Economia chinesa contraiu quase 7%. É o pior resultado desde 1970

A China sofreu a pior contração económica desde 1970, no primeiro trimestre deste ano, após ter paralisado durante quase dois meses, devido às medidas para travar a epidemia da Covid-19, foi anunciado esta sexta-feira.

A economia chinesa, a segunda maior do mundo, contraiu 6,8%, em termos homólogos, e a queda acentuada no consumo e atividade fabril sugerem que a recuperação será mais longa e difícil do que se previa, noticiou esta sexta-feira a agência Lusa.

Analistas que afirmaram anteriormente que a China podia recuperar ainda este mês estão agora a reduzir as previsões, à medida que os dados negativos se acumulam. “Não acho que haverá uma recuperação real até ao quarto trimestre ou ao final do ano”, apontou o economista Zhu Zhenxin, do Instituto de Finanças Rushi, situado em Pequim.

O consumo doméstico, que no ano passado compôs 80% do crescimento económico da China, afundou 19%, em termos homólogos, entre janeiro e março, abaixo da maioria das previsões. Já o investimento em fábricas e outros ativos fixos, importantes impulsionadores da segunda maior economia do mundo, caiu 16,1%.

O Partido Comunista Chinês declarou vitória no combate à propagação do coronavírus no início de março e ordenou a reabertura de fábricas e escritórios. No entanto, cinemas, salões de beleza e outros negócios considerados não essenciais, mas que empregam milhões de pessoas, permanecem encerrados. O turismo está a lutar para recuperar.

Em Pequim e algumas outras cidades, medidas de distanciamento social e quarentena continuam a ser aplicadas. No final do mês passado, as autoridades chinesas baniram a entrada de estrangeiros no país, mesmo aqueles que têm estatuto de residente.

O consumo interno está também a demorar a recuperar, apesar das medidas do Governo para incentivar os gastos, através da distribuição de vales de compras e de uma campanha que mostra líderes do Partido a comer em restaurantes, visando incentivar as pessoas a voltarem a sair à rua.

Muitos consumidores estão, no entanto, receosos de gastar dinheiro, por medo de perderem o emprego e enfrentarem dificuldades financeiras. Outros continuam a temer ir a centros comerciais ou mesmo sair de casa.

Alex Plavevski / EPA

“Definitivamente, vou ser mais poupado”, disse um gerente de marketing de 26 anos, de Pequim. Zhang Lizhou disse que a sua empresa, que ainda não reabriu, está a pagar 1.500 yuan (197 euros) por mês aos funcionários, mas teme não poder cumprir com o crédito à habitação. A namorada perdeu o emprego, depois de a empresa falir, devido à epidemia.

Trata-se de um golpe para as multinacionais europeias e norte-americanas, que esperam que a China tire a economia mundial da pior crise desde 1930.

O Partido Comunista Chinês apelou às empresas para continuarem a pagar aos funcionários e evitarem demissões, e está a prometer incentivos fiscais e empréstimos para ajudar os empreendedores a reerguerem-se. Ainda assim, uma onda de falências inundou o mercado de trabalho.

As vendas de automóveis caíram 48,4%, no primeiro trimestre do ano, em relação ao ano anterior. As exportações caíram 6,6%, em março passado, em relação ao ano anterior, uma melhoria em relação à queda de dois dígitos registada em janeiro e fevereiro, mas analistas alertaram que os exportadores provavelmente enfrentarão outra desaceleração, já que a luta contra o vírus paralisou, entretanto, a Europa e os Estados Unidos.

Previsões das consultoras Oxford Economics, UBS e Nomura indicaram que a China terá pouco ou nenhum crescimento económico este ano.

Pequim está a tentar estimular a atividade ao aumentar a despesa com a construção de redes de telecomunicações de última geração e outros projetos, mas o Partido no poder não quer injetar muito dinheiro na economia, temendo um forte aumento da dívida pública e da inflação, que está perto do nível máximo em sete anos.

