Encontrados os restos de um continente perdido enterrados a sul da Europa

Até agora ninguém havia notado, mas sob os pés dos habitantes do sul da Europa, que inclui a Península Ibérica, jazem os restos de um antigo continente.

O continente afundou há muito tempo nas profundezas da Terra e a sua história, 250 milhões de anos depois, foi reconstruida passo a passo por uma equipa de geólogos das universidades de Utrecht, Oslo e do Instituto de Geofísica ETH em Zurique.

Os únicos restos visíveis desse continente perdido, conhecido como Grand Adria, são as rochas calcárias que podem ser encontradas nas cadeias de montanhas do sul da Europa. Os investigadores, que publicaram o seu trabalho na revista especializada Gondwana Research este mês, acredita que as rochas começaram a sua existência como sedimentos marinhos para mais tarde serem “raspados” a partir da superfície da Terra e elevados às suas posições atuais graças às colisões das placas tectónicas.

Por esse motivo, tanto o tamanho original como a forma e a história dessa massa terrestre desaparecida foram muito difíceis de reconstruir. No seu artigo, os geólogos explicam que grande parte dele constituiu, durante milhões de anos, o fundo de antigos mares tropicais rasos.

De acordo com Douwe van Hinsbergen, da Universidade de Utrecht, Grand Adria tinha uma história “violenta e complicada”. De facto, separou-se do sul do supercontinente Gondwana, que entendia o que é hoje a África, América do Sul, Austrália, Antártica, subcontinente indiano e Península Arábica, há 240 milhões de anos. A partir desse momento, começou a mover-se para o norte.

Os investigadores acreditam que, há cerca de 140 milhões de anos, Grand Adria era uma massa terrestre do tamanho da Gronelândia, coberta em grande parte por um mar tropical leve, onde os sedimentos se acumulavam lentamente para se transformarem em rochas. Mais tarde, entre 100 e 120 milhões de anos atrás, colidiu com o que é hoje a Europa, quebrando e sendo empurrado para o continente.

Apenas uma pequena parte das rochas de Gran Adria, arrancadas da crosta terrestre durante a colisão, conseguiu permanecer na superfície da Terra.

O estudo também teve de lidar com uma complicação adicional: as rochas de Grand Adria estão espalhadas por mais de 30 países, variando de uma faixa da Península Ibérica ao Irão. Da mesma forma que as rochas, também os dados da sua história se dispersaram.

Finalmente, até há menos de uma década, os geólogos não possuíam o software sofisticado necessário para realizar reconstruções tão complexas como esta. “A região do Mediterrâneo é simplesmente um desastre geológico. Tudo está dobrado, quebrado e empilhado.”

Para realizar o estudo, a equipa passou dez anos a recolher informações sobre as idades das amostras de rochas de Grand Adria, bem como a direção dos campos magnéticos presos nelas. Com isso, conseguiram identificar não apenas quando, mas onde essas rochas se formaram.

Dessa maneira, os cientisras perceberam que, enquanto se deslocavam para o norte, Grand Adria girava no sentido anti-horário, empurrando e raspando outras placas tectónicas no seu caminho. No final, chegou à colisão com a Europa.

Embora isso tenha ocorrido a velocidades não superiores a 3 ou 4 centímetros por ano, o acidente destruiu completamente a crosta de Gran Adria, com cerca de 100 quilómetros de espessura, enviando a maior parte para as profundezas do manto da terra e logo abaixo do sul do continente europeu. Algumas partes deste continente perdido têm mais de 1.500 quilómetros de profundidade.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Sondas da missão a Mercúrio vão passar pela Terra (e vão ser visíveis a olho nu)

A missão conjunta europeia e japonesa BepiColombo está a caminho de Mercúrio. Porém, para chegar lá, terá de passar novamente pela Terra. Este evento acontecerá em 10 de abril e as pessoas nas latitudes do sul …

Xiaomi lança máscara elétrica que carrega via USB

A pandemia de Covid-19 tem impulsionado o surgimento de alguns recursos melhorados para fazer face ao combate do novo coronavírus. É o caso da nova máscara de esterilização elétrica da Xiaomi, que carrega via USB. A …

Em paradeiro incerto, ministra da Guiné-Bissau diz correr perigo de vida

Ruth Monteiro, ministra da Justiça e dos Negócios Estrangeiros no Governo da Guiné-Bissau deposto no golpe do dia 27 de fevereiro, está em parte incerta e diz correr perigo de vida. De acordo com o semanário …

Ovelhas e bactérias estão a ajudar a combater o coronavírus

Anticorpos que podem ajudar a combater o SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, estão a ser testados em ovelhas. Estes podem ser usados para desenvolver testes de diagnóstico. O SARS-CoV-2, o vírus que causa a …

Marcelo sai uma vez por semana, usa máscara e luvas nas compras (e passa a Páscoa em Belém)

O Presidente da República afirmou este sábado que, para se proteger do surto de covid-19, só sai em trabalho uma vez semana, usa máscara nas compras e vai passar a Páscoa confinado no Palácio de …

A procura por sumo de laranja está a disparar (e a culpa é do coronavírus)

A procura por sumo de laranja tem disparado nos últimos tempos, muito devido à pandemia de covid-19. As pessoas querem reforçar o seu sistema imunitário. Já quase ninguém está indiferente à ameaça da pandemia de covid-19, …

Nove pessoas com covid-19 curadas após receberem plasma de doentes recuperados

Pelo menos nove pessoas internadas nos cuidados intensivos em Itália com covid-19 já foram curadas, depois de receberem plasma de pacientes recuperados. De acordo com o jornal italiano Corriere della Sera, os doentes receberam o plasma …

Grace tem seis anos e pode ser a autora mais nova de sempre de um artigo científico

Uma menina de seis anos, que vive na Austrália, pode ser a autora mais nova de sempre a ter um artigo científico publicado numa revista da especialidade. Grace Fulton tem uma enorme paixão por animais e, …

Geco encheu Lisboa com autocolantes (e a polícia de Roma está a pedir ajuda para o encontrar)

A polícia de Roma está a pedir ajuda à Associação Vizinhos de Lisboa para encontrar o graffiter Geco, cujas pinturas e autocolantes se podem ver por toda a capital portuguesa, e que está em investigação …

TikTok "esconde" publicações de pessoas feias e pobres para atrair novos utilizadores

O TikTok deu indicações aos seus moderadores para 'esconder' as publicações de utilizadores feios, pobres ou com deficiências. As suas audiências eram manipuladas para que os seus vídeos fossem vistos por menos pessoas. Antes conhecido como …