E afinal, o golo do Arsenal deveria ter sido anulado?

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Um dos golos mais estranhos de sempre na Premier League “manchou” o grande jogo entre Manchester United e Arsenal.

Um dos clássicos da Premier League, entre Manchester United e Arsenal, contou com cinco golos, três deles portugueses, contou com uma reviravolta da equipa da casa e contou com um dos golos mais estranhos de sempre naquele campeonato.

O United ganhou por 3-2 mas foi o Arsenal a marcar o primeiro golo deste duelo. O autor foi Emile Smith Rowe, jovem do Arsenal que aproveitou o facto de o adversário não ter…guarda-redes.

Ou melhor, o guarda-redes do Manchester United estava junto à baliza, mas estava no chão. Na sequência de um pontapé de canto, David de Gea foi pisado por um colega de equipa, Fred, que sem querer impediu o espanhol de se manter na jogada.

O árbitro, que nos primeiros segundos nem terá visto que o guarda-redes estava no chão, não interrompeu o jogo. A bola sobrou para fora da área e Smith Rowe rematou, com sucesso – praticamente bastou colocar a bola entre os postes, porque de Gea continuou no chão, lesionado.

Os jogadores do Arsenal quase nem festejaram porque pensavam que o árbitro iria anular o golo. E, aparentemente, a decisão seria mesmo essa.

A revisão seguiu para o vídeo-árbitro que, quando viu que o guarda-redes do Manchester United tinha sido travado por um jogador do Manchester United, decidiu confirmar o golo (três minutos depois).

O golo deveria ter sido anulado? A resposta não será unânime.

Falta não era, obviamente. Mas o guarda-redes estava lesionado. E, quando o cenário é esse, o jogo é sempre interrompido. Realmente, desta vez, o árbitro apitou; mas só depois de a bola ter entrado na baliza.

Michael Owen, antigo internacional inglês, foi um dos primeiros a reagir. Defendeu que a decisão foi correcta, que o golo é legal. E até escreveu mais, no Twitter: “Espero que isto tire aos jogadores o hábito de ficarem no chão quando não têm nada”.

Por cá, Tomás da Cunha sugeriu que o Arsenal deveria ter marcado um golo na própria baliza, logo a seguir. “Aquele remate nunca entraria com De Gea em pé. Como adulterar um jogo: by Martin Atkinson”, criticou, referindo-se ao árbitro.

Também o novo treinador do Manchester United, Ralf Rangnick, já reagiu: “Foi um golo infeliz. Até eu perguntei «Onde está o David de Gea?» Foi um golpe para a equipa, estavam sem confiança”.

Mais tarde, esta jogada também originou protestos:

Harry Maguire puxou a camisola de Takehiro Tomiyasu, na área do United, mas não foi assinalada grande penalidade a favor do Arsenal. Mesmo após revisão por parte do vídeo-árbitro.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.