Os líderes poderão adotar medidas de estímulo pelo menos tão grandes como durante a crise financeira internacional de 2008, mas, desta vez, vão destacar “qualidade em vez de quantidade”, apontou Zhu, acrescentando que o dinheiro provavelmente será destinado ao desenvolvimento tecnológico e melhor proteção social, e não à construção maciça, como aconteceu na última década.

A nível global, a Covid-19 já provocou mais de 145 mil mortos e infetou mais de 2,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 465 mil doentes foram curados. Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa quatro mil milhões de pessoas, encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo.

Lusa //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. EDP – REN – Fidelidade – Multicare – Luz Saúde – BCP – Banif – Global Média (Bola-DN-JN-TSF e mais) – TAP – Monte de Pasto – Caixa Seguro e mais
    É preciso escolher a quem entrego o meu dinheiro

RESPONDER

PCP de volta às negociações. Bloco rejeita bluff e exige mais reuniões com Costa

Ameaçou, mas não caiu. O PCP ainda está vivo e oficialmente de volta à mesa das negociações. A comitiva do Bloco de Esquerda esteve esta terça-feira reunida com o primeiro-ministro, em São Bento. No final de …

Apoio à retoma. Empresas com quebras de faturação superiores a 75% podem reduzir horários a 100%

A possibilidade de redução total do horário de trabalho em empresas abrangidas pelo Apoio à Retoma Progressiva estará disponível para empresas que registem quebras de faturação homólogas iguais ou superiores a 75%. Na segunda-feira, o ministro …

FC Porto é "passado". Otamendi promete "defender Benfica até à morte"

O internacional argentino prometeu, esta terça-feira, durante a sua apresentação como novo reforço dos encarnados, "defender a camisola do Benfica até à morte". Nicolás Otamendi é o novo reforço das águias e foi apresentado, na noite …

Manso Neto tenta evitar que 3 mil emails seus entrem no processo que envolve Manuel Pinho

A defesa de João Manso Neto quer impedir o Ministério Público (MP) de usar 3.277 emails seus como prova no processo no qual é arguido, juntamente com António Mexia, por suspeitas de corrupção que envolvem …

Bruno Tabata assina contrato de cinco anos com o Sporting

O extremo brasileiro, que alinhava no Portimonense, assinou um contrato de cinco temporadas com o Sporting, com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. O Sporting não refere, no comunicado, o valor da transferência …

Príncipe germânico foi enterrado com seis mulheres em redor de um caldeirão

Um cemitério pertencente a um senhor de alto estatuto foi descoberto na Saxónia-Anhalt, perto de Brücken-Hackpfüffel, numa escavação que os arqueólogos estão a descrever como a mais importante dos últimos 40 anos da história da …

Entre interrupções e insultos, Biden chama palhaço a Trump (e este põe em causa a sua sanidade mental)

Aconteceu ontem o primeiro de três debates, nos quais os candidatos republicano e democrata à Casa Branca - Donald Trump e Joe Biden - têm oportunidade de apresentar aos eleitores norte-americanos as suas propostas para …

Europa alarga restrições. Alemanha limita festas, Eslováquia em emergência e Itália não facilita

Os país europeus estão a anunciar novas medidas restritivas contra a covid-19, num altura em que o número de infeções voltou a aumentar e o inverno está a chegar. De acodo com o Diário de Notícias, …

Jogos da seleção com Espanha e Suécia vão ter adeptos nas bancadas

Os próximos jogos da seleção portuguesa frente à Espanha e à Suécia, no estádio Alvalade XXI, foram autorizados a receber público, revelou, esta terça-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). "No jogo de preparação entre as …

Santos Silva rejeita apoio a Ana Gomes (e diz que polémica com embaixador dos EUA foi ultrapassada)

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, falou, em entrevista à TVI24 esta terça-feira, sobre a aprovação do Orçamento de Estado para 2021 e as eleições presidenciais e desvalorizou a polémica com o embaixador …