta do novo coronavírus. Esse cenário estará a ser mais evidente na região de Lisboa e Vale do Tejo. "Até …

Vírgula permite aos deputados receberem abono de exclusividade mesmo mantendo cargos em empresas

Um parecer da Comissão de Transparência permite aos deputados acumularem funções em empresas enquanto recebem o subsídio de exclusividade na Assembleia da República. Tudo por culpa de uma vírgula que desperta interpretações diversas. A situação é …

Grupo Espírito Santo só tem verbas para pagar 2,6% das dívidas

Os credores reclamam 11,5 mil milhões de euros em dívida, mas o império Espírito Santo só tem cerca de 300 milhões de euros. De acordo com o semanário Expresso, aquilo que resta do império Espírito Santo …

CTT reclamam dívidas de 67 milhões ao Estado

Os CTT iniciaram um processo de arbitragem contra o Estado, reclamando um total de 67 milhões de euros em compensações pelo impacto da pandemia de covid-19 e pela extensão unilateral do contrato de concessão. "Os CTT …

O candidato de Costa ao Porto só durou 24 horas (e a "asneira" pode sair-lhe cara)

Está lançada a confusão no PS Porto com a escolha do candidato do partido às próximas eleições autárquicas. O secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro, não resistiu às reacções negativas à sua escolha para …

Mourinho Félix ao ataque. BdP "subjugou-se" à ex-ministra das Finanças

O antigo secretário de Estado Adjunto e das Finanças criticou, esta sexta-feira, a "falha grave" do Banco de Portugal (BdP) ao se ter subjugado à antiga ministra das Finanças quanto à capitalização inicial do Novo …

Castillo obtém a maioria dos votos nas Presidenciais peruanas

Pedro Castillo obteve a maioria dos votos nas eleições presidenciais de domingo no Peru, com 50,168% dos votos, restando apenas 0,328% para contar, uma distância que a sua rival, Keiko Fujimori, não será capaz de …

Câmara de Lisboa arrisca multa de 80 milhões devido à partilha de dados

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) terá cometido quatro violações à lei da Proteção de Dados, puníveis cada uma com uma coima até aos 20 milhões de euros. Em declarações ao jornal Público, Elsa Veloso, advogada …