Empresa está a “editar” fruta e vegetais para torná-los mais saborosos

A startup norte-americana Pairwise Plants está a editar geneticamente fruta e vegetais para torná-los mais saborosos. Está também a trabalhar para melhorar várias culturas básicas em grande escala como milho, soja, trigo, canola e algodão.

Manter uma dieta saudável nem sempre é uma tarefa fácil. Muitas vezes, os alimentos que nos fazem bem acabam por não ser apelativos ao nosso paladar, deixando-nos como derradeira alternativa comer por obrigação. Esta realidade pode estar prestes a mudar graças à prática de uma startup norte-americana que está a usar edição genética para tornar fruta e vegetais mais saborosos.

A Pairwise Plants conta com um financiamento de 125 milhões de dólares da Monsanto, que é detida pela farmacêutica Bayer. Graças à ferramenta de edição genética CRISPR, a empresa está a tentar tornar alguns dos alimentos mais nutritivos em verdadeiras iguarias para os consumidores.

Além disso, de acordo com o OneZero, a Pairwise também está a trabalhar para melhorar várias culturas básicas em grande escala, como milho, soja, trigo, canola e algodão. Neste sentido, a CRISPR pode ser uma ferramenta útil para acabar com a fome no mundo ao produzir melhores colheitas e fortalecendo culturas contra doenças e alterações climáticas.

A Pairwise começou por editar geneticamente a mostarda-castanha, uma parente próxima da couve e do repolho, rica em vitaminas e minerais essenciais. Este é um ingrediente tipicamente usado na cozinha chinesa, japonesa e indiana, não sendo muito utilizado no ocidente. O seu sabor característico acaba por o deixar fora de muitas dietas.

“Não temos a certeza de como será o sabor final”, disse Ryan Rapp, chefe de tecnologias de edição de genoma da Pairwise Plants.

Os cientistas identificaram vários genes associados ao sabor picante da mostarda-castanha e programaram a CRISPR para encontrar e excluir esses genes. O resultado final era um ingrediente menos picante e apimentado do que o habitual. A Pairwise espera colocar fruta e vegetais como estes nos supermercados entre 2021 e 2022.

Um alimento geneticamente modificado já está no mercado, um tipo de óleo de canola mais saudável, mas é produzido com uma tecnologia mais antiga de edição de genoma conhecida como TALENs.

“Estamos a fazer alterações pequenas, muito precisas e discretas nos genes que já existem na planta”, diz Aaron Hummel, chefe de tecnologias de edição de genoma da Pairwise. O especialista vê a CRISPR como uma maneira de acelerar o melhoramento de plantas para certas características desejáveis.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A ciência não para de querer competir com a natureza. Nem se preocupa com as consequências nefastas para a saúde das pessoas e animais que se alimentam com os produtos resultantes destas perigosas manipulações. É já por demais conhecido o perigo que constitui a soja geneticamente modificada, mas continuam alegremente a brincar com o equilíbrio do nosso planeta. Os legumes precisam de ser melhorados porque, muito deles resultam de sementes modificadas para produzirem mais e maiores produtos. Se obedecerem às regras ancestrais da agricultura, cultivando através de métodos biológicos os vegetais, os frutos terão muito mais sabor!

RESPONDER

Atletas que sorriem durante as corridas gastam menos oxigénio

Os atletas que sorriem gastam menos oxigénio, trabalham de forma mais económica e têm um nível de esforço menor, refere um estudo realizado pelas universidades de Ulster e Swansea, divulgado esta terça-feira. Os investigadores pediram a …

OMS analisa possíveis primeiros casos de infeção de animais para o homem

A Organização Mundial de Saúde (OMS) admite que pelo menos três infeções por Covid-19 nos Países Baixos possam ser os primeiros casos conhecidos de transmissão do novo coronavírus dos animais para o homem, tendo martas …

Na Suíça, é possível estar em teletrabalho e a empresa pagar parte da renda

O Tribunal Federal da Suíça condenou uma empresa de contabilidade a pagar parte da renda de casa a um funcionário que se encontrava em teletrabalho. Segundo revelou na segunda-feira o swissinfo e o Tages-Anzeiger, citados pelo …

Governo negoceia até mais 35 milhões em apoios para agricultura

A ministra da Agricultura disse hoje que está em curso a negociação de medidas adicionais para apoiar o setor agrícola, face ao impacto da covid-19, através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), que podem mobilizar …

Moro não assinou exoneração de ex-diretor da Polícia, admite Presidência do Brasil

A Secretaria-Geral da Presidência brasileira admitiu na segunda-feira que o agora ex-ministro da Justiça Sergio Moro não assinou o decreto de exoneração de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal, confirmando a versão original do …

Norte foi região que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho no país

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou na segunda-feira a Comissão de Coordenação e …

Vai nascer uma praia fluvial nas margens do Alqueva em 2021

Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, devendo começar a funcionar no verão do próximo ano. Uma nova praia fluvial começou a ser construída nas margens do Alqueva, junto à aldeia …

Câmara de Bragança vai ajudar com até 100 euros a pagar renda

As famílias mais vulneráveis do concelho de Bragança vão poder contar com um apoio financeiro até 100 euros mensais para pagar a renda. A Câmara de Bragança vai ajudar as famílias do concelho em situação vulnerável …

Parlamento chumba lay-off para sócios-gerentes, mas acaba com teto de faturação ao apoio

A Comissão de Economia chumbou, esta terça-feira, o alargamento do lay-off simplificado aos sócios-gerentes. Por outro lado, aprovou o fim do teto de faturação para aceder ao apoio a estes portugueses. A proposta do PSD, BE …

Comissão Europeia admite que Portugal fica "em desvantagem" nas ajudas estatais

Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia, admite que países como Portugal, com menor capacidade orçamental do que Estados-membros como Alemanha ou França, fiquem “em desvantagem” nas ajudas estatais em altura de crise gerada pela …