Empresário com Visto Gold condenado a 25 anos de prisão por incêndio em prédio no Porto

Foi condenado à pena máxima de 25 anos de prisão o empresário Chenglong Li, chinês detentor de um Visto Gold, como o mandante do incêndio que ocorreu num prédio no Porto, em 2019, e que levou à morte de uma pessoa.

A pena aplicada ao empresário Chenglong Li, de 25 anos, é o cúmulo jurídico de várias penas parcelares, incluindo a referente a homicídio qualificado consumado. Foi ilibado da acusação de branqueamento de capitais.

O colectivo do Juízo Central Criminal do Porto, presidido por Maria da Conceição Nogueira, deu como provado que o empresário foi o mandante de dois fogos postos, em 2019, e de coacção aos locatários que restavam no prédio em causa.

No total, o empresário teria sido condenado a 55 anos de prisão – “7 pelo incêndio mortal, 20 pelo homicídio da vítima, 27 pelas tentativas de homicídio de dois irmãos e da mãe daquela”, um ano por outro incêndio no mesmo prédio e “9 meses por tentativa de coacção”, como destaca o Correio da Manhã (CM).

Mas o cúmulo jurídico resulta em 25 anos que é a pena máxima aplicada no sistema judicial português.

Por provar ficou o alegado envolvimento de três portugueses co-arguidos no crime de homicídio. Estavam acusados de terem sido responsáveis por pegar fogo ao prédio, mas acabaram por ser condenados apenas a 9 meses de pena suspensa por coacção.

Advogado “surpreendido” vai recorrer

O advogado do empresário, Gonçalo Nabais, já anunciou que vai recorrer da sentença, mostrando-se “surpreendido” pelo facto de ser “fixada a autoria moral” e de cair “a material”, conforme declarações ao CM.

Chenglong Li era o dono do imóvel onde vivia apenas uma família que pagava uma renda de 53 euros.

O incêndio matou António Gonçalves, de 55 anos, e deixou a sua mãe de 88 anos, que era a arrendatária de um dos apartamentos do prédio, e os seus dois irmãos desalojados.

Além da pena de prisão, Chenglong Li foi ainda condenado ao pagamento de “mais de um milhão de euros em indemnizações, incluindo 170 mil euros ao filho da vítima mortal“, como reporta o CM.

Os dois irmãos da vítima mortal vão receber 53 mil euros e à sua mãe, entretanto falecida devido a doença, são destinados 43.990 euros de compensação.

O empresário terá ainda de pagar 58 mil euros à moradora do prédio vizinho que também foi destruído pelo incêndio e que estava grávida, e mais 700 mil euros a uma imobiliária, conforme dados do CM.

Tramado por mensagens de telemóvel da mulher

O empresário foi incriminado por “mensagens de telemóvel enviadas pela mulher” ao “amigo Hugo Tavares”, onde alegará que o marido “fez coisas muito más”, segundo cita o mesmo jornal.

O acórdão de condenação nota que “não foi provado” que o empresário “quisesse matar pessoas”, mas conclui que “agiu com o dolo necessário” porque “precisava de retirar as pessoas da casa”.

Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …

Birmânia. Líder da junta volta a prometer eleições até 2023, seis meses depois do golpe militar

O líder da junta militar birmanesa, no poder desde o golpe de 1 de fevereiro, comprometeu-se novamente a realizar eleições "até agosto de 2023". “Estamos a trabalhar para estabelecer um sistema multipartidário democrático”, disse, este domingo, …

Tóquio2020. Patrícia Mamona conquista medalha de prata no triplo salto (e melhora recorde nacional)

Patrícia Mamona conquistou este domingo a medalha de prata no triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao conseguir 15,01 metros, novo recorde nacional, arrebatando a segunda medalha por atletas portugueses depois do bronze do judoca …