Estado, famílias e empresas nunca deveram tanto dinheiro

SXC

O endividamento total da economia portuguesa atingiu um novo recorde em maio, com a soma do que devem Estado, famílias e empresas a ascender a 724,7 mil milhões de euros.

Em maio, o endividamento do setor não financeiro aumentou, pelo segundo mês consecutivo, para um valor recorde de 724,7 mil milhões de euros, segundo dados revelados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

“Em maio de 2018, o endividamento do setor não financeiro situava-se em 724,7 mil milhões de euros, dos quais 322,4 mil milhões respeitavam ao setor público e 402,3 mil milhões ao setor privado”, informou o Banco de Portugal no boletim estatístico.

Em relação ao mês de abril, o endividamento da economia cresceu em mil milhões de euros, já que nesse mês tinha ascendido a 723,65 mil milhões, valor revisto em baixa pelo Banco de Portugal, em relação aos 724,29 mil milhões inicialmente avançados, explica o Jornal de Negócios.

Este aumento resulta, sobretudo, da subida do endividamento do setor privado (700 milhões de euros), dado que no setor público o incremento foi de 300 mil milhões.

Aliás, este aumento da dívida pública já era conhecido e foi justificado pelo Banco de Portugal com a subida dos empréstimos relativamente ao final de abril. “Os ativos em depósitos das administrações públicas diminuíram 1,1 mil milhões de euros, tendo a dívida pública líquida de depósitos registado um acréscimo de 1,4 mil milhões de euros em relação ao mês anterior, totalizando 226,3 mil milhões de euros”, esclareceu.

No que diz respeito ao setor privado, “observou-se um aumento do endividamento externo das empresas em 0,5 mil milhões de euros. Os particulares registaram um incremento do endividamento face ao sector financeiro de 0,2 mil milhões de euros”.

Estes dados revelam o valor nominal do endividamento, dado que ainda não estão disponíveis os dados do produto interno bruto (PIB).

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. No passado recente muitos foram aqueles que diziam que não tinham qualquer responsabilidade na dívida nacional. Pois, por perfeito desconhecimento, diziam isto. Nada de mais errado. Todos os portugueses têm a sua fatia na dívida nacional, mesmo aqueles que nunca contraíram um único crédito. É que o Estado para pagar aos fornecedores e aos trabalhadores endivida-se. E todos os anos tem menos receitas do que despesas (anos houve em que esta diferença era próximo de 10%; depois veio o Passos aproximar estas duas grandezas). Assim temos funcionários públicos a receber acima das possibilidades do nosso estado e sobretudo da nossa economia. De igual modo no privado, as empresas estão todas descapitalizadas e endividadas. Sem fortes e diferenciadores fatores de competitividade internacional a generalidade das nossas empresas apenas sobrevive. E assim, endivida-se diariamente!
    Tudo na nossa economia está desajustado mas infelizmente, e não faltará seguramente muito tempo, iremos ter um novo acerto geral. E esse momento não vai demorar muito mais tempo. Prevejo que num horizonte de 4 anos teremos um novo apertão. Vamos ver. Até poderá ser antes caso a guerra comercial entre bloco sofra uma escalada rápida.

    • Deve o país. Logo também deves!
      E muito provavelmente o país endividou-se para pagar o teu salário ou a tua pensão.

      • NÃO POSSO ESTAR DE ACORDO!!! O PAÍS ENDIVIDOU-SE POR MÁ GESTÃO! SERÁ SEMPRE IMPOSSÍVEL GANHAR 10 E GASTAR 20. PERGUNTEM A QUALQUER DONA DE CASA. A “PEQUENA” DIFERENÇA É QUE A DONA DE CASA USA O SEU DINHEIRO E OS MAUS GESTORES (POLÍTICOS/GOVERNANTES) USAM DINHEIRO DOS OUTROS… SÃO «ELES» QUE NOS ENDIVIDAM!

  2. Não há de facto necessidade de ir ao oculista para verificarmos que está tudo a ir na mesma onda, agora é só deixar continuar andar porque o vício está de novo entranhado e depois quando tudo chegar à beira do precipício chama-se de novo a troika e alcunham-se de criminosos aqueles que se sujeitarem governar o país em tais condições, na prática será de novo reviver mais do mesmo.

  3. Alguns andam a divertir-se com o dinheiro dos outros e depois pagamos todos. O cenário e a prática já é conhecida. Assim, não é difícil fazer omeletas com os ovos dos outros e vender a “banha da cobra”, que está tudo bem e que o país está no melhor. Os portugueses não aprendem e só têm aquilo que merecem e gostam de ser enganados.
    As aparentes melhoras que estamos a atravessar, são, isso sim, resultado do ciclo económico mundial e quando este der a volta (já faltou mais) e quando o BCE deixar de comprar dívida (acaba em Dezembro), os juros forçosamente vão subir e aí é que vão ser elas. Se estivéssemos tão bem como nos “pintam” como se compreende que sejamos o 3º país da UE a crescer menos e onde a dívida continua a crescer, ao contrário de outros!!

RESPONDER

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …

"Sem padrinhos, nem donos". Líder da JP levanta congresso centrista

O candidato à liderança do CDS Francisco Rodrigues dos Santos arrancou este sábado no congresso centrista, que está a decorrer em Aveiro, a maior ovação dos delegados, com um discurso inflamado, em defesa de um …

Quando chegaram à Europa pela primeira vez, as batatas eram "hereges"

Os espanhóis foram os primeiros europeus a encontrar batatas na América do Sul nos anos 1530. Porém, quando foram trazidas para o Velho Continente, não foram bem recebidas por todos. Depois de terem sido encontradas pelos …

Ano vai ser "inevitavelmente" de contestação social, avisa CGTP

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que este ano vai ser “inevitavelmente” de contestação social se o Governo e as empresas continuarem a insistir num modelo de baixos salários. O líder da intersindical …

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …