Congresso americano gastou mais de 17 milhões a “abafar” casos de assédio e ilegalidades

1

Stephen D. Melkisethian / Flickr

Edifício do Capitólio / Senado norte-americano, em Washington

O Governo dos Estados Unidos já gastou mais de 17 milhões de dólares para “resolver” ilegalidades laborais como assédio sexual ou discriminação racial. Todo este dinheiro tem origem nos contribuintes norte-americanos.

O Congresso dos Estados Unidos desembolsou mais de 17 milhões de dólares em acordos com os seus funcionários para resolver disputas laborais nos últimos 20 anos. O montante é disponibilizado por uma conta especial do Departamento do Tesouro norte-americano, criada em 1995.

Numa altura em que existem vários alegados casos de má conduta sexual, o gabinete revelou os números sem os detalhar, evitando que seja possível determinar quantos dos 264 acordos e indemnizações são devido a casos sexuais.

Os funcionários do Capitólio que se queixam de algum tipo de disputa laboral têm de esperar pelo menos três meses até que a queixa seja efetivada. Caso seja estabelecido um acordo entre ambas as partes, o acordo é mantido em segredo. No que toca aos pagamentos, não são incluídos nos gastos do Congresso, divulgados anualmente.

Nos últimos 20 anos, 2007 foi o ano em que se registaram mais acordos, com 25 casos envolvendo o pagamento de cerca de quatro milhões de dólares. As queixas vão de situações de assédio sexual, discriminação racial e religiosa ou pagamento de horas extra.

O que começou por ser uma vaga de acusações de assédio sexual restritas a Hollywood, alastrou-se à política. O candidato republicano às eleições especiais para o Senado no estado do Alabama, Roy Moore, é um dos acusados.

Embora várias figuras tenham pedido o afastamento de Moore da corrida eleitoral, o presidente Donald Trump pronunciou-se esta terça-feira sobre o assunto, ressalvando que Moore “negou totalmente” as alegações.

Segundo o Público, o presidente norte-americano apelou ao voto no republicano mesmo depois de ter afirmado anteriormente que considerava as acusações contra Moore “extremamente perturbadoras”.

Sobre estas acusações de assédio sexual, Donald Trump afirmou que “as mulheres são muito especiais. Muitas coisas estão a surgir. Penso que isso é bom para a nossa sociedade e muito, muito bom para as mulheres e estou muito feliz”, acrescentou.

  ZAP //

1 Comment

  1. Conclusão os politicos é q são os criminosos e quem paga são os contribuintes?? Estes politicos fazem as leis só p eles ou p criminosos como eles…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.