Perseguição e deslumbramento: o que é jogar no Real Madrid

Na véspera de novo “clássico” entre Real e Barcelona, Emerson recordou os seus tempos na capital espanhola, admitindo que não entrou no Santiago Bernabéu como deveria. E recusar uma entrevista não ajudou.

Este sábado, 10 de Abril, será o dia de mais um capítulo do “clássico” entre Real Madrid e Barcelona. Neste contexto, Emerson falou à ESPN e recordou a sua passagem por Madrid.

O antigo médio brasileiro só jogou pelo Real durante uma temporada, em 2006/07. Tinha brilhado em Itália nos seis anos anteriores, primeiro na Roma e depois na Juventus. Aterrou na capital espanhola depois do Mundial 2006 mas não começou da melhor forma: “‘Eu no início não estava tão focado, como tinha estado nos outros clubes. O Real Madrid deixa o jogador um pouco deslumbrado”.

Esses primeiros tempos no Santiago Bernabéu não foram simples porque Emerson sentiu uma certa perseguição, quer da parte da imprensa, como ainda dos adeptos e até dos outros futebolistas, os que já eram “veteranos” no plantel do Real Madrid.

‘Existia uma certa perseguição, no início. Acho que isso aconteceu por dois fatores: o primeiro, por eu por não ter dado uma entrevista quando um jornalista me pediu (em Itália o jornalista perguntava sempre aos assessores, antes de falar com o jogador), e o segundo porque foi o Fabio Capello quem me contratou. Em Itália toda a gente já me conhecia e sabia quem era o Emerson. Em Espanha eu tive que mostrar para os meus companheiros que o Emerson tinha chegado para ajudar e não para roubar o espaço de outro jogador”, explicou o antigo internacional brasileiro.

O jogo deste sábado pode ser o último Real-Barcelona com Lionel Messi em campo. Emerson cruzou-se com o argentino, quando Messi ainda estava nos seus primeiros na equipa principal do Barcelona. O ex-futebolista ainda se lembra desse jogo contra o rival catalão.

”Foi um jogo muito difícil. Lembro-me de que eu estava no meio campo com o Diarra e conversávamos muito sobre isso, sobre nunca perder o Messi de vista, porque realmente é um jogador que, se nos distrairmos, daqui a pouco ele já vai inventar alguma coisa e vai acontecer algo de bom. Temos que estar atentos o tempo todo”, disse Emerson, que não tem dúvidas em colocar Messi na lista dos adversários mais complicados que enfrentou.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.